sexta-feira, 13 de junho de 2008

Miguel Veloso, outros craques e a banca...

Enquanto ninguém ensinar aos jogadores do Sporting, desde os primeiros anos da academia, o que significa a camisola com listas horizontais verdes e brancas e um emblema dominado por um leão rampante, e enquanto ninguém lhes ensinar quem foram os “Cinco Violinos”, o que foi “O Cantinho do Morais”, quem foram, entre muitos outros, Vítor Damas, Yazalde, Manuel Fernandes ou Jordão ou o que foi o “7-1” muito dificilmente eles saberão algum dia quão importante é jogar no grande Sporting Clube de Portugal.
E enquanto ninguém lhes ensinar e transmitir a história centenária do Sporting, que fez do clube a maior potência do desporto português, o mais natural é que surjam jogadores ainda juniores como Diogo Viana a afirmar que “o FC Porto é o grande clube da actualidade”. Isto numa altura em que o mesmo FC Porto é castigado por corrupção, estando fora da Liga dos Campeões, e poucas horas depois de o referido jovem atleta ter deixado o clube leonino, sobre o qual não se lhe conhece sequer uma palavra de agradecimento pelos anos de formação proporcionados em Alcochete.
Ao mesmo tempo, enquanto os responsáveis pelo futebol do Sporting e os administradores da empresa que gere o futebol, em particular o seu presidente, Filipe Soares Franco, não realizarem um trabalho invisível mais eficaz junto de todos os jogadores, fazendo-lhes sentir o clube como uma segunda casa ou uma segunda família, de tal modo que aqueles que não se integrem na "família leonina" sejam excluídos pelo próprio grupo, iremos, certamente, continuar a assistir a episódios pouco edificantes como aquele que tem sido protagonizado por Miguel Veloso – obviamente “manobrado” pelo seu empresário Paulo Barbosa, especialista nestas maroscas mediáticas –, oferecendo-se ao futebol italiano, revelando que quer sair já do clube que o projectou internacionalmente e desvalorizando-se de modo ridículo ao considerar que “30 milhões é muito dinheiro” pelo seu passe, razão porque o Sporting não deveria ser tão intransigente ao ponto de exigir o pagamento da cláusula de rescisão. Uma atitude, aliás, na esteira da do pai de João Moutinho, que parece mais interessado no negócio do que o próprio filho, de uma forma tão evidente que até a imprensa espanhola já destacou...
É evidente que, neste contexto, as vendas de João Moutinho e Miguel Veloso, por muito que prejudiquem o plano traçado pelo treinador Paulo Bento para a próxima época, acabam por ser inevitáveis. O problema não está aí, até porque a ambição desses jogadores de exibirem as suas qualidades nos maiores palcos do mundo é absolutamente legítima. Por outro lado, há outros jogadores também formados no Sporting prontos a substitui-los na equipa principal.
A questão está no tempo e no modo como essa ambição é revelada publicamente. A questão está em saber se o Sporting vende os jogadores quando quer, e nas melhores condições para o clube, e não quando o mercado quer. E está também em saber onde é que o dinheiro resultante dessas vendas será aplicado.
Caso João Moutinho e Miguel Veloso sejam vendidos neste Verão, o Sporting terá de realizar, no mínimo, o dinheiro previsto nas cláusulas de rescisão, sob pena de estarmos perante maus negócios. Depois, a difícil situação financeira do Sporting exige que Filipe Soares Franco revele o destino do dinheiro. Destino que terá de ser, obviamente, a amortização da dívida. É muito simples: se o Sporting realizar 50 milhões de euros com as vendas desses jogadores, já não será preciso, por exemplo, fazer o tal empréstimo obrigacionista pelo montante de 60 milhões. Daria, por exemplo, para aplicar metade no futebol e outra metade seria para reduzir em 50 por cento o valor do empréstimo obrigacionista. Ou será que isso não interessa aos “sportinguistas” dos bancos?...

8 comentários:

Anónimo disse...

Que se vá embora , e nunca por menos dos 30!!!!!!
Já temos e Adrien na calha!!!!!
Para o Moutinho - André Martins e Pereirinha!!!!!!!!Até lá vamos buscar i Viana e um trinco tipo Pedro Mendes ou Manuel Fernandes!!!!

lagarto disse...

