terça-feira, 31 de julho de 2007

Os milhões de Simão Sabrosa

A venda de Simão Sabrosa, então com apenas 19 anos, ao Barcelona, por 15 milhões de dólares, corria o ano de 1999, não foi um excelente negócio para o Sporting, uma vez que o futebol sénior não chegou a obter títulos com a contribuição do atleta. Mas no plano financeiro acabou por ser bastante bom. Tão bom que ainda rende muitos milhares de euros. E o ingresso do jogador no Benfica, depois do fracasso catalão, ocorrido em 2001, ainda pode render mais alguns milhões.
De acordo com os números que foram divulgados, o Sporting vai receber 560 mil euros resultantes da venda de Simão ao Atlético de Madrid, não se sabendo se nesse montante já está previsto o cálculo do valor de cinco milhões de euros dos dois jogadores que o clube espanhol emprestará ao Benfica. Mas o Sporting, adianta o jornal "Record", pretende receber mais de dois milhões de euros pelos direitos de formação relativos à transferência do extremo do Barcelona para o Benfica, dado que ficou estipulado no contrato de cedência aos catalães que o Sporting teria o direito de opção sobre o jogador quando este regressasse a Portugal. Algo que o jogador, sustentam os responsáveis leoninos, não permitiu quando voltou ao nosso país para reforçar o Benfica. O Tribunal Cível de Lisboa tem a palavra.

Ex-juniores deixam clube belga

O protocolo entre o Sporting Clube de Portugal e os belgas do KSV Roeselare, afinal, está a ficar sem efeito. E ainda bem. Os ex-juniores João Martins, Fábio Paim e Alison Almeida eram dados como certos no clube belga, mas já estão de regresso a Portugal. Alison Almeida ainda participou na foto do novo plantel, mas o seu nome já não consta da lista de jogadores do Roeselare como podem confirmar aqui. Irá rodar no Olivais e Moscavide. João Martins também já não integra o plantel belga. E Fábio Paim interessa ao Trofense, da II Divisão de Honra, cujo presidente é amigo de Filipe Soares Franco, o que poderá facilitar as coisas. Mas o nome de Paim ainda faz parte da lista de jogadores do Roeselare, segundo o site do clube belga.

segunda-feira, 30 de julho de 2007

A FIFA e a Língua Portuguesa

Quando se trata de defender os apoios financeiros do Estado ao futebol português, como aconteceu aquando da construção de vários estádios para o Euro 2004 – alguns deles para estarem às moscas, como acontece no Algarve...– os agentes do futebol luso costumam enumerar uma série de argumentos que justifiquem essas verbas retiradas dos impostos dos contribuintes.
Um desses argumentos tem a ver com a força do futebol como “embaixador” de Portugal e da “portugalidade” no mundo, nomeadamente como veículo da língua portuguesa e também da nossa cultura. É uma tese respeitável e que tem sentido. Aliás, em muitos cantos do planeta, mesmo nos mais improváveis, podem não saber onde é Portugal ou o que é Portugal, mas sabem quem é Luís Figo, Eusébio, Cristiano Ronaldo e José Mourinho, ou sabem que existem clubes de futebol como o Sporting, o Benfica ou o FC Porto, etc..
Independentemente da força planetária destes nomes ou destes clubes, Portugal é vice-campeão europeu e foi quarto classificado no último Mundial de futebol, estando no lote dos melhores no “ranking” da FIFA. Em consequência disso, o futebolista português é hoje um produto credível no futebol mundial. Pois bem, ao entrarmos no sítio da FIFA na Internet, o que encontramos? Encontramos uma página que pode ser lida em Inglês, em Alemão, em Francês e em Espanhol. A Língua Portuguesa, que é mais falada que o Alemão e que o Francês, passa ao lado da FIFA. E é preciso lembrar que a FIFA tem filiados em três continentes cuja língua oficial é o português. Mais ainda: o Brasil, que é o país do mundo com mais títulos mundiais conquistados, também tem o português como língua oficial.
O que se pode concluir é que os senhores que mandam nas federações dos países de língua oficial portuguesa estão a marimbar-se para a língua e para a cultura de cada país. Por isso, está na hora de o senhor presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Gilberto Madaíl, exigir, junto da FIFA, que a Língua Portuguesa seja tratada como deve ser, pelo menos na página da Internet...

RECORTES LEONINOS

A ESTRATÉGIA DO SPORTING
A revolução operada neste defeso no plantel do Sporting é só mais um facto demonstrativo da falta de uma estratégia de longo prazo com objectivos bem definidos, de que padecem os clubes do futebol português.
É bom recordar um facto: depois de o Sporting, com uma equipa dominada por jovens jogadores portugueses formados no próprio clube, ter conquistado a Taça de Portugal e ter lutado até ao último minuto pela vitória na Liga 2006-2007, ao lado de um FC Porto muito mais rico, Soares Franco falou no sonho de um dia conquistar a Liga dos Campeões com uma equipa maioritariamente constituída por jogadores oriundos da formação da Academia de Alcochete.
Porém, mal abriu o mercado, essas palavras foram arrastadas pelo vento dos euros e dos dólares. É certo que também o FC Porto e o Benfica viram os seus plantéis modificados para lá do que seria previsível. O caso do Sporting é, no entanto, mais preocupante para o clube e para o futebol português, uma vez que estamos a falar daquela que é considerada a melhor escola de formação nacional e uma das melhores do mundo. O que não se confirma no plantel principal.
A verdade é que saíram dez jogadores, que representavam quase metade do plantel de 2006-2007, sete dos quais portugueses. E desses dez que saíram, incluem-se o guarda-redes da selecção nacional portuguesa e cinco atletas formados em Alvalade. Para os seus lugares deverão entrar apenas dois portugueses, Paulo Renato e Adrien Silva, dois produtos da formação, sendo que o segundo deverá ficar adstrito ao plantel júnior, não entrando nenhum deles, para já, nas contas do “onze” principal.
Isto não significa que o Sporting 2007-2008 não seja mais forte. O problema reside na falta de uma estratégia clara. Não é aceitável preconizar uma equipa baseada na formação do clube, ou perder jogadores sob esse pretexto (caso de Rodrigo Tello), e depois constituir um plantel reforçado no mercado do Leste europeu. A ser assim, convém saber, desde já, qual será a estratégia para daqui a um ano. Paulo Bento iria agradecer.
[Publicado no sítio de informação desportiva Sportugal.pt, em 27-07-2007]

