segunda-feira, 29 de setembro de 2008

O falso aliado do Norte

Primeiro foi um encontro com o "capitão" João Moutinho, ainda antes do primerio jogo oficial da temporada. Depois, segundo esta notícia, um encontro com Vukcevic - cujas patetices que tem dito parecem corresponder a uma estratégia encomendada pelo FC Porto. Para além do modo extremamente fácil como qualquer jogador do Sporting procura resolver o seu futuro marcando encontros com clubes adversários, há um segundo traço comum nos casos que têm agitado a equipa de futebol do Sporting no início desta temporada, que se chama Jorge Nuno Pinto da Costa. O que é estranho é que Filipe Soares Franco continue, serenamente, a ver a banda passar, não dando um valente murro na mesa contra o falso aliado do Norte. FOTO: "Record Online"

Benfica-Sporting sem fotos

Já passaram mais de 48 horas após o Benfica-Sporting do último sábado e o sítio do oficial do clube de Alvalade na Internet continua sem fotografias do jogo disponíveis para os adeptos. Será pelo facto de o Sporting ter perdido? Não quero acreditar. Situações destas não ajudam um clube a crescer com as derrotas.

RECORTES Falta de ambição leonina

(...) O Sporting deu primeira sensação de evolução (concepção futebolística melhorada e reajustamento equilibrado do plantel), mas a (dissimulada) tranquilidade do treinador transformou-se em inquietação e em foco de instabilidade. Na Luz, com 0-0, o Sporting mostrava que era melhor equipa, com melhores jogadores, mas nada fazia para concretizar a sua teórica superioridade técnica. Falta de ambição. Falta de ambição reconhecida pelo próprio técnico dos leões, o que não deixa de ser redutor e preocupante. O Sporting tem matéria-prima para ser campeão e uma conjuntura favorável (adversários mais frágeis), mas não aproveita porque o seu futebol é monocórdico, adinâmico e esgota-se num processo táctico básico e rudimentar. (...)
AUTOR: Rui Santos, "Record", 29-09-2008

Uma medida higiénica

O LEÃO DA ESTRELA - um dos blogs mais lidos da nação sportinguista - agradece os comentários de todos os visitantes, estimula o debate, aceita e agradece opiniões, correcções e sugestões. Mas não aceita comentários incompreensíveis, comentários que tenham acusações de ordem criminal a terceiros ou linguagem grosseira e ofensiva.
Da mesma forma, o LEÃO DA ESTRELA não ceita comentários que não tenham a ver com o assunto a comentar. Por isso, e dado que alguns leitores deste blog, pelas razões mais diversas, mas devidamente identificadas, têm usado de forma grosseira a possibilidade de manifestarem livremente a sua opinião, neste espaço de informação e debate sobre o Sporting Clube de Portugal, o LEÃO DA ESTRELA decidiu sujeitar a publicação dos comentários a uma moderação prévia. É uma medida higiénica destinada a manter a qualidade proporcionada por largas dezenas de comentários diariamente produzidos pelos leitores mais participativos, a quem o LEÃO DA ESTRELA continua agradecido.
Este blog é um espaço de opinião, que só está vendido ao coração de quem o faz, independentemente dos interesses que eventualmente se joguem em torno do Sporting Clube de Portugal. Para nós conta apenas o clube, as suas vitórias e as suas derrotas. Nos dias de jogo da equipa de futebol, é com as vitórias que nos alegramos e é com as derrotas que choramos. E isso escapa a qualquer lógica seguidista do poder vigente no clube ou de qualquer grupo opositor. É por isso que o LEÃO DA ESTRELA tem sucesso na blogosfera desportiva portuguesa!
Aqueles que quiserem insultar o LEÃO DA ESTRELA e os sportinguistas em geral, confundindo liberdade com libertinagem, nomeadamente por não conseguirem outro modo de vida, podem continuar a descarregar as suas frustrações por e-mail.

domingo, 28 de setembro de 2008

RECORTES O problema Rochemback

Num novo teste de elevado grau de exigência, o Sporting voltou a falhar. Não foi submisso, como em Barcelona, desta vez até mostrou sinais inequívocos de querer, desde o início, mandar no jogo, mas nunca foi autoritário e objectivo nas transições ofensivas. Muito por culpa, insisto, do brasileiro Fábio Rochemback, um jogador que retira toda e qualquer hipótese ao conjunto de organizar o contra-ataque rápido. Lento nos processos e no pensamento, sem uma ideia, Rochemback continua a ser um problema neste Sporting. Não gosta de jogar à linha (mas também não pode jogar como vértice mis recuado ou mais adiantado do losango), não é disciplinado tacticamente em apoio defensivo (e disso ressente-se Abel) e abusa dos passes curtos, lateralizados ou mesmo atrasados, retirando capacidade de explosão às transições de ataque da equipa. Com surpresa, Rochemback continua a reunir boa imprensa. É um jogador que pode, até, resultar numa estratégia que envolva dois médios na zona central numa primeira fase de construção, mas no actual modelo é um corpo desenraizado que retira fluidez e profundidade ao ataque.
FONTE: Janela de Contraste, 27-09-2008

Sporting deveria contratar um psicólogo

O Sporting perdeu uma excelente oportunidade de manter a liderança da Liga Portuguesa com uma vantagem de quatro pontos sobre os concorrentes directos na corrida ao título, ao perder no Estádio da Luz com o Benfica, por 2-0. E Paulo Bento perdeu uma excelente oportunidade para mostrar que a sua equipa consegue superar-se quando é preciso. Afinal, não consegue. Não conseguiu em Barcelona, para a Liga dos Campeões, e não conseguiu agora com o Benfica.
O jogo foi decidido em apenas cinco minutos, com o Sporting a sofrer os golos em dois lances de bola parada. Quando era preciso uma reacção leonina com cabeça, tronco e membros, quando faltavam 20 minutos para jogar, tivemos Paulo Bento a chamar desesperadamente ao terreno de jogo os suplentes Derlei, Liedson e Pereirinha. Mas o Sporting, que controlara um jogo dividido na primeira parte, deixou de funcionar quando ficou em desvantagem. O que significa que este Sporting não é mentalmente forte, pois abana por todos os lados quando é fortemente pressionado.
Mais uma vez, Paulo Bento queixou-se da falta de agressividade da equipa e da falta de concentração competitiva em certos lances defensivos. Já estamos habituados a estas justificações. Até parece que os jogadores não ligam ao que diz o treinador. Ou então é a mensagem do técnico que não passa durante as palestras.
Como estamos a falar de casos recorrentes, seria bom que a SAD do Sporting ponderasse a contratação de um psicólogo. Assim como o físico dos jogadores é entregue a um preparador físico, a mente deverá ser entregue a um psicólogo. E Paulo Bento ficaria concentrado nas questões técnico-tácticas. Até para tratar de casos como Vukcevic ou evitar que os jogadores venham a público dizer que não estão bem no Sporting e querem sair para um campeonato mais competitivo seria bom contratar um psicólogo.
Na conjuntura leonina actual, e num Sporting formador de novos talentos, fazia todo o sentido reforçar a equipa técnica com alguém que soubesse como melhor motivar uma equipa que, para todos os efeitos, é uma equipa em crescimento, no futebol português e na Europa.

sábado, 27 de setembro de 2008

Leão demasiado manso na Luz

Nem Liedson valeu para evitar a derrota por 2-0 frente ao maior rival. Aliás, o regresso do Levezinho à competição foi mesmo o maior destaque leonino nesta noite em que o Sporting saiu da Luz sem nenhum ponto, tendo encaixado dois golos sem resposta, um resultado que marca a primeira derrota de Paulo Bento como treinador no Estádio da Luz.
A partida começou com oportunidades para as duas equipas porque no dérbi mais quente do País atacar é o mote. Logo nos primeiros minutos, Djaló e Cardozo remataram, prometendo um jogo “quente” e dinâmico. Contudo, a primeira parte pecou por falta de eficiência na hora de rematar à baliza e acabou como começou: sem golos. Faltou alguma agressividade à equipa leonina durante todo o jogo, faltou aquela determinação que costuma resolver estes grandes jogos, faltaram, nada mais simples, golos do Sporting - quem não marca arrisca-se a sofrer - a máxima é antiga e resulta na perfeição.
Se na primeira parte houve algum espectáculo e equilíbrio, depois do intervalo, com a entrada de Pablo Aimar, o Benfica conseguiu encontrar o caminho para a baliza de Rui Patrício. Ao segundo golo benfiquista decerto muitos sportinguistas se lembraram ainda do 5-3 da época passada mas, como jogos esses são únicos, desta vez o desfecho não foi feliz para os nossos lados. Estava consolidado o resultado e nem a entrada, depois de cinco meses de ausência, de Liedson, depois do segundo golo sofrido, inverteu a situação.
Depois de três vitórias consecutivas no arranque da temporada, conquistando desta forma o primeiro lugar da Liga, o Sporting perdeu a oportunidade de ficar a sete pontos do Benfica, estando agora somente a 1 e pode perder amanhã a liderança para o Nacional. Muitos virão agora falar que esta derrota foi também fruto das declarações polémicas de Vukcevic e Derlei mas não. O Sporting perdeu porque não soube aproveitar as oportunidades criadas nem superiorizar-se quando devia. Não adianta arranjar desculpas. Quando falta agressividade não há nada a fazer. O Sporting podia, tal como Paulo Bento o referiu depois do jogo, ter feito mais para vencer, mas não o fez. Agora, segue-se Basileia. Aprender com os erros e concentrarmo-nos no futuro parece ser o mais acertado a fazer. FOTO
: Reuters

