quinta-feira, 30 de abril de 2009

A morte estúpida de Joaquim Agostinho



Em 30 de Abril de 1984, faz hoje 25 anos, um cão numa estrada algarvia e uma série de obstáculos na prestação de cuidados de saúde imediatos – que representaram o retrato de um País atrasado e desorganizado –, mataram Joaquim Agostinho, o melhor ciclista português de todos os tempos. O atleta – que personificava como poucos o esforço, a dedicação, a devoção e da glória do Sporting – tinha 41 anos e vestia a camisola amarelo na Volta ao Algarve. Agostinho era o líder de uma equipa de ciclismo do Sporting que o presidente João Rocha relançara nas estradas portuguesas. E terminava a carreira no clube onde começou, depois de anos a brilhar na Volta a França.
A morte de Joaquim Agostinho foi para mim um enorme murro no estômago. Senti a morte do grande ciclista do Sporting, como se ele fosse um familiar mais próximo. Uma tristeza enorme, durante dias de ansiedade em que o homem estava ligado a uma máquina no Hospital da CUF, de quem acompanhara dia a dia, pelos flashes noticiosos da rádio ou no "tempo de desporto" do Telejornal da RTP (as únicas fontes de informação da época, antes dos jornais do dia seguinte), a sua enorme carreira na Volta à França - onde, mesmo em equipas pequenas, conseguiu excelentes resultados e foi um exemplo de espírito de camaradagem e profissionalismo, ao abdicar da sua vocação para chefe-de-fila em favor do colega de equipa que o treinador designasse. Pouco tempo depois, o Sporting voltou a deixar as bicicletas. Elas que foram decisivas na divulgação da marca leonina em todo o País, em particular no interior. Na verdade, o ciclismo leonino já tinha morrido no ano em que recomeçou, precisamente com a morte de Joaquim Agostinho. Com uma morte tão estúpida, já nada fazia sentido.

terça-feira, 28 de abril de 2009

Porque há imagens eternas

Rui Jordão, avançado do Sporting entre de 1977 e 1987

A recandidatura de Soares Franco

Filipe Soares Franco está a caminho da recandidatura à presidência do Sporting. Em Janeiro passado revelou que iria embora, agora prepara-se para avançar. Não há incoerência, porque passaram quatro meses e ainda não apareceu nenhum candidato com um projecto alternativo para a gestão leonina. O seu propósito é não deixar o clube órfão e faz todo o sentido, pois de quem não está de acordo com a gestão do Sporting só temos ouvido conversa. Mais nada. O que é muito mau para o clube. E mesmo que agora surja um candidato, será, obviamente, carne para canhão. E partirá sempre em desvantagem, num processo reactivo à iniciativa de Franco - que já está decidida, faltando apenas o anúncio oficial. A não ser que haja alguma surpresa de última hora, os dados das próximas eleições parecem estar lançados. Soares Franco parte com um avanço esmagador e qualquer candidato alternativo, sem tempo para se afirmar, só irá marcar calendário e tentar reunir um pequeno grupo de pressão no vetusto Conselho Leonino. Só que, agora, os críticos - ou "a minoria do bloqueio", como lhes chama Soares Franco - perdem credibilidade. Porque quando tinham de avançar com um projecto alternativo coerente não avançaram. Quanto ao futuro do Sporting, seja o que Deus quiser.

domingo, 26 de abril de 2009

A primeira vitória portuguesa em Inglaterra


>
O antigo treinador inglês Malcolm Allison recorda a sua passagem pelo Sporting, em 1981-1982, e, em particular, a táctica usada na estrondosa vitória por 4-2 em Southampton, para a Taça UEFA, cujas imagens estão no vídeo. Foi uma vitória histórica, pois foi a primeira vez que uma equipa portuguesa venceu em Inglaterra nas competições europeias, que tinham começado em 1955, também com um momento de glória para o Sporting, pois foi a equipa a marcar o primeiro golo na Taça dos Clubes Campeões Europeus (actual Liga dos Campeões). Neste vídeo, que nos mostra uma entrevista de Malcolm Allison, há quatro golos do Sporting em Southampton para rever, numa excelente exibição internacional de Manuel Fernandes, Oliveira, Jordão, Freire e companhia. Tempos de muita ambição no futebol do Sporting, numa temporada em que a equipa leonina atingiu os oitavos-de-final da Taça UEFA, ganhou o campeonato nacional, ganhou a Taça de Portugal e, na época seguinte, com António Oliveira com treinador-jogador, venceu a Supertaça Cândido Oliveira e alcançou os quartos-de-final da Taça dos Clubes Campeões Europeus. Passaram 27 anos.

sábado, 25 de abril de 2009

Desperdício leonino

O Sporting venceu mais um jogo, desta vez por 2-1, sobre o Estrela da Amadora, cumprindo a sexta vitória consecutiva - a melhor série de jogos ganhos pela equipa leonina nesta Liga, facto que confirma mais uma boa ponta final. da equipa e, em particular, de Lidson, que voltou a ser decisivo.
Só é pena que o atraso em relação ao FC Porto seja tão grande. E esse atraso é grande, também pelo desperdício de alguns pontos, em particular na primeira volta. Uma tendência para o desperdício que o Sporting também revelou nesta partida com o Estrela da Amadora, pois não marcou uma série de golos, tendo passado ao lado de uma goleada. E por não ter acabado com o jogo mais cedo, foi preciso sofrer até ao fim. Isto num jogo com uma arbitragem, mais uma vez, provocatória, tendo ficado na retina, pelo menos, três faltas sobre o massacrado Liedson, susceptíveis, inclusive, de sanção disciplinar, mas face às quais o homem do apito fez vista grossa. Vista grossa que não teve para mostrar um cartão amarelo a Anderson Polga, tão injusto como a magem mínima da vitória, numa partida lenta, que o Sporting poderia ter resolvido com mais golos, uma vez que, sempre que a equipa de Paulo Bento acelerava, era quase certa mais uma oportunidade de golo. Pena é que o conjunto não tenha acelerado muito.

O FC Porto e a protecção dos jogadores criativos

E sobre esta patada na coxa de João Moutinho, no Sporting-FC Porto para a Liga 2007-2008, em Alvalade, pela qual o árbitro Carlos Xistra só viu motivo para um cartão amarelo a Bruno Alves, a SAD do FC Porto emitiu algum comunicado em defesa dos jogadores criativos?...