domingo, 29 de julho de 2007

Não há plantéis fechados

Com a contratação do desconhecido lateral-esquerdo esloveno Marian Had (que se apresentou em Lisboa de boné vermelho na cabeça e "muito contente" por esta oportunidade de jogar na Liga dos Campeões), dizem que o plantel do Sporting 2007-2008 está fechado. Bom, o melhor será esperar pelo último minuto deste mercado de Verão. No ano passado, com o plantel igualmente fechado, o brasileiro Deivid marcou dois golos ao Boavista, na jornada inaugural da I Liga, e no dia seguinte estava a viajar para a Turquia. Vamos ver o que acontecerá ao plantel leonino até às 24h00 de 31 de Agosto... FOTO: Record Online

sexta-feira, 27 de julho de 2007

As decisões de Madaíl

A direcção da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) decidiu hoje, por unanimidade, demitir José Couceiro, treinador das equipas de "Esperanças" de Portugal, e suspender das selecções os jovens jogadores Zequinha, por um ano, e Mano, por três meses. Zequinha e Mano foram expulsos nos oitavos-de-final do Mundial de sub-20, que se realizou recentemente no Canadá, já perto do minuto 90 da derrota (1-0) frente ao Chile, que ditou a eliminação portuguesa, tendo o primeiro tirado o cartão vermelho da mão do árbitro malaio Subkhiddin Salleh Mohd, seguindo os passos do colega, rumo aos balneários, por agressão a um adversário. O presidente da FPF, Gilberto Madaíl, está de parabéns pelas decisões, ainda que os visados tenham sido os mexilhões do futebol português. Aliás, não vemos a mesma eficácia da "justiça" federativa quando se trata de decidir quanto ao envolvimento dos seus agentes no processo "Apito Dourado".

quinta-feira, 26 de julho de 2007

A história de Cherbakov



Há dias, o treino do Sporting teve um espectador especial: o ucraniano Serguei Cherbakov, antigo avançado do clube, que ficou tetraplégico aos 22 anos, na sequência de um brutal acidente, em Lisboa, na madrugada de 15 de Dezembro de 1993. Numa noite de excessos, na ressaca da eliminação europeia do Sporting de Bobby Robson aos pés dos austríacos do Casino de Salzburgo, Cherbakov sentia ter o mundo nas mãos e não respeitou um sinal vermelho. O treinador Bobby Robson tinha sido despedido pelo presidente Sousa Cintra e o jogador russo tinha acabado de participar num jantar de despedida do treinador inglês. A aventura ficou-lhe cara. Tão cara que ainda hoje anda a pagá-la, sentado numa cadeira de rodas. É duro escrever isto, porque Cherbakov era um atleta excepcional, que tinha tudo para ser um futebolista de classe mundial. Um golo apontado ao Beira Mar, na sequência de um pontapé de canto de Balakov, em 8 de Maio de 1993, no Estádio de Alvalade, que podem ver clicando aqui, ficará para sempre como um dos momentos mais belos da história do futebol.
Depois da tragédia, Cherbakov entregou-se a um plano de recuperação que, para ele, determinado como está, só estará terminado quando conseguir andar como antes. Do Sporting reclama uma dívida de 200 mil euros, dinheiro do que faltaria do contrato que tinha para cumprir com o clube à data do acidente. Não sabemos se a sua deslocação, agora, a Alvalade, está relacionada com uma aproximação entre as partes, dado que, na última edição da Liga dos Campeões, Cherbakov também foi convidado pelo Sporting e viu o jogo com o Spartak, em Moscovo, numa cadeira de rodas.
“Cherba”, como era conhecido entre os sportinguistas, trouxe a mulher Natalia, uma trapezista que conheceu numa clínica de reabilitação, e o filho. Assistiu à sessão de trabalho no relvado, tirou fotografias com os actuais jogadores e foi aplaudido pelos adeptos leoninos. Agora quer ter uma casa em Lisboa.
O Sporting não é propriamente a Santa Casa da Misericórdia, mas a história de Cherbakov – que penso ser única no futebol português – não deve ser apagada da memória, nem deve ser escondida dos jovens, de todos os jovens. Porque se trata de um homem que pagou com os seus erros uma carreira com que sonhava e que estava ao seu alcance, Cherbakov pode representar um alerta chocante para muitos comportamentos excessivos próprios de uma juventude que se julga ilimitada. Logo, Cherbakov deveria ir às escolas, às universidades, aos núcleos do Sporting, enfim, aonde o quisessem receber para ouvir a sua história. Porque, quer queiramos quer não, também é uma história do Sporting. FOTO ENVIADA POR ANDRÉ FIGUEIREDO / Blog Lusofootball

quarta-feira, 25 de julho de 2007

Caneira, André Marques e Paredes...

- Em 4 de Julho, como escreveu o LEÃO DA ESTRELA, já era claro que Marco Caneira iria jogar no Valência. Porém, em vez de substituir o jogador com rapidez e eficácia, o Sporting preferiu alimentar uma novela. Passaram 22 dias. Foi tempo perdido.

- A notícia do empréstimo de André Marques à União de Leiria, caso se confirme, é uma boa notícia. Finalmente encontram uma equipa portuguesa mais exigente para rodar um jovem formado no Sporting.

- O alegado interesse do Nápoles em Carlos Paredes é outra boa notícia. O meio-campo do Sporting tem muitas e variadas alternativas. Só para o lugar do paraguaio há Miguel Veloso e Adrien Silva. E até João Moutinho faz o lugar. E Paredes é daqueles jogadores qe implicam um futebol de tracção atrás, em contramão com a força e a velocidade da juventude que o rodeia, fazendo dele um erro de "casting" no plantel leonino. Portanto, se houver a oportunidade de o vender, excelente. E por 3 milhões de euros seria magnífico.

terça-feira, 24 de julho de 2007

"Correio da Manhã" plagia LEÃO DA ESTRELA

Um texto produzido e publicado pelo LEÃO DA ESTRELA no dia 17 de Julho, sobre um protocolo entre o Sporting Clube de Portugal e os belgas do KSV Roeselare, inspirou o colaborador do “Correio da Manhã” José Carlos Soares, na edição do último sábado, 21 de Julho, na coluna “Bastidores”, do suplemento “Sport”. O problema é que José Carlos Soares, que o público do futebol conheceu na TVI e que há pouco tempo substituiu Nuno Luz naquela coluna, limitou-se a surripiar o assunto do LEÃO DA ESTRELA, transcrevendo frases inteiras, sem mencionar a fonte, o que é muito pouco profissional e, portanto, muito feio. No fundo, estamos perante um caso de plágio que muitos autoproclamados profissionais do jornalismo estão habituados a fazer nas rádios e nas televisões, sem que nenhum chefe lhes diga que a concorrência é saudável desde que não seja selvagem. Neste caso, não custava nada mencionar a fonte. Como, de resto, o LEÃO DA ESTRELA tem feito em relação ao “Correio da Manhã” e a outros órgãos de comunicação social.