Paulo Bento nunca perdeu na Luz

A par de Jesualdo Ferreira, Paulo Bento é o treinador português no activo com pelo menos três jogos consecutivos realizados no Estádio da Luz sem conhecer o sabor amargo da derrota. Nas últimas três temporadas, o Sporting de Paulo Bento venceu por 3-1, em 2005-2006, e empatou 1-1 e 0-0, nas duas últimas épocas, tendo estes empates sabido a pouco, uma vez que, nos dois encontros, o Sporting foi claramente superior.
Se vencer ou empatar neste sábado, Paulo Bento aumentará a sua invencibilidade na Luz para quatro temporadas consecutivas, sempre ao serviço do Sporting, tornando-se no treinador português no activo com o registo de melhores resultados no recinto do Benfica em jogos da I Liga.
O desempenho de Paulo Bento na Luz, enquanto representante do Sporting, foi objecto de um trabalho estatístico do diário "O Jogo", no qual o jornalista tem de recuar à época de 2000-2001 para encontrar uma derrota do actual treinador leonino no terreno do Benfica. Só que isso foi nos tempos em que Paulo Bento ainda era jogador com o emblema de leão ao peito, curiosamente na sua primeira época em Alvalade...

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

O folclore do professor Jesualdo

Basta um ou dois resultados fora das previsões para que certos treinadores ou dirigentes percam o discernimento, desmentindo assim que trabalham protegidos por alguma fortaleza. O treinador do FC Porto, Jesualdo Ferreira, foi um deles, ao queixar-se das arbitragens, mas sem conseguir nomear um caso concreto de grave prejuízo do FC Porto além de uma situação em Vila do Conde, em que terá ficado uma grande penalidade por assinalar, que poderia, ou não, ter dado uma vitória em vez de um empate.
Como recordou Paulo Bento, na conferência de imprensa de apresentação do jogo com o Benfica, o Sporting também tem a registar benefícios e prejuízos das arbitragens: um dos dois golos que derrotaram o Belenenses foi marcado em posição irregular e o único golo sofrido até agora resultou de um penálti assinalado com base numa falta cometida dois metros fora da área. A diferença é que, independentemente desses casos, o Sporting continuaria em primeiro lugar da I Liga, com menos um golo marcado e nenhum golo sofrido.
Por isso, Jesualdo Ferreira, ao considerar que o processo “Apito Dourado” pode estar “a condicionar a avaliação das pessoas”, isto é, dos árbitros, sujou as mãos (neste caso a língua...), por muito pouco. O problema verdadeiramente grave do treinador do FC Porto é, afinal, outro: o desmoronamento do "lóbi português" (eu diria portuense ou nortenho...) do balneário portista, que foi o cimento de muitas vitórias no passado.
Hoje, o plantel do FC Porto, que não consegue dar um “onze” competitivo com mais de dois ou três jogadores portugueses, é uma sociedade das nações dominada por representantes sul-americanos. No ano em que Pinto da Costra vendeu mais portugueses e comprou mais estrangeiros, o real problema do futebol portista está aí. O resto é folclore do professor Jesualdo, destinado a pressionar a arbitragem.

Duarte Gomes: uma nomeação provocatória

Na semana em que o Benfica foi brindado com claros benefícios da arbitragem, que se revelaram muito importantes na fabricação da sua primeira vitória da temporada, em Paços de Ferreira, por 4-3, eis que a Comissão de Arbitragem da Liga insiste em dar nas vistas com a nomeação do conhecido benfiquista Duarte Gomes para arbitrar o Benfica-Sporting deste sábado – um jogo que, é bom lembrar, deveria ser disputado longe de Lisboa ou no Estádio da Luz com a porta fechada ao público, o que não acontece por não existir justiça no futebol português.
Sendo um jovem com muito futuro na arbitragem, Duarte Gomes não merecia esta traição do organismo liderado pelo antigo actor Vítor Pereira – que, como se observa, continua a proporcionar aos árbitros palcos de visibilidade que não deveriam ter, como é o caso desta nomeação polémica.
Há precisamente um ano, Duarte Gomes foi o árbitro responsável por ter assinalado um penálti a favor do Benfica, por indicação do árbitro assistente, que livrou a equipa de Luís Filipe Vieira de uma eliminação da Taça da Liga, logo no primeiro jogo. Foi num lance em que um defensor do Estrela da Amadora aliviou uma bola com a cabeça, já em tempo de descontos, tendo a equipa de arbitragem considerado que tinha sido com a mão. O Benfica seguiria em frente na Taça da Liga, pois ganhou no desempate por grandes penalidades. Dias depois, Duarte Gomes teve coragem para, “perante as evidências”, vir a público reconhecer “que houve um claro erro de arbitragem”. Mas o Benfica lá continuou com o lucro... Por pouco tempo, é certo, que o futebol da equipa já não dava para tanto...
É precisamente a coragem de Duarte Gomes que a Comissão de Arbitragem da Liga coloca agora à prova, com um cinismo requintado. Tanto mais que este Benfica-Sporting deveria ser disputado longe de Lisboa ou à porta fechada, na sequência da invasão em campo seguida de agressão a um árbitro assistente, por parte de um adepto do Benfica, no último jogo disputado na Luz, com o FC Porto. Um caso que a Liga Portuguesa resolveu com uma multa de uns míseros 3500 euros, confirmando que a justiça desportiva é uma brincadeira.
Aliás, a mão levemente vergonhosa da Comissão Disciplinar da Liga neste caso ainda vai dar que falar, caso se confirme que a Procuradoria-Geral da República venha a acusar o adepto benfiquista de dois crimes: ofensa à integridade física qualificada e invasão de área de espectáculo desportivo. Nada que seja ignorado pelos regulamentos da própria Liga, conforme o LEÃO DA ESTRELA escreveu aqui em devido tempo.

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

LEÃO DA ESTRELA na imprensa

"Jornal de Notícias", 24-09-2008

A triste figura de Paulo Bento

Há muitos sportinguistas que criticam a comunicação social por considerarem que o Sporting nem sempre é tratado com a independência e o profissionalismo exigíveis. O LEÃO DA ESTRELA tem apontado algumas situações. E agora chegou a vez de apontar a incompetência ao próprio Sporting Clube de Portugal. Se procurarem no sítio oficial do Sporting na Internet as fotografias do jogo Braga-Sporting – um excelente serviço, diga-se, pois permite divulgar imagens do clube, nomeadamente na blogosfera – encontrarão o treinador Paulo Bento, não a festejar o golo da vitória, mas com este ar de quem não sabe o que há-de fazer no jogo. Não será caso para abrir um processo disciplinar no departamento de comunicação do Sporting, mas seria caso para dar um puxão de orelhas a quem escolheu esta triste figura do treinador leonino. Porque, qualquer dia, ainda nos mostram a fotografia de Paulo Bento a tirar macacos do nariz... FOTO: www.sporting.pt

O ódio da amiga Patrícia...