quinta-feira, 23 de abril de 2009

O reinado de Pinto da Costa

Amado e odiado, Pinto da Costa é presidente do FC Porto há 27 anos. Quando ele chegou, o futebol português era dominado pelo Sporting e pelo Benfica. Em 27 anos instituiu uma democracia musculada e colocou o clube da cidade do Porto no topo. É esse o problema dos clubes de Lisboa. O nosso problema.
O sucesso do FC Porto é, portanto, um sucesso de Pinto da Costa. Não faltarão analistas que agora teçam rasgados elogios à gestão do “Papa” nortenho. Mesmo entre aqueles que já levaram uma tareia dos famigerados capangas. Outros já não estão entre os vivos para recordar esses tristes episódios, que, a juntar à "fruta" e outras sobremesas, ilustram a face negra da ascensão portista.
É evidente que Pinto da Costa é um grande gestor desportivo. O melhor que há em Portugal, a comprar e vender jogadores e a gerir um balneário. E do melhor que há no mundo. Mas também é evidente que deitou a mão a todos os meios para alcançar os seus fins. A verdade é que, com arbitragens como as do último fim-de-semana, em Guimarães e em Coimbra (para dar um exemplo paradigmático e recente), é muito mais fácil ganhar títulos e construir um grande clube, que agora inaugura um pavilhão e já pensa numa piscina e num museu. Para ser o maior clube em Portugal e um dos maiores da Europa.
Enquanto isso, o Benfica vive de um passado que já está no museu da história, pensando que ainda tem Eusébio e companhia no plantel principal, e o Sporting, que diz querer agarrar o futuro, anda embrulhado em VOMC’s, em planos de reestruturação financeira, em referendos, em património imobiliário... Tudo assuntos complicados que só afastam os adeptos dos estádios e dos clubes. Assuntos complicados que não existem no clube de Pinto das Costa. Porque a sigla FCP quer dizer Futebol Clube do Porto.

O Pedroto do Sporting

"Paulo Bento é o Pedroto do Sporting."
Rui Oliveira e Costa, no programa "Trio de Ataque", RTP

Um excelente retrato do Sporting actual

Diversas reuniões, alargadas, restritas, secretas, sigilosas e, certamente, muito desgastantes e com um nível de ansiedade elevado, têm ocorrido nos mais variados locais do Distrito de Lisboa. Verdadeiros conclaves, das mais variadas sensibilidades afectas ao Sporting e de onde, até agora, tem saído muito fumo negro.
A não gosta de B, que por sua vez não gosta de C mas gosta de D e exigem E.
A e B partilham da mesma visão, C e D mais ou menos e E e F têm uma concepção oposta.
A quer avançar mas não pode, B pode mas não quer e C só avança se for acompanhado de D e E.
A traz votos, B tira votos, C tem anti-corpos, D não é conhecido o suficiente, E seria fantástico e F está farto e quer ir embora!
A conhece os cantos à casa e assusta-se com o que sabe, B não conhece e assusta-se com o que não sabe, mas ouve falar, C conhece mas não se assusta e D não conhece e não se assusta.
Projecto de ideias e de alternativas. De continuidade e de ruptura. Mas, a bem do Sporting, com... tranquilidade. Grupos e grupinhos com vários pontos em comum: amor ao Clube e preocupação quanto ao seu futuro. Aconteça o que acontecer, a necessária renovação impõe-se.
Gavazzo, blog "Centúria Leonina", 20-04-2009

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Tempo perdido em Alvalade

Forçado pela circunstância de ter saído derrotado na última assembleia geral do Sporting, que impediu a instituição do referendo como meio de consulta aos sócios, Filipe Soares Franco desistiu de submeter o plano de reestruturação financeira a uma assembleia geral tradicional, que seria realizada a poucas semanas do acto eleitoral para os órgãos directivos do clube. Agora, sim, Soares Franco coloca a questão da reestruturação financeira no lugar certo, submetendo-a às eleições. Mais democrático não poderia ser, embora contra a sua vontade inicial. Isto é: os candidatos que se apresentarem a eleições terão que apresentar também um plano de gestão financeira no seu programa eleitoral. E os sócios, ao escolherem o futuro presidente já sabem com o que poderão contar. Sendo certo que Soares Franco, ou o candidato apoiado por ele, já tem um plano, falta saber quais são os planos alternativos.
Isto só vem dar razão ao LEÃO DA ESTRELA quando, logo no dia em que Filipe Soares Franco anunciou que não se recandidatava a novo mandato, em Janeiro último, aqui defendeu a antecipação das eleições. Mas Soares Franco tentou ser presidente em pleno até ao último dia, como disse. Um erro político e muito tempo perdido, como agora se confirma.
O que vale é que o Sporting Clube de Portugal ainda é muito grande. Candidatos a candidatos não faltam. Pedro Souto, Pedro Moraes (o único que, na única entrevista que deu, apresentou uma solução de gestão alternativa, propondo a criação de uma fundação, que, curiosamente, ninguém quis debater, a começar pela comunicação social…), Paulo Cristóvão, e, agora, Carlos Barbosa (um bom nome). Para além, claro, do sempre disponível Menezes Rodrigues…

Obs. - Parece que o árbitro Bruno Paixão não escreveu no seu relatório tudo o que viu e ouviu de Paulo Bento, que, assim, foi punido apenas com uma repreensão escrita e 500 euros de multa. O que só confirma a consciência pesadíssima de um árbitro vendido a um sistema que "mete nojo"...

segunda-feira, 20 de abril de 2009

João Moutinho renova até 2014

O Sporting comunicou hoje à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) a renovação do contrato de trabalho desportivo com João Moutinho, o qual passará a vigorar até ao dia 30 de Junho de 2014. A cláusula de rescisão foi fixada em 22,5 milhões de euros e, em contrapartida, Moutinho prescindiu do direito a receber 10% de uma futura transferência, bem como do direito a receber o montante correspondente a 10% de uma eventual proposta, superior a 15 milhões de euros, que a Sporting SAD viesse a declinar. Uma boa notícia para o futebol leonino. FOTO: "Record Online"

Por um novo contrato com Derlei

O Sporting Clube de Portugal só será uma boa escola de formação de jogadores quando tratar bem dos seus jogadores mais velhos, aproveitando-os totalmente até ao fim das suas carreiras, como exemplos inspiradores dos mais novos. Infelizmente, nos últimos 20 anos são muitos os casos de jogadores que foram referências do futebol do Sporting que terminaram as suas carreiras noutras paragens ou em litígio com o clube. Recordo alguns nomes registados na memória: Manuel Fernandes, Jordão, Oceano, Yordanov, Ricardo Sá Pinto, Pedro Barbosa, João Pinto…
Vem isto a propósito de Derlei. Não é uma referência histórica do Sporting, mas soube, em pouco tempo, tornar-se numa referência da actual equipa do Sporting. Com 34 anos, já teve o discernimento necessário para concluir que o seu fim está próximo e até já admitiu acabar a carreira no final desta época. Mas, pelo que se vê em campo, Derlei ainda tem condições para dar muito ao Sporting. Por isso, o LEÃO DA ESTRELA convida os sportinguistas a assinarem esta petição online, que preconiza a renovação do contrato com o avançado luso-brasileiro. Nesta segunda-feira, a iniciativa do sportinguista Tiago Marques, de Aveiro, registava 196 signatários.

domingo, 19 de abril de 2009

A roubalheira de Guimarães a Coimbra...