A formação de guarda-redes e defesas no SCP

Vítor Damas foi o último grande guarda-redes formado no Sporting

São muito poucos os jogadores defesas laterais ou centrais de grande qualidade formados nas camadas jovens do Sporting que tenham sucesso no futebol senior de alta competição. Como também têm sido raríssimos os guarda-redes de grande qualidade formados no clube. O mesmo acontece com os pontas-de-lança. Depois de Vítor Damas – e já lá vão quase 40 anos… − não me lembro de um bom guarda-redes formado no clube, que se tenha imposto como titular indiscutível do Sporting ou em outro grande clube europeu.
Todos aqueles que tiveram a sorte de rubricar um contrato profissional foram ficando como eternos suplentes, à espera de uma oportunidade que acabou por não aparecer. Fernando Justino (hoje treinador de guarda-redes do Benfica), Sérgio Louro, Rui Correia, Rogério Peres, Paulo Morais, Nuno Santos, Beto II, Alemão e Mário Felgueiras são nomes de guarda-redes que, nos últimos trinta anos, subiram, sem sucesso, ao plantel principal do Sporting. O mais conhecido de todos, Rui Correia, acabou por ter uma boa carreira no futebol português, chegando a vestir as camisolas do Sp. de Braga, do FC Porto e da selecção nacional, mas também não teve vida fácil em Alvalade. Dele diziam que era pequeno e não chegava às bolas altas. Saiu depressa do clube, evidentemente.
No que diz respeito aos defesas, o panorama não é tão negativo. Ainda assim são muito raros os atletas formados em Alvalade que se impuseram ao mais alto nível. Também nos últimos trinta anos, lembramo-nos de Inácio, Carlos Xavier, Fernando Mendes, Morato, Pedro Venâncio, Beto, Nuno Valente, Marco Caneira, e poucos mais.
A falta de boas alternativas para a defesa e para a baliza entre a chamada “prata da casa” contrasta com a grande oferta de jogadores criativos que actuam do meio-campo para a frente, daqueles que dá gosto ver jogar e que resolvem jogos, que todos os anos saem da Academia de Alcochete. Isso tem uma razão de ser, pois é público que os treinadores do Sporting, em particular o coordenador da formação Aurélio Pereira, cujo trabalho tem sido excelente, privilegiam os atletas talentosos nas suas acções de prospecção.
As questões que se colocam são várias e mereciam uma reflexão por parte da SAD do Sporting, tanto mais agora que o clube anda à procura de soluções externas para as linhas laterais da defesa, depois de ter deixado sair Miguel Garcia, de ter dispensado Paíto e de não acreditar em André Marques para o lado esquerdo. A saber:
− Por que é que os jogadores defensivos formados no Sporting são campeões nacionais em todos os escalões, são chamados à selecção nacional e depois falham na equipa principal?
− Por que é que André Marques, por exemplo, ataca bem e defende mal?
− Por que é que Miguel Garcia, Semedo ou Paíto, para falar dos exemplos mais recentes, não se impuseram no Sporting?
− O que falha no processo formativo dos jogadores defensivos?
− Será que as provas nacionais nos escalões jovens são pouco competitivas, sendo o domínio das equipas grandes tão evidente que os treinadores não precisam de ter grandes preocupações defensivas?
− Será que os técnicos formadores das camadas jovens se preocupam devidamente com os aspectos de natureza táctica de todos os sectores, incluindo a defesa, ou o domínio nos respectivos campeonatos é tão claro que bastará confiar na grande capacidade dos atletas que decidem jogos para conquistar os títulos jovens?
− A eventual criação de um campeonato nacional de juniores da I Divisão, disputado a nível nacional ao longo da temporada, com 10 equipas a quatro voltas, não iria melhorar a qualidade competitiva dos juniores portugueses, preparando-os mais rapidamente para o futebol senior de alta competição?

A trapalhada dos jogos abortados

Era suposto que os jogos de preparação de uma equipa de futebol para uma temporada tivessem em linha de conta as necessidades de trabalho de ordem técnico-táctica, sendo os adversários escolhidos tanto quanto possível num quadro previamente definido pela equipa técnica tendo em conta os testes a realizar. É por isso, por exemplo, que os primeiros encontros costumam ser jogados com adversários teoricamente mais fracos, aumentando o grau de dificuldade e de exigência à medida que a resposta física dos jogadores vai melhorando e que os jogos de competição se aproximam. Ora, não é isso que está a acontecer com o Sporting 2007-2008.
Revelando boa organização no dossiê relativo à formação do plantel, ainda que as coisas não estejam totalmente definidas a menos de três semanas do primeiro jogo oficial, a SAD do Sporting espalhou-se ao comprido na planificação dos jogos de preparação, depois de ter anunciado com bastante antecedência uma programação extremamente interessante, com adversários de várias ligas europeias, entre eles o Lyon, hexacampeão francês. No centro desta bronca está uma empresa de agenciamento de eventos desportivos chamada Phedra Sport − que não conseguiu assegurar nenhum dos seis adversários previstos: Marselha, Lyon, Aberdeen, Hearts, Charleroi e Hertha de Berlim.
Sabemos que é muito fácil encontrar uma empresa que faça o trabalhinho por nós. Mas seria muito melhor para o Sporting que as pessoas que lá trabalham e que recebem da SAD no final do mês fizessem alguma coisa para que esta vergonha não tivesse acontecido. Lemos nos jornais que o Sporting vai pedir uma indemnização à tal empresa de agenciamento. E dentro do clube não há nenhum responsável por esta barraca?...

sábado, 21 de julho de 2007

SPORTING Saídas, entradas e permanências

S A Í D A S
NANI, para o Manchester United - Inglaterra (25,5 milhões de euros)
CUSTÓDIO, para o Dínamo de Moscovo - Rússia (1,8 milhões)
RICARDO, para o Bétis de Sevilha - Espanha (2 milhões)
CARLOS MARTINS, para o Recreativo Huelva - Espanha (Desvinculado, SCP mantém 40% do passe)
TELLO, para o Besiktas - Turquia (fim de contrato)
MIGUEL GARCIA, para o Reggina - Itália (fim de contrato)
SEMEDO, para o Charlton - Inglaterra (Desvinculado; SCP mantém 50% do passe)
LUÍS LOUREIRO, desvinculado
JOÃO ALVES, para o Guimarães (Desvinculado; SCP mantém 40% do passe)
DOULA, para o Saint-Étienne - França (Desvinculado; SCP mantém 30% do passe)
ALECSANDRO, para o Cruzeiro - Brasil (fim do empréstimo)
BUENO, para o PSG - França (fim do empréstimo)
CAMEIRA, para o Valência - Espanha (fim do empréstimo)
VARELA, para o Recreativo Huelva - Espanha (empréstimo)
SALEIRO, para o Fátima (empréstimo)
DANIEL CARRIÇO, para a Olhanense (empréstimo)
JOÃO MARTINS, para a Olhanense (empréstimo)
ALISON, para o Roeselare - Bélgica (empréstimo)
FÁBIO PAIM, para o Roeselare - Bélgica (empréstimo)