Olhar para a classificação da I Liga Portuguesa e ver o Sporting Clube de Portugal lá em cima e a dupla de concorrentes directos, formada por FC Porto e Benfica, já com quatro pontos de atraso, quando nem sequer foi disputada a quarta jornada, acontece pela primeira vez neste século XXI.
A minha amiga Patrícia (nome fictício), que é portista ferrenha, tem andado mal humorada e, agora, pude confirmar que o problema dela tem tudo a ver com os maus resultados do “seu” FC Porto - resultados esses que foram, note-se, apenas dois empates fora de casa, um deles no terreno do Benfica.
A Patrícia, que sempre demonstrara “simpatia pelo Sporting” (um sentimento que aceitei sempre com um sorriso amarelo) e que escolhera o Sporting como o seu “segundo clube depois do FC Porto”, como sempre me disse, revelou hoje, para minha grande surpresa, que estava... “anti-sportinguista”. Isso mesmo. Passou a "odiar o Sporting", porque acha que a equipa leonina “tem valor" para ganhar o título nacional e já começou a demonstrar isso mesmo, ao passar a ocupar a liderança da Liga, um lugar que tem sido do FC Porto há praticamente três anos consecutivos – isto a juntar às duas últimas supertaças que a equipa de Paulo Bento já desviou do museu portista. É caso para dizer: como é bom ser odiado... FOTO: www.sporting.pt

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Vukcevic e os monstros da FIFA

Ao recusar liminarmente uma proposta de quatro milhões de euros pela venda do passe de Vukcevic, em Janeiro próximo, a SAD do Sporting respondeu como devia a um empresário (Zoran Stojadinovic) que representa o que de pior existe entre os agentes alegadamente credenciados pela FIFA. O problema é que foi a FIFA quem criou estes monstros, que engordaram em perfeita cumplicidade com os clubes, e que agora estão a destruir os clubes e, por consequência, o futebol. Em Portugal, na Europa e por todo o lado.
Num comunicado emitido sobre o caso, o Sporting garante que "não cederá a qualquer tipo de pressões, cumprirá e fará cumprir o contrato celebrado, sem prejuízo da tomada de decisões que entenda adequadas e no exclusivo interesse da sociedade e dos seus accionistas".
Esperemos que o clube leonino tenha condições para fazer valer as suas intenções. E que Vukcevic seja um exemplo para outras vedetas. Nem que tenha de ficar a treinar e a ir para o banco até ao fim do contrato. Talvez assim possa ter reais motivos para se sentir ofendido com Paulo Bento, como fez questão de fazer constar no diário "O Jogo". Depois de tudo o que aconteceu, só faltava mesmo esta...

Obs. - O facto de o jogador Derlei ter saltado para esta guerra para atacar o colega de trabalho e defender Paulo Bento e a SAD leonina só contribui para deteriorar o ambiente no balneário e para demonstrar que a política de comunicação do Sporting, tanto interna como externa, anda completamente à deriva...

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Moisés Ayash 1921-2008

Moisés Ayash, presidente da Assembleia Geral da Comunidade Israelita de Lisboa e sócio n.º 40 do Sporting Clube de Portugal, agraciado em Maio último com o emblema de 75 anos de associado, pelo presidente leonino, Filipe Soares Franco, faleceu neste domingo, aos 87 anos.
Segundo relata Marco Moreyra, autor do blog "Menino Rabino", Moisés Levy Brendão Ayash, de seu nome completo, "já tinha dificuldade em reconhecer algumas pessoas, mas deixa a imagem de um dirigente que defendia a todo o custo os interesses do Sporting e da Comunidade Israelita".
Integrando o Conselho Leonino, Moisés Ayash, economista de profissão, foi também vice-presidente da Assembleia Geral do Sporting, na presidência de João Rocha (tendo integrado também a "Mesa" da Assembleia Geral na presidência de Sousa Cintra), e um dos principais impulsionadores dos “Leões de Portugal”, nascidos em 1984. Também nessa década, Moisés Ayash foi um dos criadores da classe de ginástica do Sporting “Os Fadistas”.
Com o seu desaparecimento, a nação sportinguista fica mais pobre, mas apenas pela sua ausência física, uma vez que o seu legado de amor e dedicação ao seu clube permanecerá vivo na história do Sporting Clube de Portugal. À família enlutada o LEÃO DA ESTRELA apresenta as mais sentidas condolências.

domingo, 21 de setembro de 2008

O mal-amado Vukcevic

Há qualquer coisa em Vukcevic que não bate certo. Desde logo por ser um futebolista jovem e com grande potencial, mas que não gosta de futebol. Deve ser um caso muito raro. Mas não só por isso. A sua contratação, embrulhada em outras compras feitas pelo Sporting na Rússia, há um ano, foi uma surpresa, até para os jornais, que só deram a notícia quando estava tudo acertado com o Saturn. Vukcevic, que é internacional montenegrino, foi contratado praticamente ao mesmo tempo que Izmailov, um internacional russo, justamente para o mesmo lugar: o vértice esquerdo do losango de Paulo Bento.
Ainda que tivesse mostrado condições para ser um excelente ponta-de-lança, o treinador do Sporting só recorreu aos seus serviços quando não tinha mais ninguém para jogar na dupla de avançados. A sensação que fica é que Vukcevic nunca foi bem-amado por Paulo Bento. Mas também por colegas, como Liedson, por exemplo, com quem se desentendeu em pleno jogo, na Madeira. O treinador leonino, que sempre teve muitas soluções para o meio-campo, também não soube fazer de Vukcevic um ponta-de-lança de qualidade indiscutível - ele que é um jogador forte, brigão e de remate fácil - que o Sporting poderia ter potenciado. Por isso, Vukcevic andou um ano perdido a tapar os buracos provocados pelas lesões musculares de Izmailov ou outras ausências forçadas, designadamente as de Yannick e Derlei.
Quando os buracos estavam tapados, ficava de fora do "onze" ou dos convocados, sob a estafada justificação da "opção técnica", um jargão que, para certos treinadores, serve para tudo, inclusive para vetar jogadores, como aconteceu a Vítor Baía, na selecção de Portugal, quando Luiz Felipe Scolari chegou.
Porém, isso jamais justificaria a declaração tresloucada de "Vuk", proferida recentemente, segundo a qual teria que ter um lugar como titular na época em curso. Logo aí, a SAD do Sporting deveria ter feito alguma coisa, de modo a proteger o treinador de uma guerra pública com Vukcevic, face à qual os adeptos do clube exprimiram a sua preferência pelo vitimizado atleta, como aconteceu no jogo de Braga e agora com o Belenenses, com as bancadas leoninas a levantarem-se num aplauso ruidoso quando o jogador entrou em campo.
Ao ter dito agora que quer sair em Dezembro, Vukcevic disse-nos duas coisas: em primeiro lugar, disse-nos que não tem carácter, pelo que andou todos estes meses a enganar o Sporting e os adeptos que o aplaudiram quase até à idolatria. Em segundo lugar, para além de não gostar de futebol, mostra também que não percebe nada de futebol e do "modus operandi" de um balneário.
Este caso, que agora conhece contornos muito graves, é só mais um, envolvendo jogadores importantes da equipa leonina, que parece destinado a minar o grupo de trabalho do Sporting num ano em que o cluber está a fazer tudo para ser campeão. Resta saber a soldo de quem. Primeiro foi João Moutinho. Agora, é Vukcevic – um jogador que veio da Rússia para o Sporting como poderia ter vindo para o FC Porto. Veremos para onde irá em Janeiro.
Uma coisa é certa: depois do que disse, dificilmente terá condições para voltar a vestir a camisola verde e branca no curto prazo. E se sair em Dezembro terá de render financeiramente o que está previsto nos papéis - não sendo previsível que apareça um clube com o dinheiro necessário. E não sei ainda se o que Vukcevic disse não deveria ser sancionado com uma multa pesada. Afinal, o jogador pôs em causa uma empresa cotada em bolsa, para além de prejudicar, mais uma vez, o ambiente de trabalho com declarações públicas absolutamente inaceitáveis...
De qualquer modo, a avaliar pelo tom evasivo da reacção de Paulo Bento, cuja única certeza é que o próximo Natal se comemora no dia 25 de Dezembro, tudo pode acontecer, inclusive, que o internacional montenegrino tenha a mesma compreensão que o treinador e a SAD tiveram para com João Moutinho. Bem vistas as coisas, onde está a diferença?... FOTO: Hugo Correia (Reuters)