Em Guimarães, tivemos um pseudo-árbitro chamado Bruno Paixão a anular um golo limpo ao Sporting, ao inventar uma falta que teria ocorrido momentos antes de Daniel Carriço marcar aquele que seria o primeiro tento da equipa leonina, à beira do intervalo. Note-se que Bruno Paixão viu todo o lance entre Daniel Carriço e Gregory, não viu nada de anormal, deixou seguir, voltando atrás quando viu que o jogador leonino tinha marcado golo. Escandaloso!
Curiosa é a unanimidade dos chamados técnicos de arbitragem de jornal “O Jogo”, que consideram o golo bem anulado. Mesmo admitindo que Daniel Carriço cometeu “pé em riste” (quando o seu adversário levantou o pé á mesma altura, numa normal disputa de bola), os peritos de arbitragem contratados por Joaquim Oliveira esqueceram-se de um pormenor: Bruno Paixão só viu irregularidade momentos depois, quando o jogador leonino já tinha rematado com êxito para a baliza do Guimarães e sem que nenhum jogador vimaranense tivesse protestado...
Em Coimbra, também à beira do intervalo, na marcação de um livre a favor da Académica, o portista Rui Meireles cortou uma bola com a mão dentro da área. Foi à vista de toda a gente, mas o pseudo-árbitro Olegário Benquerença não viu nada. Era grande penalidade indiscutível. Até o pessoal da “Sport TV” viu grande penalidade!...
O jogo estava empatado a zero e o FC Porto, sem soluções, perante uma Académica confiante, corria o sério risco de ir para o intervalo em desvantagem. Se perdesse o jogo, o FC Porto veria a sua vantagem pontual sobre o Sporting reduzida para um ponto. No segundo tempo, a equipa de Jesualdo Ferreira lá resolveu o problema, consolidando a liderança, como dirão os títulos dos jornais. O Fc Porto ganhou por 3-0. O terceiro golo foi marcado a partir de um fora-de-jogo de metros...
E assim se fazem campeões em Portugal. Neste fim-de-semana, o velho “sistema” voltou a mostrar a sua raça mafiosa. A roubalheira da canalhada que manda nos árbitros vai definindo quem ganha e quem perde. O futebol português como espectáculo e como indústria é uma brincadeira de muito mau gosto. Não há volta a dar. Será que o presidente do Sporting tem coragem de beliscar os interesses do FC Porto, dizendo alguma coisa a dizer sobre isto? Ou terá de ser o treinador Paulo Bento, de novo, a dar o peito às balas?... FOTO: AFP - Getty Images

sábado, 18 de abril de 2009

Paulo Bento por tempo indeterminado, já!




CARTA ABERTA A SOARES FRANCO


Exmo. Sr. Presidente do Sporting, Dr. Filipe Soares Franco,
Na próxima segunda-feira, esqueça, por um dia, o seu plano de reestruturação financeira e, naquela hora que costuma dedicar ao Sporting, chame o treinador Paulo Bento ao seu gabinete, no Edifício Visconde de Alvalade, e apresente-lhe uma proposta de renovação de contrato por tempo indeterminado. Julgo que não é preciso explicar porquê. Toda a gente viu e, sobretudo, ouviu esta noite, a partir de Guimarães. E há uma razão política: a canalhada que manda no futebol português precisa de saber que o Sporting está cem por cento ao lado do seu treinador e que se identifica com a sua revolta.
Estou à vontade, porque eu até nem tinha grande simpatia pelo treinador, sobretudo, pelo seu conservadorismo na arrumação da equipa, por uma notória falta de ambição que leva a equipa a defender vantagens mínimas, a esconder-se num futebol nada agradável e a mostrar duas faces ao longo de um jogo. Mas o que tenho visto nesta época tem sido demais. Paulo Bento tem defendido o Sporting como um verdadeiro Leão. Paulo Bento é muito mais do que o nosso Alex Ferguson. E isso, como já reconheci neste blog, deve-se, em primeiro lugar, ao senhor presidente. Paulo Bento é hoje o rosto do Sporting no País do futebol. Aliás, já era há muito tempo. Por isso, e por entender que só os burros é que não mudam de opinião, como dizia Mário Soares, penitencio-me por ter escrito algumas vezes que o ciclo de Paulo Bento tinha terminado. Até porque a equipa mostra que está com com ele, depois dos altos e baixos já vividos.
Há ainda outra razão: de uma época para outra não pode mudar tudo no Sporting, desde a direcção ao treinador. Por isso, em caso de grandes mudanças ao nível dirigente, Paulo Bento está em excelentes condições de garantir uma transição pacífica que garanta um mínimo de estabilidade ao futebol do Sporting.
Saudações Leoninas,
O editor do LEÃO DA ESTRELA

Vitória contra tudo e contra todos em Guimarães

Por força de um Guimarães muito aplicado e de uma arbitragem de Bruno Paixão que roubou um golo limpo no fim da primeira parte, quando as equipas ainda estavam empatadas a zero, o Sporting ganhou contra tudo e contra todos no Estádio D. Afonso Henriques, mantendo a pressão sobre o FC Porto e, sobretudo, mantendo o Benfica à distância de quatro pontos (se os encarnados conseguirem ganhar ao Vitória de Setúbal).
A primeira parte do Sporting foi muito boa, não terminando com a vantagem leonina no marcador porque o árbitro Bruno Paixão, que até estava a fazer uma boa arbitragem, anulou um golo limpo a Daniel Carriço, já no período de descontos. Foi só mais um golo limpo que este ano foi anulado ao Sporting, a juntar a outros, um deles contra o mesmo Vitória de Guimarães, em Alvalade, na primeira volta.
Desta vez, Bruno Paixão viu o lance entre Carriço e o defesa vimaranense (uma disputa de bola dentro da área em que os dois jogadores levantam o pé à mesma altura dentro do aceitável), nada viu de anormal (como se vê nas imagens televisivas) e só anulou apitou para assinalar uma pretensa falta do atleta do Sporting depois de ele ter dado dois ou três passos e ter rematado para o fundo da baliza. Um golo invalidado de forma escandalosa, que poderia ter custado três pontos ao Sporting.
A equipa leonina recolheu aos balneários depois de uma primeira parte afirmativa, com grande atitude, fazendo um jogo de sentido único em direcção à baliza vimaranense na maior parte do tempo. Pecou apenas na finalização, em particular nos primeiros minutos, que foram muito fortes. A sorte também não quis nada com os jogadores leoninos, que viram dois remates devolvidos pelo poste e pela barra da baliza minhota. Do lado contrário, em dois remates perigosos (num deles na sequência de um contra-ataque que apanhou a equipa leonina de surpresa), o jovem guarda-redes Rui Patrício esteve à altura das exigências realizando duas excelentes intervenções.
No segundo tempo, o Guimarães inaugurou o marcador aos 56’, por Roberto, num golpe de cabeça, aproveitando a passividade dos defesas leoninos. Era o corolário de um Vitória de Guimarães mais rápido sobre a bola, enquanto o meio-campo sportinguista se afundava. O Sporting demorou a reagir e a equipa, não obstante procurar empurrar o Guimarães para trás, revelava deficiências na definição dos lances no último terço do campo. Pelos 65’, Paulo Bento protestava de uma decisão de Bruno Paixão (que, aos 47’, mostrara um cartão amarelo sem motivo a João Moutinho) e era expulso.
Sem o treinador em campo, a equipa foi batalhando, até que, a entrada de Ronny para o lugar de Caneira acabou por ser providencial, pois partiram dos pés do jovem brasileiro alguns lances perigosos, um dos quais, aos 80’, proporcionou um golo a Derlei. O Vitória de Guimarães só defendia e dava sinais de esgotamento. Antes do apito final, Derlei e Liedson inventaram a reviravolta. Uma vitória contra tudo e contra todos, num jogo em que o Sporting começou bem, dando sinais de que estava ali para ganhar, e acabou melhor. FOTO: (AFP - Getty Images)