E N T R A D A S
VUKCEVIC, do Saturn - Rússia (2 milhões de euros)
PUROVIC, do Estrela Vermelha - Sérvia (2 milhões)
STOJKOVIC, do Nantes - França (1 milhão)
GLADSTONE, do Cruzeiro - Brasil (empréstimo)
IZMAILOV, do Lokomotiv Moscovo - Rússia (empréstimo)
DERLEI, do Dínamo Moscovo - Rússia (custo zero)
ROMAGNOLI, do Veracruz - México (Já representava o SCP, por empréstimo; compra do passe custou 1,2 milhões de euros)

PAULO RENATO, do Real Massamá (estava emprestado)
ANDRÉ MARQUES, do Olivais e Moscavide (estava emprestado)
JOÃO GONÇALVES, ex-junior
ADRIEN SILVA, ex-junior
YANNICK PUPO, ex-junior


P E R M A N Ê N C I A S
TIAGO, RUI PATRÍCIO, ABEL, POLGA, TONEL, RONNY, MIGUEL VELOSO, PAREDES, JOÃO MOUTINHO, BRUNO PEREIRINHA, FARNERUD, LIEDSON E YANNICK DJALÓ.

quinta-feira, 19 de julho de 2007

MOMENTOS LEONINOS

Desfile do Dia de Portugal, em Nova Yorque, em 10 de Junho de 2007. No carro decorado com motivos alusivos ao Sporting Clube de Portugal segue Manuel Parente, sócio número 1 da Delegação do Sporting de New Jersey. FOTO: Enviada por Maria J. Ávila

Leões dos EUA solidários com José Torres

Selecção de Portugal no Mundial de Inglaterra em 1966, no jogo contra a Bulgária, no Estádio de Old Trafford, em Manchester. Em cima, da esquerda para a direita: Germano (Benfica), José Carlos (Sporting), Festa (FC Porto), Hilário (Sporting), Vicente (Belenenses) e José Pereira (Belenenses). Em baixo, da esquerda para a direita: José Augusto, José Torres, Eusébio, Coluna e Simões (todos do Benfica).

A saudável rivalidade entre os adeptos dos diferentes clubes portugueses não conhece grandes fronteiras entre os emigrantes portugueses. Como comprovam os documentos bancários a que o LEÃO DA ESTRELA teve acesso, um grupo de sportinguistas residentes em Nova Yorque, parte deles ligados à Delegação do Sporting em New Jersey, acaba de demonstrar que é possível ser rival e solidário, ao ter ajudado financeiramente o antigo futebolista do Benfica e da selecção nacional José Torres, que há vários anos sofre de uma grave doença degenerativa (Alzheimer). O gesto destes sportinguistas foi bem recebido em alguns sectores ligados ao clube da Luz, que censuram o esquecimento a que José Torres tem sido remetido pelas direcções do Benfica e da Federação Portuguesa de Futebol. Para além de ter feito parte do Benfica dos anos sessenta, acabando, mais tarde, no V. Setúbal e no Estoril, Torres, que ficou conhecido como o “Bom Gigante”, representou a selecção nacional como jogador e seleccionador.

Uma equipa ainda verde...

Com pouco mais de uma semana de trabalho no corpo, outra coisa não seria de esperar. No segundo teste da temporada, depois de uma vitória por 2-1 sobre o modesto Sintrense, o Sporting foi uma equipa ainda muito “verde” frente ao Vitória de Guimarães, em jogo disputado em Albufeira. Depois de um empate a zero ao fim dos noventa minutos, em que os vimaranenses revelaram um mecanismo colectivo mais escorreito, o Sporting perdeu por 4-5 nas grandes penalidades e ficou com a taça mais pequena. Mas ganhar o Troféu de Albufeira, embora fosse importante para ajudar a criar o necessário clima de vitória no seio da equipa, não era, seguramente, o mais importante.
Importante mesmo foi observar que já há Anderson Polga e Tonel a mandar no eixo da defesa, já há Romagnoli, pronto, talvez, para uma grande temporada, e já há Liedson, mesmo que o ataque tenha ficado em branco. Muito importante foi ver que o guarda-redes Stoikovic promete fazer esquecer Ricardo muito rapidamente; que Izmailov é capaz de ocupar mais espaço do que Nani; que André Marques pode agarrar o lado esquerdo da defesa; e que Adrien Silva é um potencial candidato ao losango de Paulo Bento.
Quanto aos restantes jogadores, é preciso mais jogos para ver como evoluem, embora pareça que Carlos Paredes e Derlei, curiosamente os jogadores mais experientes, tenham dado sinais de que poderão ser úteis como segundas opções no banco dos suplentes. O primeiro para segurar resultados e o segundo para alargar a frente de ataque em dias de pouca inspiração. Entretanto, fica desde já a impressão que Paulo Bento tem um bom problema no meio-campo, pois há seis jogadores muito capazes para apenas quatro lugares. Além de Izmailov, Adrien Silva e Romagnoli, há João Moutinho e Miguel Veloso, e ainda falta ver Vukcevic. E ainda há Farnerud. E também Bruno Pereirinha. Mais e melhores opções do que há um ano.
Quanto ao lado direito da defesa, a utilização de Pereirinha não convenceu. Mais do que defesa, Pereirinha é um jogador ofensivo. Talvez Paulo Bento tenha provado que precisa de outra solução para aquele lugar, para que Abel tenha concorrência. No ataque não se viu grande coisa. Mas não é dramático. Afinal, uma equipa começa a ser construída de trás para a frente.