sábado, 20 de setembro de 2008

Paulo Bento iguala arranque de José Peseiro

Ao vencer o Belenenses, em Alvalade, por 2-0, o Sporting somou a terceira vitória nos três primeiros jogos da I Liga Portuguesa 2008-2009. Deste modo, o treinador Paulo Bento igualou o melhor arranque leonino deste século na I Liga, também com três vitórias, que tinha sido registado em 2005-2006, na altura sob o comando técnico de José Peseiro. Este facto é curioso, na medida em que, há quatro temporadas, mesmo arrancando bem na Liga, José Peseiro (que iniciara a época desgastado por ter perdido a Taça UEFA em Alvalade e o título na Luz numa semana negra de Maio de 2005), acabaria por ser substituído precisamente por Paulo Bento, à sétima jornada, após três derrotas no campeonato português e uma eliminação prematura na Taça UEFA (derrota com o obscuro Halmstads em Alvalade, depois de uma vitória leonina na Suécia!...), já depois de falhado o acesso à Liga dos Campeões (duas derrotas com os italianos da Udinese).
Isto para dizer que as três vitórias já conseguidas na Liga 2008-2009 podem não significar muito, mas constituem um registo contabilístico imaculado - o que é o máximo que poderia ser alcançado -, e poderão ser decisivas para a conquista do ambicionado título nacional, sobretudo agora que o Sporting se prepara para jogar com o Benfica, na Luz, e com o FC Porto, em Alvalade. A equipa leonina vai defrontar os dois adversários directos olhando-os de cima para baixo, ou seja, partindo em vantagem, o que raramente acontece. E, se vencer os dois jogos, o arranque de Paulo Bento desta época só terá paralelo na excelente campanha inicial do brasileiro Marinho Peres, treinador leonino em 1990-1991, que registou 11 vitórias nas 11 primeiras jornadas, com a vantagem de, agora, o Sporting poder deixar para trás FC Porto e Benfica, ao contrário de há 18 anos, que sucumbiu precisamente ao jogar com os concorrentes directos...
De resto, nem nas últimas três épocas em que foi campeão nacional (1981-1982, 1999-2000 e 2001-2002) o Sporting arrancou tão bem na I Liga. Em 1981, começou com um empate em Alvalade com o Belenenses (2-2), em 1999 empatou 2-2 no terreno do Santa Clara e, em 2001, perdeu com o Alverca (0-1), em Alvalade, na 3ª jornada, depois de ter vencido o FC Porto na ronda inaugural.
FOTO: Nacho Doce (Reuters)

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

A bufaria continua

Em meados da época passada, Paulo Bento anunciou publicamente uma caça aos bufos que, em seu entender, estavam a minar a estabilidade e a tranquilidade do balneário do Sporting, ao revelarem ao mundo, através dos jornais, o que se passava na intimidade do futebol leonino. Desde então, a primeira a figura a deixar o clube e a SAD foi o gestor de activos Carlos Freitas, agora a trabalhar no Sp. Braga. Mais tarde, saíram jogadores cuja estrela não brilhou em Alvalade, nomeadamente Gladstone, Celsinho, Farnerud e Purovic.
Até hoje, Paulo Bento nunca falou aos jornalistas sobre os resultados que obteve, ou não, na sua caçada inédita contra a bufaria interna. A avaliar por esta notícia do diário “O Jogo”, desta sexta-feira, afinal, o bufo, ou os bufos, continuam dentro do Sporting, para incomodar o treinador.
Para que a notícia de “O Jogo” – que revela frases entre aspas atribuídas a Paulo Bento, alegadamente proferidas numa conversa íntima com os jogadores – fosse uma realidade, o jornalista teria que ter assistido à palestra. Se não assistiu à palestra, é porque alguém do Sporting foi soprar o que foi dito nos ouvidos do jornalista. Pode ter sido Paulo Bento, como podem ter sido os jogadores. Ou pode ter sido Paulo Bento através da assessoria de comunicação. Seria bom que os sportinguistas soubessem se os bufos continuam ou não a prejudicar a intimidade do grupo de trabalho do Sporting. Ou se esta "fuga de informação" faz parte de alguma estratégia dita de comunicação...

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Congresso do Sporting: uma trapalhada

Há dias, o Conselho Directivo do Sporting emitiu um comunicado. Não foi para dizer o que é que verdadeiramente se passa com os atletas Stojkovic e Vukcevic (para percebermos de uma vez por todas as macacadas verbais desses atletas atiçadas pelos seus digníssimos agentes FIFA, como agora se diz...). Foi para anunciar à nação sportinguista o adiamento do Congresso sobre o clube.
O Congresso - uma ideia destinada a debater o futuro do clube que nasceu no meio do caos desportivo que atravessou o Sporting durante a época passada - estava agendado desde Março último e até já tinha um presidente responsável pela sua organização: Ernesto Ferreira da Silva – um senhor que liderou as comemorações do centenário, porque teria a ambição de ser presidente do Sporting e precisava de aparecer, ou porque era para ser presidente e acabou por não ser e teria sido preciso um motivo que mostrasse a sua importância... Já não sei muito bem, nem isso interessa.

BRINCAR AOS CONGRESSOS

O que interessa é que, meses depois de Ernesto Ferreira da Silva ter sido escolhido por Filipe Soares Franco como presidente do Congresso do Sporting, quem veio anunciar o adiamento da iniciativa foi o... conselho directivo de Franco. Depois deste papel decorativo, não sei se Ernesto Ferreira da Silva – cujo sportinguismo não está em causa, obviamente – ainda está disposto a continuar a brincar aos congressos do Sporting por mais uns meses...
Digo brincar aos congressos porque foi isso mesmo que deduzi ao ler o comunicado do Conselho Directivo, que justifica o adiamento da reunião magna: “Dada a inexistência de datas disponíveis para a efectivação, em 2008, de um Congresso com a dimensão exigida pela grandeza do Sporting Clube de Portugal e a necessidade de concentrar todos os recursos humanos na luta pelos vários títulos em disputa, o Conselho Directivo deliberou solicitar à Comissão Organizadora a prossecução da sua actividade com vista ao estudo da relevância da realização do Congresso em 2009.”

FALTA DE TEMPO? IMPORTAM-SE DE REPETIR?!...

Há um pormenor que escapou a Soares Franco: o comunicado foi emitido em 8 de Setembro último, justamente durante uma longa pausa de três semanas das competições oficiais em que está envolvido o futebol do Sporting. Só por aqui ficamos a perceber que não há vontade nenhuma em promover um congresso aberto a uns tipos interessados em debater o futuro do clube. Mas, independentemente disso, o que é grave nesta decisão do Conselho Directivo é a mistura dos compromissos desportivos do Sporting e dos “vários títulos em disputa” com a simples organização de um congresso, como reunião magna expressiva da vida de todo o clube, desde o futebol às modalidades menos conhecidas. Como se um jogo de futebol, mesmo oficial, não pudesse fazer parte do programa do congresso...
Mas há outro sinal grave neste adiamento: ao remeter o congresso para 2009, sem especificar se será para antes ou para depois das eleições, Filipe Soares Franco deve estar a contar organizar o congresso durante a campanha eleitoral para os órgãos directivos do clube. O que, a confirmar-se, seria mais uma trapalhada própria de umas eleições angolanas...

O QUE DEVERIA SER UM CONGRESSO DO SPORTING

Pelos vistos, a organização de um simples congresso está a atrapalhar em demasia a vida do Sporting. E a solução para esta trapalhada até seria muito simples. Em primeiro lugar, um congresso sobre o Sporting deveria ser um evento anual no calendário do clube. Para além de uma grande festa do desporto leonino, deveria ter a participação de sócios, de outros sportinguistas, dos atletas, dos funcionários do Sporting, de toda a gente, de especialistas nacionais e internacionais nas mais diversas áreas da gestão de um clube, etc.
Um congresso do Sporting só tem uma data possível no calendário: tem de apanhar o dia 1 de Julho, servindo, por isso, para celebrar o aniversário do clube. E quem não estiver, paciência!, não está. O congresso pode ser realizado em dois fins-de-semana, por exemplo. O segundo fim-de-semana até poderia servir para a apresentação das equipas de futebol e de outras modalidades para a nova época em clima de grande festa no Estádio de Alvalade...
Para mim, isto seria um congresso do Sporting. Uma iniciativa que evocasse as grandes memórias leoninas, que nos fizesse reflectir sobre o presente (conhecendo, inclusive, as experiências pessoais de atletas e outros funcionários do clube) e o futuro e que nos ajudasse a fazer melhor com o saber e a experiência de gente capaz que fosse convidada a participar.
Um congresso assim teria todo o sentido. Agora uma reunião para colocar uns contra os outros, como acontece nas assembleias gerais, não interessa para nada e só serve para tornar o Sporting cada vez mais pequeno.
O que é alarmante é que os dirigentes do Sporting dão sinais de que não sabem o que fazer. Dão a impressão que estão a pegar no congresso como quem pega num saco de batatas bem quentes. Tamanha falta de jeito é inacreditável num clube com a história e a dimensão, sim, a dimensão!, do Sporting Clube de Portugal!