Derrota de Franco, boa imprensa e alternativa

A direcção de Filipe Soares Franco precisava de uma maioria qualificada de 75 por cento dos votos expressos e obteve 72,45 por cento. A direcção de Filipe Soares Franco precisava do voto favorável de 75 por cento dos 1996 sócios presentes na assembleia geral, mas só conseguiu convencer 69,7 por cento dos associados.
Números são números, como muito bem sabem os gestores do falhado “Projecto Roquette” e os seus apaniguados, que são incansáveis na produção de observações intoxicantes nas caixas de comentários da blogosfera. Se não conseguiu a percentagem necessária de votos e de associados favoráveis, Soares Franco perdeu. Ponto final. Foi uma derrota à justa, mas foi uma derrota. Como num jogo de futebol, basta a diferença de um golo para ganhar ou perder o jogo. Soares Franco perdeu por um golo de diferença. Pode ter jogado bem, pela propaganda que difundiu, mas perdeu. Não ganhou a taça, ficou com a vitória moral.
Mas a derrota não é apenas de Franco. A “boa imprensa”, que está sempre ao lado das pretensões da direcção do Sporting (e que raramente está tão ao lado da equipa de futebol leonina…), também sofreu uma derrota que deverá envergonhar os bons profissionais que ainda trabalham nas redacções. Para além de “O Jogo”, que trabalhou muito a telefonar para os núcleos “ressuscitados” do Sporting, é preciso lembrar que “A Bola”, a quem, por causa da sobrevivência do Benfica, convém um Sporting a caminho da extinção, até mobilizou o seu director, Vítor Serpa, para entrevistar José Roquette. E o benfiquista José Manuel Delgado – da direcção de “A Bola” –, até escreveu um editorial, onde falava numa “noite histórica para o Sporting”, onde os sócios do clube iriam escolher “entre uma visão mais pragmática e realista e outra, romântica e saudosista, que rema contra a maré dos tempos”. Como se não fosse possível adaptar uma gestão desportiva competitiva, com razão e coração, às exigências dos novos tempos...
O “Record”, por seu lado, foi ouvir José Filipe Nobre Guedes, definido como “o homem do projecto” de Soares Franco, destacando-lhe uma frase interessante para captar a atenção dos sócios que só ligam ao futebol: “Investir no futebol em vez de pagar ao banco”. Porreiro, pá!, como diria o outro.
É por isso que os 30,3 por cento dos associados do Sporting que não foram atrás das teorias manipuladoras da imprensa do regime merecem respeito e atenção. E merecem, sobretudo, um líder que indique à nação sportinguista qual é o caminho alternativo. O que terá de acontecer, forçosamente, antes da próxima assembleia geral de 8 de Maio. Para que o voto dos sportinguistas descontentes deixe de ser um voto eminentemente negativo, um voto de um grupo de opositores internos, e se transforme num voto positivo que encha de esperança a enorme nação sportinguista.
A chamada “oposição leonina” tem de deixar de “votar contra” para passar a votar a favor de alguém. Se no próximo dia 8 de Maio não existir essa alternativa e esse projecto alternativo, para que todos os sportinguistas, de uma forma muito clara, saibam quais são os dois caminhos em aberto, então, o melhor será deixar Soares Franco ir sozinho a eleições... Ele ou outro "príncipe herdeiro"...

Sócios chumbam referendo

Apesar da forte campanha mediática em favor das suas teses, o presidente do Sporting, Filipe Soares Franco, voltou a sofrer uma derrota em Assemblea Geral (AG), ao não ter obtido a maioria qualificada de 75 por cento dos votos que era necessária para aprovar uma norma transitória nos estatutos do clube que iria introduzir a figura do referendo (sem o período de debate que as assembleia gerais tradicionais contemplam), como meio de aprovar medidas importantes para a vida do clube, como, por exemplo, o plano de reestruturação financeira.
Esta noite, reunidos na Sala Tejo do Pavilhão Atlântico, em Lisboa, os sócios do Sporting chumbaram a possibilidade de a reestruturação financeira proposta por Soares Franco ser votada em referendo. Apesar de 72,45 por cento dos votos expressos em Assembleia Geral terem sido favoráveis à realização de referendo, a AG que servirá para aprovar a proposta vai realizar-se nos moldes tradicionais.
Para que o referendo fosse aprovado, era necessário que a proposta de Franco tivesse alcançado três quartos dos votos, o que implicaria uma percentagem de 75 por cento. Com 10.270 votos a favor e 3.781 contra, o referendo ficou a curta distância de ser aprovado. A este universo de votos corresponde um total de 1996 votantes, tendo cada qual números diferentes de votos consoante a antiguidade de filiação.
Entre os sócios presentes, o percentual de aprovação foi ligeiramente inferior, ao ter recolhido 69,7 por cento dos votos, igualmente abaixo dos 75 por cento, enquanto a percentagem de sócios presentes que chumbaram a introdução do referendo foi de 29,3 por cento.
Esta foi a segunda derrota do presidente leonino em menos de um ano. A outra tinha sido em 28 de Maio de 2008, como se recorda aqui. É talvez por isso que Soares Franco não gosta nada de reunir com os associados em assembleia geral, como confessou há dias, no debate com Dias da Cunha.

sexta-feira, 17 de abril de 2009

A vida nova de Ana Sofia

Ana Sofia, ex-companheira de Yannick Djaló, de quem tem um filho nascido há meses, decidiu tornar a sua vida mais mediática. E o corpo também. No fundo, está a seguir as pisadas de outra leoa, agora muito conhecida e solicitada no "jet set" nacional: Filipa Castro, ex-mulher do antigo defesa-central sportinguista Beto. A nova carreira de Sofia - que já garantiu de Djaló uma verba entre 1.000 e 2.500 euros mensais para sustentar o filho, segundo revelou a propria - promete. Para começar, a moça será capa da revista "J", que acompanha o diário "O Jogo", neste domingo.