Obs. − Não lembraria ao diabo inscrever nas camisolas o nome dos jogadores e o seu número em caracteres de cor preta sobre um fundo verde. Curiosamente, o Banco Espírito Santo, cujo logótipo até é verde, aparece impresso em cor branca para que se veja bem. Por que é que não colocam o novo logótipo verde do BES sobre um fundo branco? Se isso for pedir muito, por que não o nome dos jogadores e o número em branco sobre o fundo verde?

quarta-feira, 18 de julho de 2007

O estranho protocolo com os belgas do Roeselare

Fábio Paim, representado por Jorge Mendes, foi colocado na Bélgica

O protocolo de cooperação que a SAD do Sporting assinou com os belgas do KSV Roeselare é daquelas decisões que custam a entender, pois não têm qualquer sentido ou lógica aparentes. O KSV Roeselare é um obscuro clube belga, com um plantel formado maioritariamente por jogadores belgas (18 num plantel de 23), que no última Liga do seu país ficou em 11º lugar − entre 18 concorrentes −, com menos 39 pontos que o campeão Anderlecht (77 pontos). Depois, o campeonato belga é o que é, ou seja, não conta para o futebol europeu da actualidade.
No entanto, o Sporting escolheu o Roeselare para rodar alguns dos seus jogadores. Os ex-juniores Alison Almeida e Fábio Paim já lá estão. Falou-se em João Martins, irmão de Carlos Martins, mas o seu destino acabou por ser o Olhanense.
Não estamos a ver o que é que os ex-juniores do Sporting poderão aprender na Bélgica que não possam aprender em Portugal, ou como é que vão conseguir crescer num campeonato sem interesse, distantes do seu país, do seu clube de origem, dos amigos ou da família. O mais certo é que não aprendam nada e que acabem perdidos para o futebol de alta competição.
Sendo o Sporting um clube português, sendo a sua escola de formação das melhores da Europa e do mundo, e estando o jogador português bem cotado no plano internacional, é estranho que o clube de Alvalade não procure fazer protocolos de cooperação com clubes portugueses, obedecendo a um plano estratégico que cubra todas as regiões do país. Com protocolos com seis clubes de seis diferentes regiões do país (Zona Norte; Zona Centro; Lisboa e Vale do Tejo; Alentejo e Algarve; Madeira; e Açores), privilegiando os clubes que são filiais leoninas ou os clubes mais competitivos, o Sporting teria uma cobertura nacional, criando as bases para uma liderança efectiva no futebol português nas mais diversas vertentes, e deixaria de ter problemas para colocar jogadores que saem dos juniores. Mais ainda: com um naipe de clubes preparados para receber os juniores leoninos, isso iria proporcionar uma continuidade da formação dos atletas para além do último escalão jovem, mantendo a sua ligação contratual ao Sporting, por exemplo, até aos 23 anos. Mas não sabemos se isso interessa ao Sporting.

domingo, 15 de julho de 2007

Os problemas do Sporting

Agora que a Câmara Municipal de Lisboa tem um novo presidente eleito, ainda que minoritário, o socialista António Costa, é tempo de o presidente do Sporting, Filipe Soares Franco, fazer chegar aos Paços do Concelho um pedido de audiência com carácter de urgência, tendo em vista a resolução de todos os problemas que o clube tem pendentes na autarquia, nomeadamente a questão do licenciamento da urbanização prevista para os terrenos adjacentes ao Estádio de Alvalade. Nesta segunda-feira, essa deveria ser a primeira carta a sair de Alvalade. Para que seja uma das primeiras a serem lidas por António Costa. Os problemas do Sporting exigem decisões rápidas e justas. FOTO: EXPRESSO

sábado, 14 de julho de 2007

O Zequinha, o Mano e a FPF...

Os nomes dos protagonistas não poderiam ser mais apropriados. Num assomo de estupidez, durante um jogo do Mundial de Sub-20 contra o Chile, os futebolistas portugueses Mano e Zequinha foram expulsos por indisciplina e ajudaram a eliminar Portugal nos oitavos-de-final da prova. Mano reagiu de forma exaltada a um lance entre Fábio Coentrão e dois jogadores chilenos, agredindo um adversário, tendo o árbitro do encontro mostrado o cartão vermelho ao jogador português. A decisão foi alvo de protestos por parte dos jogadores portugueses e, na confusão, Zequinha tirou o cartão vermelho das mãos do juiz, acabando também por ser expulso. A Federação Portuguesa de Futebol (FPF), depois de mais esta jornada de propaganda do futebol lusitano, garante que a indisciplina do Zequinha e do Mano terá consequências. Esperamos para ver. Por muito menos, o ex-sportinguista Rodrigo Tello, que participou numa lamentável confusão no interior de um hotel, foi punido pela Federação Chilena ao ser impedido de alinhar nos próximos 20 jogos do seu país. Foi a disciplina da federação de um país da América Latina a funcionar. Veremos como funcionará a disciplina da federação do país que preside à Comissão Europeia… FOTO Dan Riedlhuber (Reuters - Canadá)

O empréstimo de Hugo Viana

O médio Hugo Viana, um internacional português formado no Sporting, onde já foi campeão nacional (2001-2002), e que já representou o Newcastle, foi emprestado pelo Valência ao Osasuna, 14º classificado na Liga espanhola. Os dois clubes espanhóis chegaram a acordo para a cedência de Hugo Viana, a título de empréstimo, mas o Osasuna dispõe de opção de compra definitiva, no fim da temporada, por quatro milhões de euros. Para a maioria dos sportinguistas, a notícia soa a estranho. As perguntas que se colocam são várias:
- Hugo Viana não teria lugar no losango de Paulo Bento?
- Entre o 14º classificado da Liga espanhola e o candidato ao título português apurado para a Liga dos Campeões, que formou o atleta para o futebol, onde é que Hugo Viana se sentiria melhor?
- E o meio-campo do Sporting ficaria melhor servido com o português Hugo Viana ou fez bem rumar ao Leste europeu para formar o plantel?
- E o Valência não é aquele clube que, à última hora, decidiu levar o Marco Caneira?...

quinta-feira, 12 de julho de 2007

A nova camisola

A nova camisola do Sporting 2007-2008 será apresentada oficialmente nesta sexta-feira, dia 13, às 24h00, em Alvalade. Mas o novo modelo da camisola principal já é conhecido. Tudo porque a Footcenter, uma loja francesa online de venda de artigos desportivos, se antecipou ao Sporting. Sem publicidade, é bonita.

Porto-Sporting duas vezes em Agosto

Um FC Porto-Sporting, logo na segunda jornada, é o primeiro jogo grande da Liga Portuguesa de futebol profissional 2007/2008, cujo sorteio se realizou esta tarde em Oeiras. O embate entre campeões e vice-campeões nacionais está marcado para 26 de Agosto, apenas 15 dias depois da Supertaça Cândido de Oliveira, que os dois clubes irão disputar em Leiria. Na primeira ronda da Liga, a 18 de Agosto, o FC Porto desloca-se ao terreno do Sporting de Braga, enquanto o Sporting recebe a Académica e o Benfica visita o Leixões. O sorteio ditou ainda que o Benfica receba os dois principais adversários na luta pelo título logo na primeira volta: à sexta jornada, os “encarnados” defrontam, na Luz, o Sporting, e à 12ª jornada é a vez de o FC Porto visitar o terreno dos benfiquistas. A aparente vantagem do Sporting reside no facto de receber em Alvalade os seus principais adversários na luta pelo título na segunda volta.