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

O desastre espanhol

O Sporting fez o seu arranque na Liga dos Campeões 2008-2009 com o último jogo de Braga na cabeça. Perdeu 3-1 numa partida em que o desempenho leonino correspondeu a uma espécie de segunda parte do jogo de Braga para a I Liga, que dera três pontos e a liderança no campeonato.
Os jogadores de Paulo Bento entraram no Camp Nou com a ideia de defender e ver jogar, para assim melhor controlar as operações. É a táctica das equipas incompletas, que procuram passar tempo ou passar a bola para trás, porque não sabem ou não querem jogar ou não têm qualquer prazer em jogar. Em Braga resultou. Em Barcelona não resultou. Nem podia resultar. O Barcelona não é o Braga. Daniel Alves não é João Pereira; Eto´o não é Meyong; Messi não é Alan, e por aí fora...
Mais uma vez, o Sporting Clube de Portugal sai de Espanha vergado por uma derrota pesada. Um desastre espanhol a somar à goleada recente sofrida em Madrid. Não faltarão sportinguistas a dizer que a equipa de Paulo Bento a mais não seria obrigada. Não concordo. O candidato a campeão português não pode ir a Barcelona jogar com tanto medo de perder por muitos e, sobretudo, sem nenhuma vontade de ganhar alguma coisa.
O Sporting joga para ser campeão em Portugal, mas não faria mais do que lutar para não descer do outro lado da antiga fronteira. Curiosamente, é o mesmo Sporting que alimenta a selecção de Portugal com fornadas constantes de novos jogadores, alguns deles craques de eleição mundial. Selecção de Portugal que até tem feito boa figura internacional nos últimos anos. Por que é que o futebol do Sporting (que actualmente até é a equipa mais portuguesa de Portugal), não espelha em campo a ambição e a força da selecção nacional?... FOTO: Lluis Gene (AFP - Getty Images)

terça-feira, 16 de setembro de 2008

O desígnio histórico

O Sporting faz hoje a sua estreia na Liga dos Campeões 2008-2009, defrontando o adversário teoricamente mais difícil do seu grupo. Digo teoricamente, porque, em futebol, a bola é redonda e ainda continua a ter uma palavra a dizer, que, muitas vezes, é tão ou mais importante do que todas as teorias. Além disso, o Barcelona é uma das melhores equipas do mundo. É bom que se diga isto e que não nos deixemos embalar por cantos de algumas sereias que têm procurado desvalorizar a equipa espanhola. Ao Sporting não se pede que vença a Liga dos Campeões, mas exige-se que passe à segunda fase da prova, o que aconteceria pela primeira vez na história do clube leonino. É por esse desígnio histórico que a equipa de Paulo Bento tem de lutar. Depois, o que vier, será por acréscimo. Porque, em futebol, não há impossíveis. Boa sorte!

A realidade global

Deixei Portugal para um período de férias bem longe, também na esperança de deixar de ouvir más notícias, assim como políticos e analistas de trazer por casa mergulhados na mercearia do PSD e nos seus produtos que estão fora do prazo de validade.
Porém, aqui onde estou, do outro lado do Atlântico, é praticamente a mesma coisa. É certo que não há jornalistas intrigados com o silêncio da oposição, ou das oposições, que, por aqui, são os governos que têm de prestar contas, mas há os mesmos assaltos e a mesma criminalidade que tem assolado Lisboa. Desde a inocente camareira que morre atropelada na sua bicicleta pelo carro roubado de uns assaltantes em fuga que se piraram sem deixar rasto que se veja até ao caso do pai e da filha (acabada de se formar em jornalismo e que estava a conhecer o trajecto para o seu novo emprego como estagiária) que são baleados por dois bandidos encapuzados que lhes apareceram quando tiveram que parar para respeitar o sinal vermelho de um semáforo.
A juntar a isso, temos o perigoso Hugo Chávez, conhecido amigo de José Sócrates, que agora ameaça morrer em defesa do vizinho povo boliviano... Para além da criminalidade e da ameaça venezuelana que paira sobre a América do Sul, por aqui, também não falta a violência da crise económica, agora arrastada pela falência do Lehman Brothers, o quarto maior banco norte-americano.
Uma grande diferença para melhor ainda vai sendo o camarão, que é sempre fresco e ainda está barato, ou a temperatura agradável da água do mar. É aproveitar enquanto é tempo, porque a globalização ameaça acabar com tudo.

domingo, 14 de setembro de 2008

RECORTES LEONINOS

A MAGIA DO NÚMERO
>>>
O número sete é para muitos um número mágico, misterioso, místico. Além de limitar as artes, as cores do arco-íris, as maravilhas do mundo, os dias da semana, entre tantas outras coisas, sete é também o número que distingue diversos factos e curiosidades que ajudam a contar a história que une Sporting e Barcelona. (...)
Hoje a jogar e a fazer jogar no Inter de Milão, Figo defendeu a camisola sete em Alvalade e em Camp Nou com brilhantismo. Fonte de paixões e ódios iguais em intensidade, o extremo encantou a massa adepta leonina com o perfume emergente do seu futebol para a deixar à beira da loucura quando esteve perto de ser agredido em plena sala de imprensa do antigo Estádio José Alvalade, ao tomar-se conhecimento que firmara contrato com Juventus e Parma, este último um clube associado à empresa Parmalat, ao tempo patrocinadora do arqui-rival Benfica. Hoje é tido como o filho pródigo que nunca voltou a casa e muitos ainda suspiram com o seu regresso, independentemente da competência com que o fizer.
Na Catalunha, a história não terminou tão bem. Banido por dois anos em Itália, Figo seguiu para o Barcelona. Ali, conquistou os exigentíssimos adeptos "culés", tornou-se símbolo, ganhou títulos e dimensão mundial, mas a (até então impensável) mudança para o Real Madrid no Verão de 2000 lançou uma onda de choque e ódio sem precedentes entre a família blaugrana, por toda a Catalunha e o que ela representa, que até hoje perdura. Na memória de todos ficou o regresso do internacional português a Camp Nou com a camisola merengue trajada. O próprio Di Stéfano disse que "nunca tantos estiveram contra um só".
Após tantos incidentes que lançaram uma maldição sobre a camisola leonina, muitos foram os que, de sete no dorso, sofreram lesões, muitas delas de extrema gravidade que, não raro, lhes ceifaram a carreira em Alvalade. Exemplos não faltam: Iordanov, Leandro, Delfim, Sá Pinto e Niculae. O sete verde e branco é agora pertença de Marat Izmailov e a malapata parece ter-se finalmente dissipado.
O médio russo é dos mais dotados jogadores do Sporting e promete partir para uma grande época. À atenção do Barcelona, "Izma" anotou um bonito golo e uma boa exibição na derrota (5-3) em casa do Real Madrid, no particular realizado a 27 de Agosto passado, sendo dos poucos leões a comportarem-se à altura num desafio em que os verdes e brancos estiveram a um passo de um vexame público em pleno Estádio Santiago Bernabéu. Depois de uma primeira temporada em grande parte dedicada à ambientação a Portugal, também condicionada pelo peso de ano e meio sem repousar, mas mesmo assim preenchida com pormenores bem ilustrativos da sua categoria, Izmailov esteve ligado a períodos importantes da época 2007-08, com destaque para a conquista da Supertaça, a qual decidiu com
um portentoso remate de meia-distância, e para a forma como desequilibrou na histórica goleada (5-3) ao Benfica na meia-final da Taça de Portugal, na qual teve coragem para sair do banco, apesar da sua débil condição física. (...)
Autor: Filipe Alexandre Dias, “O Jogo", 14-09-2008