Em Guimarães para ganhar

"Não podemos acabar em 3º lugar na Liga. Estamos na luta pelo primeiro lugar, mas aquilo que garantimos nesta fase é o segundo. Se perdermos esta posição será unicamente responsabilidade nossa. Neste momento estamos em segundo e podemos chegar ainda ao primeiro. É na adversidade que se vêem as grandes equipas. Temos a responsabilidade de estar motivados para isso."
Paulo Bento sobre as expectativas do Sporting em relação à Liga 2008-2009

O Leão mostra a sua raça...

quarta-feira, 15 de abril de 2009

O génio de Cristiano Ronaldo

Os grandes jogadores são assim. Num gesto improvável e repentino, Cristiano Ronaldo arrancou um remate fantástico, quase a 40 metros da baliza de Helton, e decidiu a passagem do Manchester United às meias-finais da Liga dos Campeões, deixando pelo caminho um FC Porto que prometera muito em Inglaterra, mas que não conseguiu cumprir no Dragão.
O FC Porto confirma o estatuto de melhor equipa portuguesa, sendo a última a deixar a Europa. Isto no ano em que o Sporting, também na Liga dos Campeões, conseguiu reunir numa só eliminatória o melhor e o pior de sempre: alcançou, pela primeira vez, os oitavos-de-final, mas não resistiu ao Bayern de Munique, tendo sofrido as duas goleadas mais pesadas da sua história europeia. Na UEFA, o Sporting de Braga também caiu nos oitavos-de-final, mas caiu de pé. Já o Benfica - que foi o clube português que mais investiu na compra de jogadores - foi uma desilusão.
Estamos em Abril e a temporada vai sendo definida para as equipas portuguesas, que agora só têm compromissos internos. O FC Porto tem uma vantagem de 4 pontos sobre o Sporting para gerir nas seis jornadas que restam da Liga. E tem ainda a Taça de Portugal, onde é superfavorito. O Benfica está fora da Taça de Portugal, ganhou a Taça da Liga da forma que todos sabemos e, na Liga, tudo indica que voltará a classificar-se abaixo do segundo lugar e atrás do Sporting, pelo quarto ano consecutivo.
O Sporting, que também ficou pelo caminho na Taça de Portugal e voltou a perder a Taça da Liga no desempate por grandes penalidades, conquistou a Supertaça Cândido de Oliveira, tendo hipóteses matemáticas de ser campeão nacional, embora dependa de um trambolhão portista. Se não for campeão, o Sporting atravessará os 12 meses de 2009 sem festejar qualquer título nacional, como aconteceu nos anos de 2003, 2004, 2005 e 2006. FOTO: PA Photos

"O Jogo" de Joaquim Oliveira

O jornal “O Jogo”, do accionista leonino e “patrão” do futebol português Joaquim Oliveira, continua a sua campanha em favor das teses defendidas por Filipe Soares Franco para a gestão do Sporting Clube de Portugal. O que só surpreende quem andar distraído.
É evidente que, para “O Jogo”, com sede no Porto, interessa um Sporting como está: dependente dos bancos, conivente com o “sistema”, sentado nas tribunas ao lado dos dirigentes que foram apanhados nas escutas telefónicas e pouco ambicioso no plano desportivo (contentando-se com umas taças que sobram). Basicamente é este o desígnio do FC Porto para o seu concorrente verde, na sua caminhada triunfal, que visa, a curto prazo, ultrapassar o Benfica em termos de conquistas nacionais. É o pouco que falta para tornar o clube de Pinto da Costa na força mais vitoriosa da história do futebol português. FC Porto que era terceiro no "ranking" do futebol português quando Pinto da Costa assumiu o poder...
No seu trabalho em prol da causa, os jornalistas de “O Jogo” – que fazem o melhor que sabem dentro daquilo que podem fazer – resolveram, num acto inédito, contactar com os núcleos do Sporting Clube de Portugal espalhados pelo País e pelo Mundo, perguntando-lhes se concordam com as assembleias gerais referendárias. É claro que concordam. Todos os sportinguistas concordam com a possibilidade de referendar uma decisão importante para a vida do clube. E a resposta concordante dos núcleos, porque é muito importante para o “regime leonino”, é devidamente ilustrada com um mapa (ver imagem), que já é publicado pela segunda vez em poucos dias.
O trabalho teve o mérito de mostrar a grandeza do Sporting. O problema é que as respostas dos núcleos são grosseiramente manipuladas de modo a darem a ideia de que há consenso na nação sportinguista quanto às propostas de Soares Franco para a gestão do clube.
Mas “O Jogo” não fica por aqui na manipulação notoriamente controlada a partir da central de propaganda de Alvalade. E como acontece na edição desta quarta-feira, o jornal de Joaquim Oliveira abre as suas páginas às justificações de figuras que eram contrárias às teses de Franco e que agora estarão ao lado do presidente cessante. Se mesmo assim não conseguir os tais 75% de sócios presentes e de votos, na assembleia geral do dia 17, Soares Franco ficará com fortes motivos para se fartar de vez desta vida de presidente incompreendido.

O debate leonino

"Jornal de Notícias", 15-04-2009

terça-feira, 14 de abril de 2009

As raízes, a tradição e a história do Sporting

“O Sporting tem-se distinguido também por um trabalho activo e permanente pela valorização do futebol português a nível da transparência dos seus mecanismos, da credibilidade competitiva, da modernização das estruturas e da aplicação de formas de gestão adaptadas às realidades e exigências actuais.
Somos primeiros em soluções empresariais que inevitavelmente se irão impor. A evolução do sistema de organização e do profissionalismo da Sporting SAD, sem nunca perder de vista as raízes, a tradição e a história do Sporting, vai fazer com que o clube se reencontre com as grandes vitórias. Estamos seguros disso. (…)
Estamos conscientes de que o caminho traçado não é fácil, mas é o único compatível com a realidade e as exigências actuais do desporto de alta competição. Um Sporting moderno e virado para o futuro será certamente um Sporting à altura das suas tradições e de um passado glorioso. Mais do que nunca, mobilizados pela crescente solidez do clube e do projecto em fase de concretização, os sportinguistas têm de percorrer juntos este caminho.”
José Roquette, “Livro de Ouro do Sporting Clube de Portugal”, Edição “Diário de Notícias”, 2000

Roquette, o poder no Sporting e as tentações

“Porque realmente é outra vantagem competitiva do Sporting: são os sócios, reunidos em Assembleia Geral [AG], que são a sede do poder no clube. Quando não é assim há sempre manipulações de poder. Se fizer a história das decisões que foram tomadas nos últimos anos, verá que, repetidas vezes, e muitas delas sem necessidade, nós pusemos à apreciação dos sócios as decisões fundamentais a serem tomadas. Isso aconteceu com o património imobiliário, até mais que uma vez – de maneira que os sócios poderiam até dizer “nós já decidimos isto, já foi aprovado”. Mas nós entendíamos, e entendemos, dever marcar muito bem este caminho. A sede do poder, por cultura interna, tem de ser a AG. Assim se evitam muitas tentações e, até, manifestações desadequadas fora da AG do clube.”
José Roquette, presidente do Sporting, “Record”, 11-07-1999

segunda-feira, 13 de abril de 2009

O que fica do Projecto Roquette

"Considerando que o Dr. Soares Franco era o nº 2 da estrutura do clube, no decurso do mandato do Dr. Dias da Cunha, toda e qualquer crítica assacada à gestão deste enquanto presidente do Sporting Clube de Portugal deverá, igualmente, ser entendida como uma crítica à sua própria gestão enquanto membro integrante de uma equipa directiva."

"Ficaram, finalmente, expostas as reais “virtudes" do projecto Roquette e dos seus executantes: falta de solidariedade institucional, manobras de bastidores, jogos de interesses em proveito próprio, afastamento dos sócios do clube e, hoje, 280 milhões de razões para se definir somente um prejudicado: o Sporting Clube de Portugal."