MOMENTOS LEONINOS Milan Purovic

O avançado montenegrino Milan Purovic, de 22 anos, ex-Estrela Vermelha, ao chegar a Lisboa com destino ao Sporting, mediante um contrato válido por cinco temporadas. FOTO ENVIADA POR ANDRÉ FIGUEIREDO / Blog Lusofootball

"Onze" do Sporting na vitória sobre o FC Porto

No momento em que o Sporting marcou o golo da vitória do Estádio do Dragão, aos 71', por Rodrigo Tello, num jogo que para muitos determinou a excepcional ponta final leonina na temporada de 2006-2007, o "onze" de Paulo Bento era formado por nove futebolistas portugueses, sete deles formados em Alvalade. Foi apenas há quatro meses! Agora que o plantel sportinguista está bastante internacionalizado, será interessante recordar:

GUARDA-REDES
Ricardo

DEFESAS
Abel, Anderson Polga, Caneira e Rodrigo Tello

MÉDIOS
Pereirinha, Miguel Veloso, Custódio e João Moutinho

AVANÇADOS
Nani e Yannick Djaló

Um possível "onze" do Sporting 2007-2008

GUARDA-REDES
Stojkovic

DEFESAS
Abel, Anderson Polga, Tonel e André Marques

MÉDIOS
João Moutinho, Miguel Veloso, Izmailov e Romagnoli

AVANÇADOS
Liedson e Purovic

quarta-feira, 11 de julho de 2007

A substituição de Ricardo

Mais do que um reforço da baliza do Sporting, a contratação do guarda-redes sérvio Vladimir Stojkovic (cujo valor não está em causa...), para substituir o titular da selecção portuguesa, Ricardo, constitui uma prova de desconfiança em relação ao jovem guarda-redes Rui Patrício, um internacional de 19 anos, que na última temporada garantiu a vitória leonina no terreno do Marítimo, defendendo uma grande penalidade e realizando uma exibição segura. E faz do Sporting um mero supermercado de compra e venda de jogadores, como neste caso da substituição do guarda-redes, vendendo um por três milhões e comprando outro por dois milhões. Até parece que o mais importante é que o dinheiro circule…
Se o Sporting fosse, de facto, um clube formador, como diz Soares Franco, a opção correcta teria sido, antes de mais, ter cuidado a tempo e horas da renovação de Ricardo, pois trata-se do guarda-redes titular da selecção portuguesa, pelo que deveria constituir um exemplo para os suplentes, para os jovens das escolas e dos escalões de formação do clube. Em suma, Ricardo era uma mais-valia. Mas uma vez que foi consumada a sua venda, seria esta a hora de apostar em Rui Patrício. Se o jovem guarda-redes da formação leonina serve para titular dos escalões de formação e para titular das selecções jovens de Portugal, teria, forçosamente, que ter uma oportunidade, uma absoluta prova de confiança, para poder evoluir e tornar-se no grande guarda-redes que o Sporting precisa.
Tal como o Sporting fizera com Vítor Damas, em finais dos anos sessenta, também o FC Porto não teve medo de lançar Vítor Baía com 19 anos na equipa principal. E assim fez um excelente guarda-redes. Também no FC Porto, António Oliveira, então treinador da equipa, não teve medo de lançar o jovem Hilário na equipa principal e logo no Estádio de Alvalade, onde não sofreu golos e ganhou o jogo. É esta a diferença. O Sporting pode ter a melhor academia do mundo, mas se não apostar nos jovens não adianta o esforço do grande Aurélio Pereira, de muitos treinadores e olheiros que acreditam no projecto formador do clube.

terça-feira, 10 de julho de 2007

A destruição de uma equipa

Desde que o treinador do Valência anunciou que estava interessado em Marco Caneira que a saída do defesa emprestado ao Sporting era evidente. Agora, a solução lógica seria promover ex-juniores formados no clube, sob pena de a aposta na formação não passar de uma treta fiada para ser usada quando dá jeito. Depois de Caneira, agora fala-se na saída do guarda-redes Ricardo. A confirmar-se, será destruída a equipa da época passada, que tanto trabalho deu a Paulo Bento para formar. Dentro de alguns meses, se as coisas começarem a correr mal, não faltarão vozes a explicar que é preciso dar tempo ao tempo, porque a equipa está em formação. Afinal, e ao contrário do que diz Soares Franco, a estratégia do Sporting para o futebol caminha sobre manteiga... Os números são fatais: se Ricardo também sair, serão dez os jogadores que deixam Alvalade. E, desses dez, sete são portugueses, quatro dos quais formados no clube. Quanto a entradas, estão confirmados sete novos jogadores, onde apenas dois nasceram em Portugal. Mas a internacionalização do plantel não ficará por aqui...

sábado, 7 de julho de 2007

Tedynho e o desmentido

Aurélio Pereira referenciou o craque brasileiro

A direcção geral de comunicação do Sporting usou o sítio oficial do clube na Internet para desmentir a veracidade de uma notícia avançada pelo jornal "A Bola", na edição de sexta-feira, sobre a contratação de um jogador brasileiro de 13 anos, de nome Tedynho, para a equipa de iniciados. Trata-se de um craque prematuro cujas habilidades o LEÃO DA ESTRELA descobriu no Youtube. Segundo "A Bola", o rapaz regressa a Alcochete no próximo mês de Setembro. O Sporting desmentiu. Antes de mais, se por cada notícia alegadamente falsa publicada nos jornais houver um desmentido, a direcção geral de comunicação do Sporting não fará outra coisa. E se depois do desmentido da contratação de Tedynho não houver mais desmentidos, então é porque tudo aquilo que os jornais contarem daqui para a frente será verdade. O problema dos desmentidos é precisamente este. Ao ser desmentida uma notícia de determinado jornal, todas as restantes notícias que não sejam desmentidas passam a ser verdadeiras, mesmo quando não são. Neste caso, se Tedynho não vem para os iniciados, quem tinha obrigação de desmentir seria o próprio jornal "A Bola" no dia seguinte. Enquanto isso, deliciem-se com o Tedynho clicando aqui.