Realmente estes rapazitos nao respeitam o SCP e tudo o que eles sao ao SCP o devem.
Enfim esqueçem-se dos tempos em que eram juniores e antes de saber se subiam ao plantel principal faziam juras de amor eterno.
Formamos grandes jogadores mas falhamos claramente no caracter dos mesmo.Espero que com a ajuda de Tomás Morais tudo isto melhore.
Vendam os gajos e reduzam o passivo para poderem apostar mais tb nas amadoras.


SL

Gonçalves disse...

Ambição é legítima, vaidade não, nunca o foi. Nunca poderei concordar em tentar sequer ficar com jogadores insatisfeitos num plantel. Agora, de uma coisa não se podem esquecer, nem todos podem ser o Cristiano Ronaldo, em talento, mediatismo, etc.
O Sporting ainda (ao fim de tantos anos) gerir da melhor forma os talentos da sua formação. Começou mal com o exemplo de Paulo Futre e pelos vistos continua.
Bom apontamento do Leão da Estrela. Apesar de nem sempre concordar com o que por aqui se ecreve, merece uma visita diária
Saudações Leoninas

Pedro disse...

O Sporting, que no ponto de vista anda no mau caminho desde a época de roquette ainda não percebeu que não é com emprestimos que se resolvem os problemas financeiros. O Sporting só conseguirá debelar os problemas quando as receitas forem maiores que os custos, o que só acontece quando se fazem bons negócios com jogadores. A formação do sporting representa o ponto mais importante nessa estratégia, vender jogadores como moutinho ou veloso não me custa desde que essas verbas sejam aplicadas no clube/SAD diminuindo o seu passivo.
Prefiro andar mais 10 anos sem ser campeão mas com patrimonio, modalidades, pavilhão e um clube financeiramente estavel. Assusta-me pagar 4,5M€ pelo izmailov e 3,5M€ pelo Grimi, onde está o dinheiro? como o pagaremos? Sinceramente estou com receio do futuro...enquanto não souber as reais contas consolidadas do meu clube, não sei se as verbas da venda de jogadores abatem o que quer que seja, aliás, como o passado já o demonstrou.

Renata A. disse...

Miguel Veloso está demasiado disposto a dar o salto. É jovem e com 21 anos tem o mundo à sua frente mas convém também saber moderar as coisas. Se quer sair, que saia. Não queremos jogadores não concentrados no Sporting. Mas a partir do momento em que assinou um contrato com uma claúsula de rescisão de 30 milhões, só sairá por esse preço!

Muitos dos jovens formados esquecem-se por vezes de quem os fez despertar para o futebol. Felizmente há excepções.

Saudações leoninas

CA disse...

Há certas notícias dos jornais, fabricadas ou não, e os comentários feitos a partir delas, como este que é feito pelo LE, que se devia evitar serem publicados por serem um atentado à razoabilidade jornalística ... e um atentado de menoridade à intelegência de quem os lê.
Com efeito, ninguém, e muito menos alguém que se diz sportinguista, consegue perceber o relevo das afirmações do Miguel Veloso, por contraponto por ex. às reiteradas afirmações do João Moutinho de que o seu futuro só será decidido após o final do EURO sem nunca pôr em causa o valor da cláusula de rescisão do seu contrato livremente celebrado com o Clube.
Realmente, percebe-se porque um (JM) é titular da Selecção e o outro (MV)não passa de um mero suplente.
Mas cada um tem a importância que se lhe dá, porque a que se merece essa é indiscutível e é sem dúvida do João Moutinho.
Carlos Antunes
Sócio n.º 9325
Leão de Prata

Luis Filipe disse...

A realidade é que este outrora grande CLUBE, se tem transformado nos ultimos anos, no que ao Futebol diz respeito, numa $$$$$$ociedade Anónima De$$$$$$portiva.

Anónimo disse...

os putos deviam, desde bem cedo, serem fanatizados pelo Sporting. Rezarem 3 vezes por dia ao Sporting e agradecer a este grande clube por ter feito deles alguma coisa na vida...
Se não acabam uns ingratos... o veloso é o ultimo caso.

Nao ha ngm que lhe diga, que se nao fosse o Sporting, ele hoje não era nada na Put* da vida!?!?!?!!?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...