Comunicado da Associação de Adeptos Sportinguistas sobre o debate Soares Franco-Dias da Cunha, 13-04-2009

domingo, 12 de abril de 2009

Um debate que ninguém ganhou

O debate na SIC Notícias entre Filipe Soares Franco e António Dias da Cunha, os dois responsáveis máximos do Sporting Clube de Portugal nos últimos nove anos, foi realizado fora do tempo certo, que teria sido há quatro anos. Realizado nesta altura, quando Soares Franco afirma que não se recandidata e depois de Dias da Cunha, que também não é candidato, ter dito que o seu tempo já passou, deixou de ter sentido. A não ser que ambos tivessem algo para revelar que fosse extraordinário para o futuro do clube. O que não aconteceu.
O balanço é confrangedor. No fundo, tratou-se de uma sessão de lavagem de roupa suja, para a qual Soares Franco e Dias da Cunha se esqueceram de levar o detergente. Por isso, ambos perderam o debate. E o Sporting Clube de Portugal não ganhou nada. Antes pelo contrário.
A poucos dias de uma assembleia geral importante para o futuro do clube e a poucas semanas das eleições que vão determinar a escolha dos próximos dirigentes, era escusado recordar episódios pouco edificantes de há quatro anos – tais como as cartas que trocaram ou não trocaram ou as diligências que foram preparadas para que o substituto de Dias da Cunha (que inicialmente seria Ernesto Ferreira da Silva, que até precisava de uma “presidência” das comemorações do centenário do clube para ser conhecido) fosse combinado por sucessão dinástica no segredo dos gabinetes... Mais a mais, não conseguimos vislumbrar os grandes motivos por que António Dias da Cunha tanto tem atacado o carácter de Soares Franco.
Como ficou patente ao longo do debate, o Sporting – que há muitos anos está em declínio no plano desportivo e a lutar contra um défice que não pára de aumentar – é hoje uma coutada de umas elites distantes do balneário e da dimensão popular de um grande clube que não passam de agentes de negócios, hoje em representação dos interesses bancários. Só assim se explica que, durante uma hora de pretenso debate sobre “o futuro do Sporting”, tenhamos assistido a um triste espectáculo sobre bancos, buracos e afins - nada de desporto e de futebol - em que Soares Franco e Dias da Cunha pareciam dois contabilistas desavindos, que, a certa altura, certamente por não saberem das contas todas, até tiveram de citar Rui Meireles (um ex-funcionário do clube que foi despedido a peso de ouro). Com Soares Franco a colocar a cereja em cima de um bolo estragado ao revelar que Dias da Cunha “sacou 45 milhões da SAD”. Presume-se que para o clube e não para o próprio bolso. Mas só o facto de Franco se colocar ao lado da SAD contra o clube, acusando o seu antecessor de ter sacado (o nível da linguagem é delicioso…) dinheiro da SAD para o clube, ou perguntando-lhe quanto é que o clube deve à SAD, foram momentos susceptíveis de terem colocado em pé os cabelos de qualquer sportinguista. Do mesmo modo, causou perplexidade o facto de Franco não justificar o aumento do passivo, apesar da venda de património e de jogadores... Venda de património que tinha sido planeada pela direcção de Dias da Cunha, de quem Soares Franco era vice-presidente substituto...
Do futuro, e de futebol, que é suposto ser a actividade principal do Sporting Clube de Portugal, nem uma ideia, nem uma palavra. Está assim explicada a falta de militância da nação sportinguista, que não entende este discurso que o Sporting tem feito sair para o exterior, como se não fosse uma instituição desportiva. Para isso contribuem estes dirigentes, que não sabem como devem aproveitar uma hora de televisão para falar sobre o seu clube de modo a chamarem a atenção do seu público, que são milhares de associados e alguns milhões de adeptos e simpatizantes. E estamos a falar dos dois homens mais importantes do clube nesta década. O que também explica que o Sporting não esteja a recuperar o terreno perdido nas instâncias que governam o futebol em Portugal.
Depois deste debate entre Soares Franco e Dias da Cunha, torna-se claro para os sportinguistas que, com estes dirigentes, é uma sorte que ainda haja uma equipa de futebol que representa o Sporting Clube de Portugal, com jogadores como Lideson, João Moutinho, Daniel Carriço, Adrien Silva, Izmailov, Derlei, entre outros. E que com eles trabalhe um treinador chamado Paulo Bento, que, apesar de tudo, tem o mérito de ser também a voz do Sporting no futebol português. Para o nível que os dirigentes do Sporting têm revelado, já é muito bom ficar em segundo lugar, ir à Liga dos Campeões e ganhar umas taças de vez em quando.
Ou o próximo acto eleitoral lança na corrida candidatos que escapem a esta lógica dinástica ou o Sporting vai mesmo para o lugar do Belenenses em muito poucos anos.

sábado, 11 de abril de 2009

Três pontos e dois golos para Liedson

Ao ter empatado no Dragão a zero golos, na jornada 20, o Sporting perdeu a sua grande oportunidade de conquistar quatro pontos ao FC Porto e de manter a equipa portista sob forte pressão até à última jornada. De então para cá, Sporting e FC Porto têm ganho os seus jogos, mantendo-se uma diferença pontual de cinco pontos favorável aos nortenhos, que se torna cada vez mais difícil de anular à medida que a Liga avança para a sua ponta final.
Com o FC Porto isolado no comando da classificação – posição confirmada com a vitória sobre o Estrela da Amadora por 3-0 – e embalado pela motivação de mais um “tetra” e de uma boa campanha na Liga dos Campeões, o interesse da Liga Portuguesa, no que diz respeito aos chamados “grandes”, parece estar confinado ao “campeonato na Segunda Circular”. E aí o Sporting leva vantagem sobre o Benfica, aliás ampliada nesta jornada 24, em função da vitória leonina sobre a Naval 1º de Maio (3-1) e a derrota encarnada, na Luz, com a Académica de Coimbra (0-1).
Deste modo, o Benfica parece estar irremediavelmente afastado da luta pelo primeiro lugar, cabendo apenas ao Sporting manter acesa a chama do título – na esperança de uma hecatombe imprevisível do líder. De resto, será essa a melhor forma de garantir o segundo posto.
Nesta 24ª jornada, o Sporting venceu a Naval 1º de Maio num jogo pobre, em que o essencial, mas nada espectacular, aconteceu na primeira meia hora de jogo. Pereirinha abriu o activo (13’), mas logo de seguida (16’) Miguel Veloso imitou o portista Bruno Alves em Manchester e a equipa da Figueira da Foz empatou. Depois apareceu Liedson, que estivera na jogada do primeiro golo e que marcou o segundo (27’), num golpe de cabeça a desviar um livre apontado por João Moutinho. Na segunda parte, dois momentos de interesse que dizem tudo sobre o jogo: o golo da Académica, na Luz (que animou as bancadas de Alvalade, que não chegaram a acolher 20.000 pessoas), e o golo de Liedson, no último segundo dos descontos.
Valeu pelos três pontos e pelos dois golos de Liedson, que agora regista 10 marcados nesta Liga (uma média de 0,5 golo por jogo), estando a cinco do líder, o seu compatriota Nené, do Nacional. FOTO: Hugo Correia (Reuters Portugal Soccer)