De fora outra vez


Da primeira vez, na SuperTaça, não causou estranheza: estava lesionado. Na segunda começou o rumor. Depois o “caso” mereceu grande destaque nos jornais desportivos. Agora para o jogo contra o Barcelona, Simon Vukcevic volta a não fazer parte dos planos do treinador Paulo Bento. Razão nem vê-la. Opção técnica, disciplinar ou problemas físicos? Apenas podemos especular porque Paulo Bento ainda não deu qualquer explicação (se é que dará), mas o treinador terá as suas razões e, já o conhecendo, serão de certeza ponderadas. Será do ombro, pois o montenegrino apresentou dores no local quando estava ao serviço da selecção, ou apenas Vuk continua a dar mostras de insatisfação por não jogar? De qualquer das formas é uma baixa importante para o jogo contra os espanhóis, que terá elevado grau de dificuldade.
Tendo em conta a qualidade de Vukcevic e o seu espírito lutador dentro de campo, espera-se que estes, chamemos-lhes, acontecimentos, não sejam da mesma ordem dos que levaram Stoj ao banco e a nunca mais de lá sair…
Foto: Record online

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Lucros de 597 mil euros em 2007/2008

A SAD sportinguista comunicou hoje à CMVM o resultado líquido de 597 mil euros referentes à época 2007/2008, com “um EBITDA [(…) que, traduzido literalmente para o português, significa lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização] de 9,614 milhões de euros e um resultado operacional de 2,563 milhões”. Segundo a Agência Financeira “o valor representa uma forte queda face aos 14,5 milhões de euros de lucro da época 2006/2007 mas «reflecte já os ajustamentos e impactos decorrentes da conversão das contas da Sociedade para as normas IFRS efectuadas no exercício findo». A diferença entre as duas épocas prende-se essencialmente com a venda de Nani ao Manchester United pela verba de 25,5 milhões de euros que aumentou consideravelmente os lucros do Sporting na época 2006/2007. Como na temporada transacta nenhuma das figuras do Sporting foi vendida, os lucros automaticamente baixaram.
Tendo em conta a situação financeira do Sporting e também que as entidades desportivas não raras vezes dão prejuízo, um lucro positivo é sempre uma boa notícia pois ainda para mais é sinal de que o clube consegue apresentar resultados favoráveis, mesmo não tendo amealhado grandes somas de dinheiro na venda de jogadores do clube. As contas serão apresentadas na Assembleia Geral a realizar a 26 de Setembro.

Missão: Champions

Com o jogo contra o Barcelona num horizonte próximo, a dúvida impõe-se: tem este Sporting reais capacidades para chegar pela primeira vez na sua história aos oitavos-de-final da Liga dos Campeões?
Na última edição da Liga Milionária, a equipa leonina conseguiu apenas duas vitórias e um empate que lhe reservaram um lugar na Taça UEFA. Mas os jogos contra Manchester, em Inglaterra, e com a Roma, em Alvalade, estiverem bem perto de serem ganhos pelo conjunto verde e branco. A falta de sorte, ou para os cépticos que não contam o factor sorte, um pequeno erro de distracção, foram fatais para as pretensões leoninas. Nesta presente edição a começar na próxima terça, não há garantias de nada, mas analisando a fundo o plantel, há razões para mais optimismo.
Vejamos: neste defeso o Sporting conseguiu aquilo que há muito lhe fugia: comprar bem e não vender as pérolas da equipa. A saída de Tello, Nani e Caneira no final da época 2006/2007 deixou “buracos” no plantel que não foram bem colmatados pelas contratações posteriores. Ao invés, nesta temporada comprou-se de acordo com as necessidades e optou-se preferencialmente por jogadores que já conheciam os cantos à casa e com provas dadas. A juntar-se há ainda o facto de não haver emprestados no plantel, o que garante uma maior estabilidade no grupo e o que comprova a viabilidade de primeiro garantir por empréstimos e se depois valer a pena, avançar para a compra (casos de Grimi e de Izmailov).
A permanência no plantel de jogadores-base, tais como Moutinho, Liedson ou Veloso, é encarado como uma mais-valia para o “ataque” às competições em que o Sporting está envolvido esta época. Jogadores como estes garantem uma melhor performance e assumem-se sempre como opções mais que válidas, permitindo ainda manter a equipa-tipo da temporada transacta.
Com os leões envolvidos em quatro frentes, há que saber mediar os jogadores. E esse é um dos trunfos de Paulo Bento: um banco que oferece (finalmente) alternativas válidas, não precisando de se socorrer sempre dos mesmos. Concluindo, um leão com alternativas mais válidas e que oferecem maior consistência à equipa.
A hipótese de fazer história ao apurar-se para a fase seguinte da Champions é um factor que servirá de incentivo a jogadores e treinador. Uma derrota em Camp Nou não atirará o leão logo para fora mas há condições reais de conquistar-mos pontos. Deco deixa a receita para trazer de Barcelona um bom resultado: coragem e personalidade. Para além de começar um ciclo que poderá deixar marcas na história leonina, este jogo é também para mostrar à Espanha que não somos aquela equipa que encaixou cinco golos em 45 minutos no Santiago Barnabéu e que temos qualidade para impressionar…

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

LEÃO DA ESTRELA a crescer

O blog LEÃO DA ESTRELA conta, a partir de agora, com a colaboração da "blogger" Renata Amaro. Residente em Castelo Branco, futura estudante de Comunicação Social na Universidade Nova de Lisboa e responsável pelo blog Equipa Leonina, Renata Amaro foi convidada porque é sportinguista por dentro e por fora, pensa pela sua cabeça e escreve bem. E vai, certamente, transmitir a sensibilidade feminina ao reflectir sobre o Sporting Clube de Portugal e o futebol português. Aliás, os clubes desportivos só são verdadeiramente grandes se forem de toda a família e não apenas um reduto dominado pelo universo masculino.
A nova aquisição do LEÃO DA ESTRELA significa também a abertura de um novo ciclo neste blog, rumo à sua consolidação como espaço de referência da blogosfera sportinguista - agora que fixou uma audiência regular entre as 600 e as 800 visitas diárias, segundo dados do contador do ShinyStat. Chegou, por isso, o momento de alargar o naipe de colaboradores do LEÃO DA ESTRELA, estando em agenda outras surpresas nos próximos tempos.

O tabu de Paulo Bento e outras artimanhas

À falta de coragem e liberdade para tratar de assuntos importantes, e com o Sporting na liderança da I Liga – é bom que se diga… -, a imprensa fica entretida a falar de um suposto tabu de Paulo Bento, a propósito da sua permanência em Alvalade, para além da época em curso. Tudo começou numa entrevista de Paulo Bento à SIC Notícias, onde o treinador do Sporting não disse nem mais nem menos do que aquilo que poderia ter dito sobre essa questão. Basicamente, o treinador afirmou que o contrato acaba no final desta temporada, encerrando um ciclo de quase quatro anos. É uma verdade. E sobre o futuro disse que não sabia se continuava, ou não, porque a questão ainda vai ser colocada. Evidentemente. Não estou a ver o que Paulo Bento poderia ter dito de muito diferente, mesmo sendo ele já o "Alex Ferguson do Sporting", como desejava Filipe Soares Franco.
Porém, certa imprensa especializada na criação de casos que não existem, em vez de tratar de questões essenciais para o futebol português – a forma como o livro de Octávio Machado foi praticamente ignorado pela comunicação social desportiva é absolutamente escandalosa – parece estar a procurar mais um caso em Alvalade a propósito da continuidade de Paulo Bento. Mas o caso não existe e nem tem que existir. Basicamente, Paulo Bento será treinador do Sporting enquanto ganhar. Como acontece com todos os treinadores. E, até agora, fazendo a avaliação entre os bons e os maus resultados, a verdade é que o saldo de Paulo Bento é largamente positivo.
Só nos últimos dois anos, o Sporting ganhou dois troféus nacionais por época (Taça de Portugal e Supertaça), o que não acontecia há muito tempo. Para ser mais preciso, a conquista de dois troféus nacionais em duas épocas consecutivas já não acontecia em Alvalade desde o tempo glorioso dos “Cinco Violinos”. Há mais de 50 anos!...
É por isso que os adversários do Sporting, a começar pelo Benfica, andam entretidos a mostrar ao País um filme de má qualidade que nos mostra Cristiano Rodriguez a dar uns "coices de amor" em Nuno Gomes. Mas o Benfica zeloso da aplicação da justiça que pede mais um sumaríssimo para castigar um jogador do FC Porto (em vez de procurar saber se a Sport TV, que teve 26 câmaras no Estádio da Luz, registou as imagens e não as mostrou ao público...), é o mesmo Benfica que pede a despenalização do seu jogador Luisão, que agrediu um adversário portista (em vez de aceitar o castigo e penalizar internamente o defesa brasileiro, para que ele aprenda a não enterrar mais vezes a equipa de Quique Flores).
Com quatro pontos perdidos à segunda jornada, o Benfica, que clama por justiça e transparência, revela-se, afinal, um paladino das artimanhas jurídicas, ao procurar adiar o mais possível o castigo da Liga a Luisão, só para que ele possa defrontar o Sporting no final do mês. E como a justiça desportiva portuguesa faz de conta que existe, como ficou provado pelos tostões de multa ao Benfica por uma invasão de campo seguida de agressão a um árbitro assistente, tudo é permitido. FOTO: "Record Online"