sexta-feira, 6 de julho de 2007

O capitão Ricardo

Tal como o LEÃO DA ESTRELA escreveu em 19 de Junho de 2007, não tinha qualquer sentido nomear Marco Caneira como capitão do Sporting. Em primeiro lugar, por se tratar de um jogador que não é dos quadros do clube e cuja permanência está em causa em cada reabertura do mercado, como acontece agora. A escolha de Ricardo para primeiro porta-voz do grupo de jogadores dentro do campo e no balneário, secundado por João Moutinho e Anderson Polga, significa que prevaleceu o bom senso. FOTO: Nuno Abreu (www.olhares.com)

quinta-feira, 5 de julho de 2007

A ausência de Carlos Paredes

A ausência do paraguaio Carlos Paredes do grupo de trabalho do Sporting é o primeiro caso disciplinar da nova temporada. A que se juntou mais uma trapalhada, com o Sporting, no mesmo dia, sobre o caso, a fornecer duas informações de sentido contrário, naquele que pode ser considerado como mais um “Momento-Eurico-Gomes”...
O jogador paraguaio não compareceu ao trabalho no dia 4, como estava previsto, não deu explicações e manteve-se incontactável até ao fim da tarde desse dia. Só que, nessa altura, já o Sporting tinha colocado no sítio do clube na Internet aquela que será a versão verdadeira desta história: ninguém no futebol leonino sabia o que se passava com Paredes. Mas depois de uma conversa do jogador com Carlos Freitas, a informação que estava disponível na Internet era corrigida e Carlos Paredes passava a estar “devidamente autorizado pela Sporting SAD” a “permanecer no Paraguai” mais uma semana.
Independentemente dos motivos que estão atrasar o regresso de Paredes a Portugal, a SAD do Sporting deu a ideia de ter condescendido. Porque se Paredes não podia vir, que tivesse avisado a tempo e horas. Uma autorização deste género não pode ser concedida “a posteriori”. Se não acontecer nada, a indisciplina voltará a repetir-se.

Romagnoli na Internet

Há diversos jogadores do Sporting - assim como de outros clubes - com presença na Internet, em muitos casos por iniciativa de amigos ou admiradores. O LEÃO DA ESTRELA tem vários espaços desses linkados aqui, nomeadamente os blogs dedicados a Ricardo, Miguel Veloso e Tonel. Há espaços bem feitos. Outros, nem por isso. O último descoberto pelo LEÃO DA ESTRELA - que é uma página tradicional parecida com um blog - é sobre o argentino Leandro Romagnoli. Vale a pena visitar para ficar a conhecer bem o craque argentino. Está aqui. Na imagem, a autora do sítio, Filipa Lopes, de 18 anos, com Romagnoli. Filipa quer ser "jornalista desportiva", de forma "a juntar" duas das suas "grandes paixões": o futebol e a escrita. "Tenho quatro grandes ídolos no futebol, e todos eles significam muito para mim, sendo um exemplo a seguir na vida. São eles Alberto Acosta, Pedro Barbosa, Rui Jorge e Leandro Romagnoli, este último o único ainda em actividade, jogando actualmente para o meu clube", informa a jovem leoa e admiradora de "El Pipi".

RECORTES LEONINOS

VERDADE DESPORTIVA
“A SAD do Sporting faz votos para que a temporada corra sob o signo da cordialidade e do respeito entre as partes. Formulamos votos para que a época desportiva se paute pela verdade desportiva e que seja ela que prevaleça. No final do ano, que se façam contas e que seja tudo claro e transparente.”
Carlos Freitas, administrador da SAD do Sporting, "Correio da Manhã", 05-07-2007

Os três golos de Derlei

No tempo em que não havia jornais desportivos diários, nem Internet, nem rádios ou televisões com reportagens dos treinos - e não vai assim há tanto tempo... -, a informação desportiva era mais densa, muito mais substantiva, e também era muito mais consumida por quem lia jornais, pois não havia acesso a outras fontes de informação. E quem escrevia, tinha talento, não era obrigado a encher páginas e escrevia com muito mais qualidade. Agora, na sociedade da comunicação e da informação instantânea, a concorrência desenfreada determina que tudo sirva para dar uma notícia, inclusive quando não há mesmo nenhuma notícia para dar. Vem isto a propósito da “notícia” que já circula na Internet e que nesta quinta-feira deverá inundar os jornais desportivos, sobre o primeiro treino do Sporting, revelando que “Derlei marcou três golos no primeiro dia”. Ora, um “hat-trick” não acontece todos os dias. Mesmo nos treinos. Só que, depois de lermos a tal notícia dos golos de Derlei, ficamos a saber que se trata de uma notícia falsa, uma vez que no primeiro treino do Sporting estiveram apenas 14 jogadores. E o futebol ainda é um jogo de onze contra onze. Os golos que Derlei marcou - cujo mérito não está em causa - aconteceram, afinal, numa "peladinha" de sete contra sete. Com uma imprensa assim, qualquer um de nós arrisca-se a ser um caso sério no futebol, pois podemos marcar três, quatro, cinco ou seis golos com muita facilidade. Basta ter uma baliza à frente e dar um pontapé numa bola. FOTO: SPORTING CLUBE DE PORTUGAL

quarta-feira, 4 de julho de 2007

A compra de Romagnoli

A coisa esteve muito tempo empatada, mas a SAD do Sporting conseguiu o que queria ao comprar Romagnoli aos mexicanos do Vera Cruz por 1,2 milhões de euros, menos de metade do que era exigido no direito de opção de compra do passe do argentino. Até ver foi o grande negócio desta pré-temporada em termos de contratações. Melhor só mesmo a venda de Nani por 25,5 milhões.

A gestão financeira

Não obstante as peripécias, como aquela do secretário-técnico que não conhece os jogadores, as dispendiosas trocas de relva no Estádio de Alvalade, a dispensa discutível de alguns jogadores formados no clube ou os erros de "casting" ao nível da contratação de jogadores, que parecem ter diminuído na temporada que agora começa, o que é positivo, a gestão de Filipe Soares Franco tem tido o mérito de travar o descontrolo financeiro de anos anteriores, que ia atirando o Sporting para o abismo. Os números da temporada 2005-2006, que registam um equilíbrio entre as receitas e as despesas no futebol leonino, ao contrário do que acontece no Benfica e no FC Porto, são exemplo disso, o que é de saudar. De qualquer modo, importaria saber se os números poderiam ser melhores ou não.

E Caneira lá vai...