Os maiores erros de arbitragem da época



Um painel criado pelo jornal “24 Horas”, constituído pelos jornalistas António Tadeia e João Malheiro, pelo comentador João Rosado e pelo ex-árbitro Jorge Coroado elaborou a lista dos 10 MAIORES ERROS DE ARBITRAGEM DESTA ÉPOCA. Cada elemento escolheu 10 casos.
O LEÃO DA ESTRELA registou os casos mencionados envolvendo SPORTING, FC PORTO e BENFICA e escalonou uma lista de benefícios e prejuízos das três equipas. Independentemente de outros casos não mencionados, a conclusão é clara: O SPORTING E BENFICA REGISTAM MAIS PREJUÍZOS, ENQUANTO O FC PORTO E BENFICA REGISTAM MAIS BENEFÍCIOS. Logo, podemos concluir que O SPORTING É O CLUBE MAIS PREJUDICADO. Veja o vídeo para conferir alguns casos exemplares, como os golos limpos anulados em Leiria e Vila do Conde, curiosamente não considerados pelo painel do "24 Horas". Outra conclusão: são casos de arbitragem a mais para tão pouco futebol. Assim vai o futebol português…

DECISÕES DA ARBITRAGEM EM PREJUÍZO DO SPORTING
- Lucílio Baptista, Sporting-Benfica, Taça da Liga
- Paulo Baptista, Sporting-Trofense, Liga
- Bruno Paixão, Sporting-FC Porto, Taça de Portugal
- Duarte Gomes, Sporting-V. Guimarães, Liga

DECISÕES DA ARBITRAGEM EM BENEFÍCIO DO SPORTING
- Jorge Sousa, Rio Ave-Sporting, Taça da Liga
- Bruno Paixão, Sp. Braga-Sporting, Liga

DECISÕES DA ARBITRAGEM EM PREJUÍZO DO FC PORTO
- Pedro Proença, FC Porto-Benfica, Liga

DECISÕES DA ARBITRAGEM EM BENEFÍCIO DO FC PORTO
- Bruno Paixão, Sporting-FC Porto, Taça de Portugal
- Pedro Proença, FC Porto-Benfica, Liga
- Paulo Costa, Sp. Braga-FC Porto, Liga
- Jorge Sousa, Paços de Ferreira-FC Porto, Liga

DECISÕES DA ARBITRAGEM EM PREJUÍZO DO BENFICA
- Pedro Proença, FC Porto-Benfica, Liga
- Pedro Henriques, Benfica-Nacional, Liga
- Elmano Santos, Belenenses-Benfica, Liga
- Carlos Xistra, Guimarães-Benfica, Liga

DECISÕES DA ARBITRAGEM EM BENEFÍCIO DO BENFICA
- Lucílio Baptista, Sporting-Benfica, Taça da Liga
- Paulo Baptista, Benfica-Sp. Braga, Liga
- Hugo Miguel, Estrela da Amadora-Benfica, Liga

O Sporting em debate na SIC Notícias

Será um debate com quatro anos de atraso, mas que continua mais actual do que nunca... Filipe Soares Franco e António Dias da Cunha, actual e anterior presidente do Sporting, vão mesmo estar frente a frente num debate televisivo, na SIC-Notícias, para falar sobre o clube. Será neste domingo de Páscoa, às 22h00.
O debate foi dado como anulado na sexta-feira, por indisponibilidade de Soares Franco, mas foi confirmado neste sábado que o programa vai mesmo realizar-se, estando todos os obstáculos ultrapassados. António José Teixeira, director da SIC-Notícias, explicou que se tratou “de um mal entendido” e que Soares Franco “reconsiderou” a sua participação no programa. Ainda bem.

sexta-feira, 10 de abril de 2009

Pedro Sousa Moraes: o Leão da Caparica

O jornalista Eugénio Queirós, que, na edição de hoje do jornal “Record”, assina uma entrevista exclusiva ao empresário Pedro Sousa Moraes, escreveu, a pedido do LEÃO DA ESTRELA, um depoimento sobre o novo candidato à presidência do Sporting Clube de Portugal:

Não conhecia Pedro Sousa Moraes. Um telefonema de um amigo com larguíssima experiência futebolística, hoje retirados das lides, questionou-me quanto à possibilidade de entrevistar alguém que pretende candidatar-se à presidência do Sporting: um empresário com residência em Lisboa e na Costa da Caparica. Fiz-me à estrada com tudo em aberto, na certeza, porém, de que não iria encontrar, à porta do convento dos Capuchos, em S. João da Caparica, um candidato de V5 e apenas folclórico.
Pedro Sousa Moraes escolheu a sua quinta, sobre a riba da Caparica, de seu nome "Casa do Robalo", para se apresentar. Fez logo questão de subir ao terraço para nos mostrar o estupendo horizonte que vai do Cabo da Roca ao Cabo Espichel. E depois, sim, deu-se a conhecer.
Rapidamente percebi que estava perante um sportinguista com grandes tradições e de qualidade inquestionável. Nesse aspecto ninguém o pode acusar de ser um paraquedista, o que nestas coisas é sempre importante...
Com 51 anos, Pedro Sousa Moraes é um homem de bem com a vida, com sucesso aparente nos seus negócios (de Angola ao Brasil) e com uma rede vasta de amigos, muitos deles do universo sportinguista.
Filho de boas famílias, com raízes em Tortosendo (região centro), o novo candidato, aos 19 anos, já conduzia um Porsche, oferecido por um tio também com grandes ligações ao Sporting, e não gosta de falhar um jogo em Alvalade. E mesmo fora de Alvalade.
Contou-me até a história do dia em que, com amigos, foi ver o Salgueiros-Sporting que confirmou o Sporting com o campeão, quando chegou à Mealhada e só então percebeu que se tinha esquecido dos bilhetes em casa (Lisboa) – uma operação a pisar todos os limites de velocidade permitiu que todos vissem o jogo, embora só tivessem entrado já com este a decorrer.
Pedro Sousa Moraes tem um projecto para o Sporting. Quer criar uma fundação que seja capaz de, concorrendo a empreitadas com o suporte inicial de mecenas, consiga gerar receitas para aplicar no futebol e na vida eclética do clube. "Quando os outros miúdos contavam carneiros para adormecer, eu fazia equipas do Sporting...", diz ainda sobre o seu sportinguismo, que estendeu aos quatro filhos, um deles a estudar no Porto.
Incomodado com alguns barões que residem há muitos anos no Conselho Leonino, que quer extinguir, e que não contribuem para o clube em nada, o novo candidato ao cadeirão de Alvalade integrou a lista de Sérgio Abrantes Mendes "por pura amizade" e aí percebeu como é difícil lutar contra o sistema... interno. "Mesmo assim tivemos 25% dos votos", acentua.
Agora parece que é a sério. Pedro Sousa Moraes não acredita que Pedro Souto se candidate, acha ridículo que lance uma candidatura à condição e mais motivado se vai sentir para ir em frente se Filipe Soares Franco também for candidato, como acredita que será.
Pedro Sousa Moraes respeita o trajecto de Dias da Cunha, mas não deixa de fazer algumas críticas, nomeadamente à forma como alguns jogadores foram, no seu entender, mal vendidos. Presidente durante 8 anos do Núcleo do Sporting da Costa da Caparica, onde quis lançar um projecto pioneiro, tendo quase conseguido adquirir o espólio de José Travassos, Pedro Sousa Moraes apresenta também um estilo de liderança presidencialista. "Serei eu e mais dez", diz, convicto de que terá de ser sempre ele a dar a cara, interagindo com o treinador, os jogadores e os sócios. Sócios que considera fundamentais para o futuro de um clube que vê ameaçado quando já se fala na extinção da figura dos mesmos, em detrimento dos accionistas da SAD.
O novo candidato quer ainda que o Sporting recupere o ecletismo que perdeu e é bem preciso quando identifica o principal rival: o Benfica. Enfim, gostei do que ouvi e senti pois é raro, nos tempos que correm, encontrar alguém tão entusiasmado com uma causa clubística, sobretudo alguém que podem podia aproveitar todo o seu tempo para desfrutar do sossego e da beleza da quinta do Robalo.
Eugénio Queirós, jornalista do “Record” e editor do blog Bola na Área (post especial para o LEÃO DA ESTRELA)
FOTO: "Record Online"