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

A maldição de Alvalade

Há uma espécie de maldição em Alvalade que está a afectar gravemente a selecção portuguesa de futebol. Foi no estádio do Sporting que, há um ano, na campanha de apuramento para o Europeu’2008, Portugal empatou com a Sérvia e Luiz Filipe Scolari perdeu a cabeça ao agredir o defesa sérvio Dragutinovic. Agora, a deslumbrada selecção de Carlos Queiroz, habituada a jogar bem e a golear selecções de terceiro plano, não conseguiu gerir a vantagem de um golo sobre a Dinamarca, que deteve por duas vezes, desperdiçou golos feitos e acabou por perder 2-3, sofrendo os três golos nos últimos minutos. Mais uma vez, Portugal perdeu a cabeça no final. Convinha que Queiroz fizesse as pazes com Filipe Soares Franco ou vice-versa. Talvez, assim, acabe a maldição de Alvalade... FOTO: AFP - Getty Images

LEÃO DA ESTRELA na imprensa

"Jornal de Notícias", 10-09-2008

sábado, 6 de setembro de 2008

A malta de Queiroz soma e segue

A malta de Portugal, agora orientada por Carlos Queiroz, soma e segue, com nove golos marcados e nenhum sofrido em apenas dois jogos. Depois de um ensaio promissor com as Ilhas Feroé (5-0), a selecção portuguesa abriu oficialmente a sua campanha rumo ao Mundial'2010 da África do Sul com uma vitória, agora por 4-0, sobre a selecção de Malta, em La Valletta. Uma vitória robusta que confirma o novo ciclo de que fala Carlos Queiroz, traduzido num tempo de mudança capaz de levar a selecção portuguesa ao topo mundial. É certo que Portugal é nono no "ranking" da FIFA e a Malta ocupa a 133ª posição. Mas isso não diminui os três pontos conquistados. Uma vitória por 4-0, nos gtempos que correm, mantém devidamente as distâncias e confirma uma selecção de Portugal a trilhar o caminho da excelência. O problema é quando o resultado não tem nada a ver com o "ranking", por culpa de um favorito que não puxa pelos galões. Neste caso, pelos golos. Basta lembrar o apuramento sofrido para o último Europeu... Dinamarca (na Hungria) e Suécia (na Albânia!...), dois dos principais adversários no grupo de Portugal, já perderam os dois primeiros pontos. Venham os dinamarqueses. Cá os esperamos, quarta-feira, em Alvalade!... FOTO: Reuters

RECORTES LEONINOS Sporting SAD

>>>
ESTABILIDADE E EVOLUÇÃO
>>>
A utilização da crítica sistemática e contundente é prática comum entre alguns comentadores da nossa praça, que entendem ser essa a melhor forma de garantir notoriedade no "mercado". Considero, contudo, que a opinião publicada obriga ao equilíbrio, ao bom-senso e, sobretudo, ao sentido de responsabilidade dos seus autores, razão pela qual creio ser importante valorizar em igual medida, e quando tal se justifique, os aspectos positivos da área de actividade sobre a qual nos debruçamos. Assim, é inevitável reconhecer a correcta orientação desportiva da política de gestão do plantel efectuada pela SAD leonina durante este defeso. Assimilando e ultrapassando as hesitações do passado, os responsáveis verdes e brancos mantiveram todos os elementos importantes para o grupo e foram cirúrgicos nas contratações, num conjunto de medidas inéditas nas últimas épocas. A estabilidade, aliada à evolução sustentada, é meio caminho andado para o sucesso.
AUTOR: João-Paul Lares, "O Jogo", 06-09-2008

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

RECORTES LEONINOS Rui Santos

RIDÍCULO
>>>

(...) Manda quem pode e, neste momento, parece claro que o FC Porto manda na FPF e o Benfica na Liga, com o Sporting – à frente de um conjunto de “outsiders” quase todos rebocados pela espúria lógica das alianças circunstanciais – a ir às deixas e a espreitar alguma janela de oportunidade para daí poder retirar algum benefício.
A credibilidade do futebol português avalia-se nos momentos das difíceis decisões. O castigo aplicado pela CD da Liga, na sequência das incidências verificadas no clássico da Luz, é ridículo. E perigoso! Com regulamentos ridículos, que relativizam a violência, só podemos ter decisões ridículas.
Punir com 1.500 euros uma entrada de um espectador em campo e respectiva agressão a um árbitro é tão ridículo quanto grave. Tão ridículo e grave quanto punir com 2.000 euros o arremesso de uma garrafa de água à cabeça de outro árbitro. Tão ridículo e grave ainda quanto punir com 500 euros “o rebentamento de 4 ou 5 petardos e o lançamento de 2 tochas”.
Daqui por diante: está aberta a porta para se dar uns “apertões” aos árbitros-assistentes. Como é possível? Esta clubitização do futebol português é doentia e a farsa está para durar.
AUTOR: Rui Santos, "Record", 04-09-2008

Parabéns, "mister" Allison!

O antigo treinador do Sporting Malcolm Allison, campeão e vencedor da Taça de Portugal em 1981-82, comemora hoje 81 anos. Foi dos melhores treinadores que vi trabalhar no Sporting e, seguramente, aquele que mais me entusiasmou. Chegado a Portugal depois de uma carreira de sucesso no Crystal Palace e no Manchester City, Allison, ou "Big Mal", como ficou conhecido, foi o primeiro a levar o Sporting a vencer em Inglaterra para as competições europeias (goleada de 4-2 sobre o Southampth) numa das noites fantásticas da equipa leonina, que era conhecida pelo seu poderoso trio ofensivo formado por Manuel Fernandes, Oliveira e Jordão. O seu despedimento ainda durante a pré-época do ano seguinte, na sequência de um estágio na Bulgária, onde terá havido problemas num hotel nunca devidamente esclarecidos, foi um dos erros históricos do Sporting, então liderado por João Rocha. Uma decisão que até parece ter sido amaldiçoada, pois, durante os 18 anos que se seguiram, o Sporting jamais foi campeão. Parabéns por mais um aniversáro, "mister" Allison! É provável que já não se lembre de muitas coisas. Mas nós não esquecemos. Obrigado por tudo que fez em Alvalade!

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Castigos da treta

Pinto da Costa está suspenso pela Liga e pelo Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol, mas continua a pavonear o seu poder nas tribunas de honra dos estádios portugueses, seja em jogos da importância de uma Supertaça, seja em jogos da Liga, como aconteceu no último Braga-Sporting.
Luís Filipe Vieira também está suspenso pela Liga, mas, no último Benfica-Porto, para além de se ter sentado na tribuna de honra do Estádio da Luz, desceu ao balneário da equipa de arbitragem liderada por Jorge Sousa, alegadamente para pedir desculpa pela agressão de um barbudo disfarçado de diabo que vitimou um árbitro assistente. E o assalariado João Gabriel, que não conseguiu prevenir a ousadia de Vieira, vem agora dizer que "nunca foi intenção desrespeitar" a Comissão Disciplinar da Liga...
É caso para dizer que, no futebol português, o castigo de suspensão de funções de um dirigente é o mesmo que nada. São castigos da treta. Ou não estivéssemos também num País da treta…
No meio disto tudo, só tenho que elogiar a atitude de Filipe Soares Franco, que parece ter informado os clubes da I Liga que, quando se deslocar oficialmente aos estádios dos adversários do Sporting, não vai sentar-se nas tais tribunas de honra, preferindo ficar junto de dirigentes ou outros convidados do clube leonino. E digo mais: leve um cachecol e vibre com o Sporting, senhor presidente!