Com o regresso de Marco Caneira ao Valência passam a ser nove os jogadores que deixam o Sporting. Quase meio plantel, onde se incluem três titulares (Caneira, Tello e Nani). À partida são mudanças a mais que poderão comprometer a estabilidade da equipa nos primeiros meses da nova temporada. Mas são os riscos da política de "custo zero" a que os clubes endividados, como o Sporting, são forçados a recorrer. Mais a mais quando os produtos da formação não são devidamente aproveitados. A venda do defesa-central Semedo aos ingleses do Charlton e um novo empréstimo de Varela, agora aos espanhóis do Huelva, são opções muito discutíveis. Estamos a falar de dois jovens internacionais de uma selecção que é das melhores da Europa. Ora, se esses jogadores servem para a selecção portuguesa também deveriam servir para o Sporting. Com a saída de Caneira, e não havendo ninguém na fila do "custo zero" para entrar, talvez haja vaga para André Marques. E a aposta na formação continua em força...

terça-feira, 3 de julho de 2007

A mudança da relva

Houve um tempo em que os concertos no antigo Estádio de Alvalade se destinavam a obter receitas extraordinárias para equilibrar a gestão do Sporting. Mas isso era no tempo em que os gestores do clube eram amadores ou não eram licenciados em Economia ou Gestão de Empresas. Agora, no novo Estádio de Alvalade, os concertos fazem-se para pagar a mudança de relvado. É o que diz aqui. Mudança que já é feita de seis em seis meses. Não falta muito tempo para que mudem a relva à sexta-feira, de modo a que o Sporting possa jogar ao domingo. Só o Benfica e FC Porto é que continuam sem mudar a relva... Deve ser por causa do "sistema"...

Uma equipa muito mais forte...

O filme da apresentação do Benfica 2007-2008. Veja as imagens clicando aqui.

A incompetência de Lisboa

O episódio absurdo protagonizado no Aeroporto de Lisboa pelo secretário-técnico do Sporting, Eurico Gomes – não confundir com o antigo defesa-central homónino, que foi o único jogador do mundo campeão pelo Sporting, pelo Benfica e pelo FC Porto... – foi muito mais do que uma “gaffe” para ser encarada como momento de bom humor. Foi a completa demonstração de uma incompetência profissional grave, registada quase em directo pelas televisões. Que num clube ou numa empresa a sério seria susceptível de um processo disciplinar. Mas a grandeza do Sporting é de tal ordem que tem espaço de sobra para tanta incompetência ou falta de profissionalismo.
Eurico Gomes foi ao aeroporto para receber o internacional brasileiro Gladstone, que até tem dado várias entrevistas à imprensa portuguesa, sendo, portanto, bem conhecido, e abordou o defesa-central do Benfica Anderson – que está em Portugal há dois anos… – pensando que estava a falar com o reforço que o Sporting foi buscar ao Cruzeiro. E até lhe disse para não falar muito aos jornalistas, deixando Anderson atónito, pois não sabia quem era a criatura que lhe dava ordens logo ao pisar solo português.
Se há funcionário de um clube de futebol que tem de conhecer os jogadores, mesmo os dos adversários, esse funcionário é precisamente o secretário-técnico. No fundo, o problema não é de Eurico Gomes. O problema é da organização do clube. Ou dos clubes. O Benfica não tinha ninguém a receber Anderson. Há uns tempos, por exemplo, o guarda-redes brasileiro Moretto, num dos seus regressos a Lisboa, para o Benfica, também foi visto na fila dos táxis, à espera de transporte. Também é por estas e por outras que o FC Porto tem ganho mais títulos que Sporting e Benfica juntos.

segunda-feira, 2 de julho de 2007

RECORTES LEONINOS

A GRANDEZA DE UM CLUBE
"O Sporting é o segundo clube europeu com mais títulos conquistados, apenas suplantado no Velho Continente pelo colossal Barcelona. Dá, inclusive, para ter dois museus. Ontem, em dia de aniversário do centenário emblema (o 101º), foi inaugurado o museu em Leiria, arquitectado por Bernardes Dinis, que alarga o Mundo Sporting, o museu concebido por Mário Casquilho: o Sporting conta, assim, com um templo fora da cidade em que foi fundado e em que está sediado, caso raro, se não único, no mundo."
Autor: Mário Duarte, jornalista, "O Jogo", 02-07-2007

domingo, 1 de julho de 2007

A importância do ciclismo no Sporting

Capa do jornal desportivo "Off-Side", de 1984, quando Joaquim Agostinho estava no hospital em estado de coma, após ter sido atropelado por um cão

O Grande Prémio Internacional de Ciclismo de Torres Vedras – Troféu Joaquim Agostinho vai para a estrada no próximo dia 11 de Julho, mas a organização da prova está a passar por momentos difíceis, por alegado afastamento de um dos principais patrocinadores. É uma prova de ciclismo cuja primeira edição, realizada em 1985, foi ganha pelo Sporting/Raposeira e que existe precisamente em memória de um grande ciclista que começou com a camisola do Sporting, que andou nas voltas à França a puxar pela auto-estima dos emigrantes portugueses e que morreu com a camisola do Sporting ao ser atropelado por um cão numa Volta ao Algarve de má memória para o desporto nacional. Ainda há poucos meses, o presidente do Sporting, Filipe Soares Franco, participou numa cerimónia de homenagem ao grande Joaquim Agostinho. É talvez a Joaquim Agostinho que Sporting deve o facto de ter milhares e milhares de adeptos espalhados pelo interior do país – nomeadamente naquelas vilas e aldeias onde a única camisola verde e branca que lá chegava era do Joaquim Agostinho por alturas da Volta a Portugal. Estamos, portanto, perante uma figura a quem o Sporting muito deve, mas a quem o clube ainda não prestou a devida homenagem. Essa devida homenagem seria o regresso em força do Sporting ao ciclismo. Haverá, certamente, patrocinadores interessados em investir num projecto desses, desde que o Sporting apresente um plano desportivo credível. Sabemos que os tempos não correm a favor do eclectismo. Mas há modalidades que foram vitais para a gloriosa história do Sporting e que, em nome da memória colectiva da chamada família sportinguista e em nome da projecção do Sporting no país e no mundo, deveriam ser preservadas. E o ciclismo é uma dessas modalidades. Tanto mais que, se o Sporting investisse no ciclismo, também estaria a investir no futebol. Uma Volta a Portugal em ciclismo, por exemplo, seria uma oportunidade para o clube realizar uma grande operação de marketing por todo o país, com a presença de antigas glórias do futebol e até de outras modalidades, que até poderia resultar na captação de novos sócios ou na venda de “gameboxes” para a temporada de futebol. O desígnio de fazer do Sporting "um grande clube, tão grande como os maiores da Europa", expresso pelo Visconde de Alvalade, há 101 anos, também passa por aqui.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...