quarta-feira, 4 de março de 2009

Liedson e a selecção portuguesa

Depois da extraordinária exibição de Liedson no jogo com o Benfica, voltou a falar-se da inclusão do jogador brasileiro do Sporting na selecção nacional. É um debate que o LEÃO DA ESTRELA recupera.
Liedson é o melhor ponta-de-lança a actuar em Portugal, sendo actualmente o melhor marcador estrangeiro da história do Sporting. Apesar de ser um jogador do Sporting, não concordo que Liedson deva naturalizar-se português para ser chamado a defender a selecção nacional de Portugal, só para acudir ao desespero da Federação Portuguesa de Futebol, decorrente de a selecção marcar poucos golos e de o futebol português não conseguir formar pontas-de-lança de qualidade em quantidade suficiente.
Uma selecção nacional não é um clube a operar na indústria do futebol, sujeito a leis sociais e económicas, designadamente de ordem laboral, que é obrigada a cumprir. Uma selecção nacional é o "clube" dos melhores jogadores nascidos ou criados num País, os quais representam a identidade nacional do País (que é desportiva, mas também cultural, social, económica, etc.), e não uma selecção dos jogadores de todo o mundo que jogam num País.
Donde, como português, jamais consegui olhar para os brasileiros Deco e Pepe como jogadores legítimos da selecção de Portugal, apesar das condições diversas da sua naturalização. Vi Deco dar a Portugal uma vitória sobre o Brasil, no seu primeiro jogo pela selecção portuguesa, mas não senti essa vitória como totalmente portuguesa, mais a mais com um treinador brasileiro a orientar a nossa equipa. E jamais deixei de olhar para Deco como um estrangeiro que representa a selecção de Portugal, desde logo porque ele só passou a vestir a camisola portuguesa porque nunca teve a possibilidade de representar o "seu" Brasil. Depois, foi a vez de Pepe se naturalizar como cidadão português e de alinhar por Portugal. Agora chegou a vez de Liedson, que aos 31 anos, tem o seu processo de naturalização em curso e até já recebeu a bênção de Eusébio para entrar na selecção portuguesa.
Ou seja, a selecção de Portugal já tem um defesa-central e um médio que nasceram no Brasil e chegaram a Portugal como profissionais de futebol já em idade adulta. Poderá, em breve, ter um avançado, cuja carreira caminha para o fim, também nascido no Brasil.
O problema não está no jogador Liedson, um grande profissional do Sporting cuja disponibilidade para defender a camisola lusitana deve merecer o respeito e a gratidão dos sportinguistas e do futebol português. A questão é que, a seguir, será a vez de um guarda-redes. E, qualquer dia, a selecção portuguesa seria uma espécie de "Brasil B"… Não pode ser.
Para termos uma selecção nacional de qualidade não pode valer tudo. Se Portugal não tem avançados, a Federação Portuguesa de Futebol que invista a sério na formação, impedindo a internacionalização galopante das equipas jovens dos clubes portugueses (que é talvez o problema mais grave que está a afectar a selecção portuguesa). Não é nada contra Deco, Pepe, Liedson ou outros estrangeiros. É tudo pelo futebol português e pela dignidade da selecção nacional. FOTO: Francisco Leong (AFP - Arquivo)

7 comentários:

Pedro Pita disse...

Tenho um ponto de vista exactamente oposto ao do texto. Para mim quem determina quem é ou não português é a Lei e a Constituição do país- e não essa corja chamada Federação Portuguesa de Futebol. Se Liedson, e quando, for português deve ser convocado para jogar pelo seu país. Repito: pelo seu país! Liedson não é menos português que eu ou do que o LdE. Seria ridiculo que se estabelecesse uma discriminação entre portugueses com direitos iguais, e é a meu ver muito perigoso o naionalismo que ressalta destas opiniões. Se não gostam das leis do vosso país, digam que querem mudá-las, e lutem por isso. O que não vale é aplicarem principios ao futebol que não valem para o resto. O que não vale é acharem que há realidades que devem estar acima das leis que regem a nossa sociedade. Se querem uma sociedade SÓ de portugueses 100% puros( que é mais ou menos o que esta questão exala, o doçe perfume do fascimo, sejamos claro), ou então conferir menos direitos a quem tem duas nacionalidades( como é o meu caso), então assumam honestamente isso. O que é abaixo de cão é defender uma discriminação pura e simples com o ar de quem está a falar da coisa mais justa do mundo.

Um abraço

João disse...

Sendo Português nascido em Lisboa, cujos pais também nasceram em solo nacional, devo dizer que discordo totalmente com este post e sigo a mesma linha de raciocinio do comentário anterior.
Segundo a Constituição não existem Portugueses de primeira e Portugueses de segunda. Somos todos Portugueses. Se uma pessoa preenche o conjunto de requerimentos exigidos pela lei e adquire nacionalidade Portuguesa, passa a ter tantos direitos e deveres como aqueles que nasceram com ela. Da mesma forma que pode votar ou candidatar-se a um cargo politico o Liedson ou outro gajo qualquer na mesma situaçao tem direito a ser convocado para a Selecção Nacional, dependendo apenas do seu mérito e valor.

Anónimo disse...

E este Farense e Sportinguista assina por baixio os dois comentários .
Sempre SCP

bruno disse...

e eu tambem assino por baixo dos comentários

"leao da estrela desta vez ninguem te apoia"

Marto disse...

Assinado por baixo dos contários abteriores.

Anónimo disse...

Defendo inteiramente o comentário do 'Leão da Estrela'.
A selecção não é um negócio....

PR

Flip disse...

Não podia estar mais de acordo com o LdE. O que está aqui em causa não são os portugueses de 1ª e de 2ª, o que está em causa é o que se quer para o futuro do futebol português e necessariamente da selecção nacional de futebol. (Como diz e bem o Luís Freitas Lobo)

Que estímulo terão os juniores, juvenis e infantis se sabem que 'por dá cá aquela palha' se recrutam jogadores ESTRANGEIROS (naturalizados portugueses) para suprir necessidades questionáveis.

Que esses 'novos' portugueses tenham todos os direitos previstos na constituição, 5 estrelas. Assino por baixo. Que joguem nas selecções nacionais de futebol, andebol, basquetebol ou berlinde.. definitivamente não.

Não longe estará o dia em que só teríamos jogadores naturalizados a defender as quinas. Belo exemplo o da selecção italiana de futsal que joga com.. 14 brasileir... ITALIANOS!..

Se não temos avançados bons, como disse e bem o LdE, que se invista na formação.

Deco a um jornal brasileiro à uns meses confessou que se pudesse ter escolhido teria jogado na selecção brasileira. Surpresa? Claro que não. Mas quantos jogadores portugueses davam o 'dedo mindinho' para ter aquela oportunidade?

Fascismo? Tenham dó.. É uma questão de lógica e bom senso.

Abraço LdE de um Benfiquista que aprecia coerência e honestidade seja às riscas horizontais, verticais ou aos quadrados...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...