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Vicente Moura, o COP e o Sporting

O presidente do Comité Olímpico Português (COP), José Vicente Moura, é o sócio nº 28.771 do Sporting Clube de Portugal e membro do Conselho Leonino. Hoje, o atleta do peso Marco Fortes, o célebre autor da frase “De manhã só estou bem é na caminha", com que se despediu dos Jogos Olímpicos de Pequim, promoveu uma conferência de imprensa em Alvalade para refutar os ataques de que tem sido alvo e confirmar que foi expulso da aldeia olímpica em 17 de Agosto, quando o seu regresso estava agendado para o dia 27, com a restante comitiva. Ao contrário do que diz o chefe da delegação portuguesa, Manuel Boa Jesus, certamente com a cobertura do sportinguista José Vicente Moura.
Ao lado do atleta do Sporting na conferência de imprensa esteve o vice-presidente Mário Moniz Pereira. O conselheiro leonino não esteve, nem teria condições para estar, dado ser o presidente do COP. Donde, o dirigente encontra-se numa situação de total promiscuidade, que deveria levar à sua demissão imediata do lugar que ocupa no Conselho Leonino. Porque, a um dirigente do Sporting pede-se que defenda os sportinguistas em quaisquer circunstâncias. Se não tiver condições para o fazer, então não pode ser dirigente, por menos importante que seja o cargo ou a função que ocupe na estrutura do clube. O caso de Vicente Moura seria igual ao de Hermínio Loureiro, também sportinguista, caso o presidente da Liga de Futebol fosse membro do Conselho Leonino do Sporting. Ou será que o desporto olímpico é menor, levando a que as pessoas não se chateiem com estas acumulações de cargos? Se calhar, como vimos em Pequim, é mesmo...
De resto, para que é que Vicente Moura integra o Conselho Leonino se tem de ficar calado quando estão em causa os interesses do Sporting, pelo facto de ser presidente do COP, devendo, portanto, defender o organismo nacional e não apenas um clube? E o que é que o Sporting ganha em ter um dos seus dirigentes como presidente do COP? Pelo que se viu em Pequim, e no caso concreto de Marco Fortes, nada.
Por isso, antes de resolver o problema existencial como presidente eterno do COP, anunciando que vai embora para voltar atrás não se sabe por que motivo novo, Vicente Moura tem de clarificar a sua situação no Sporting. De Marco Fortes e da sua prestação em Pequim falaremos um dia destes.

LEÃO DA ESTRELA na imprensa

"Jornal de Notícias", 03-09-2008

terça-feira, 2 de setembro de 2008

A derrota de Pinto da Costa

Será que a fortaleza inexpugnável do FC Porto está em mutação? Para já, um facto é indiscutível: pela primeira vez no seu longo reinado, Pinto da Costa não fez o negócio que queria na venda de um dos melhores jogadores do FC Porto. A SAD portista, recorde-se, exigia 40 milhões de euros a quem quisesse levar Ricardo Quaresma. Acabou por receber menos de metade do Inter de Milão, mais um jogador que, não obstante chamar-se Pelé, não vai entrar de caras na equipa principal. Pinto da Costa sai derrotado. É evidente que, para o FC Porto, foi melhor assim do que continuar com Quaresma contrariado no plantel. Mas, também nesse aspecto, Pinto da Costa falhou pela primeira vez ao não conseguir convencer um futebolista a continuar mais um ano. Deste modo, a imagem de um FC Porto vendedor quando queria e ao preço que queria sofreu um abalo forte. E, mais uma vez, as cláusulas de rescisão não contaram para nada. À atenção dos dirigentes!

CORREIO LEONINO

>>>
BRANQUEAMENTO VERGONHOSO
>>>

Acho que é completamente vergonhoso o branqueamento que tem sido feito pelos ridículos órgãos da comunicação social àquilo que se passou no Estádio da Luz! Milhões de (tel)espectadores viram uma agressão de um adepto do Benfica ao árbitro assistente e parece que nada demais se passou! Triste País, este!
A interpretação dos Regulamentos da Liga, face ao que se passou, que tem sido feita pela comunicação social, é absolutamente lamentável e denota um grande descuido na leitura dos mesmos. Só há duas hipóteses: ou o Estádio da Luz é interditado por 2 a 4 jogos ou o Benfica terá de jogar 1 a 2 jogos à porta fechada! É essa a única interpretação possível dos Regulamentos! Para além disso, existe uma sanção pecuniária. Agora, não venham branquear o que se passou com uma "multinha"! Haja vergonha!
Às vezes, tenho vergonha deste País de corruptos e ignorantes, onde o que impera é o chico-espertismo!
Se não houver uma punição exemplar, respeitando os Regulamentos, baterei palmas ao próximo energúmeno que agredir um árbitro (na linha daquilo que disse o sr. Rui Santos, no programa “Tempo Extra”, na SIC Notícias, tem é de ser uma agressão como deve ser, isto é, tem de provocar "uma paragem de jogo de pelo menos 5 minutos, senão não vale"). É que, vontade de agredir barbaramente todas as semanas um árbitro (ou um auxiliar, ou ambos), tenho eu! Estou farto dos Olegários Benquerenças, dos Paulos Costas, dos Paratys, dos Paixões, dos Lucílios Baptistas, dos Xistras, dos Proenças, e de toda a restante escumalha que anda na arbitragem, incluindo o sr. Vítor Pereira. Presenciamos a assaltos em directo e em flagrante delito, todos os fins-de-semana, e, até agora, a Polícia apenas conseguiu prender dois “footballjackers”: um tal de Guímaro e um tal de Francisco Silva.
O blog LEÃO DA ESTRELA foi o único local sério, até ao momento, que soube fazer a leitura correcta da Lei. Com os melhores cumprimentos.
Nuno Trindade, enviado por e-mail
FOTO: Bola na Área/João Tomé/FutebolArtte

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

O ferrolho de Paulo Bento

O Sporting foi a Braga e ganhou por 1-0. A missão foi cumprida. A equipa de Paulo Bento segue em primeiro lugar na Liga e tem agora tempo para respirar antes da dupla jornada com os adversários directos na corrida ao título, o Benfica e o FC Porto, daqui a um mês. Do ponto de vista da conquista dos pontos foi excelente. Paulo Bento está de parabéns, porque a sua estratégia resultou em pleno, agora que, depois do jogo de baliza aberta de Madrid, parece ter recuperado a fórmula do ferrolho bem apertado que tão bons resultados deu em 2005-2006 e 2006-2007, quando esteve imenso tempo sem perder fora de casa.
O treinador do Sporting considera que o primeiro passo de um campeão dentro do campo é defender. Como princípio, está certo. O problema é que o futebol é defender, mas também atacar. E, em Braga, o Sporting não atacou. Marcou um golo no primeiro remate à baliza, logo aos 3 minutos, com Hélder Postiga a fazer a sua estreia oficial como goleador do clube, e ficou o resto do tempo a defender a vantagem mínima até aos limites, como se fosse uma equipa que luta para não descer de divisão. Exasperante para quem via. Foi um Sporting forte e feio. Forte a defender, desorientando completamente os bracarenses, que não tinham espaço para jogar e viam o seu ritmo de jogo constantemente interrompido, e feio a atacar. Até parecia que o jogo leonino só estava estudado para dois terços do campo. Se a fórmula vingar, transformando-se em resultados, o mais provável é que a taça da Liga 2008-2009 acabe por entrar no museu de Alvalade, mas o público deixará de ter motivos para ir ver a equipa jogar. É isto que me separa de Paulo Bento com treinador do Sporting. Apenas isto. Mais nada.
Bem sei que a imprensa desportiva vai elogiar “a vitória do sofrimento”, o “estofo de campeão”, a combatividade, o fato-macaco que foi usado e outros eufemismos com que muita gente gosta de classificar o mau futebol. Mas a verdade é que tudo isso se esfumaria se um pontapé fortuito nos últimos minutos fizesse a bola entrar na baliza de Rui Patrício e o Sporting já não tivesse nem tempo nem condições psicológicas para reagir. É o risco de uma equipa que joga apenas para gerir a vitória por 1-0.
O Sporting mostrou capacidade de sofrimento e fez sofrer aqueles que foram ao estádio ou viram pela televisão. Porém, o futebol não pode ser só sofrimento. Se o Sporting tinha marcado o primeiro golo aos 3 minutos, o que teria a fazer era procurar o segundo golo no mais curto espaço de tempo. Bastaria querer. O Braga até estava a tremer por todos os lados. Ah! Vukcevic entrou nos últimos minutos. O aplauso que ouviu da bancada sportinguista foi ruidoso... Um sinal... FOTOS: Miguel Vidal (Reuters)

LEÃO DA ESTRELA na imprensa

"Público", 01-09-2008
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...