Um insulto aos sportinguistas

Filipe Soares Franco dá sinais de grande desorientação. Depois de ter acertado um debate com Dias da Cunha na SIC-Notícias, na noite deste domingo de Páscoa, deu o dito pelo não dito e só se manifestou disponível para ir ao debate no próximo dia 17 de Abril - sim, no dia da próxima assembleia geral, a tal que é decisiva para o futuro do clube. Isto depois de ter atacado duramente Dias da Cunha, responsabilizando-o pela subida galopante do défice leonino, entre 2000 e 2005. Como se Filipe Soares Franco nunca tivesse participado na equipa directiva de Dias da Cunha. E como se nessa altura o Sporting não tivesse investido na construção da Academia de Alcochete e do novo Estádio José Alvalade (um passo que, sabemos agora, foi um exemplo do novo-riquismo português e de cedência ao lóbi dos empreiteiros e afins, tendo sido mais um erro histórico do clube, uma vez que o velhinho e emblemático Estádio de Alvalade, bem remodelado, custaria muito menos dinheiro).
A questão é que Soares Franco, ao acusar Dias da Cunha pelo aumento do défice, está, em primeiro lugar, a acusar-se a si próprio, porque os sportinguistas não lhe conhecem nenhuma crítica ou nenhuma chamada de atenção para eventuais erros de gestão que partilhou com o líder Dias da Cunha. E Soares Franco estava lá, à espreita de subir ao poder, claro, e talvez pouco interessado nos altos interesses do Sporting. Como esta acusação bafienta a Dias da Cunha demonstra na plenitude.
Agora, ao fugir ao debate, alegando que o dia de Páscoa é para a família e mostrando-se disponível para ir à SIC só no dia 17, o tal dia da reunião magna dos associados, está a insultar a inteligência dos sportinguistas. Soares Franco, que já disse que ia embora, mas que, afinal, não quer nada ir embora ou quer deixar a cama prontinha para quem vier a seguir, está a passar das marcas.

quinta-feira, 9 de abril de 2009

A democracia é uma enorme chatice

PRÉMIO A DEMOCRACIA É UMA ENORME CHATICE

"Até ao dia 31 de Maio de 2009 e em data a designar pelo Conselho Directivo [do Sporting CP], será realizada uma Assembleia Geral a reunir em sessão extraordinária. A Assembleia Geral referida funcionará em moldes semelhantes aos previstos nos Estatutos para a Assembleia Geral Eleitoral, ou seja, sem período destinado a debate, procedendo-se, apenas, a votação por voto secreto da proposta apresentada."
Comunicado da Sporting SAD à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), 06-04-2009

terça-feira, 7 de abril de 2009

O segredo do FC Porto

O FC Porto empatou em Manchester (2-2) e tornou-se num sério candidato à conquista da Liga dos Campeões 2008-2009. Depois da extraordinária exibição em Inglaterra, tudo pode acontecer. E se o FC Porto conquistar a Liga dos Campeões, ultrapassa o Benfica ao nível das conquistas europeias, o que será uma ambição secreta de Pinto da Costa, tornando o clube nortenho na maior força internacional do futebol português.
O FC Porto teve um arranque de jogo avassalador, silenciou Old Trafford, actuou como se estivesse no Estádio do Dragão e controlou as operações até ao fim. Também cometeu erros (o de Bruno Alves foi fatal), mas soube reagir com personalidade e força colectiva, que também se demonstra nos maus momentos. Em suma, o FC Porto revelou fibra, revelou estatura europeia e qualidade de campeão.
Este sucesso europeu do FC Porto ganha ainda mais significado no ano em que o Sporting foi humilhado pelo Bayern da forma que todos sabemos e também no ano em que o Benfica não obteve uma única vitória na fase de grupos da Taça UEFA, tendo sido também humilhado por uma equipa grega cujo nome não me ocorre.
O exemplo do FC Porto contradiz a opinião de muitos teóricos, segundo os quais não é possível ter mais do que uma equipa portuguesa que seja competitiva no plano internacional. É evidente que é possível, desde que haja organização e trabalho, muito trabalho.
O FC Porto jogou e correu porque trabalha durante a semana. O FC Porto calou Manchester porque o seu departamento de futebol cuida de todos os pormenores que rodeiam os jogadores. Se têm o cabelo grande, eles cuidam de mudar o corte (reparem como Cristiano Rodriguez já não tem a cabeleira que exibia em Lisboa…). Se há jogadores com mais apetência para a diversão nocturna, há um “cão de guarda” (é assim que é carinhosamente conhecido) que cuida de vigiá-los para que recolham a casa à meia-noite (no caso, a função é de João Pinto, que só é treinador-adjunto para “trabalhar” a vida dos jogadores). Se há um jogador que demonstre um comportamento mais estranho ou menos consentâneo com a “cultura de vitória” que se respira no clube, há um psicólogo que entra na vida do atleta. Tudo isto é invisível, mas tudo isto é real, fazendo do FC Porto um clube de sucesso, enquanto os "grandes" de Lisboa continuam embrulhados nos seus equívocos.

O grande combate no Sporting

"Ele [Filipe Soares Franco] tem razão para dar o dito por não dito. Quem esconde as contas como ele esconde tem todos os motivos para voltar atrás [recandidatando-se à presidência do Sporting]. Julgam que ele iria dar a presidência de mão beijada? Não é de hoje que não acredito no que ele diz. (…) Se a proposta da actual administração passar, o passivo irá aumentar no sentido do clube deixar de contar. Corre-se o risco do desaparecimento do Sporting."
António Dias da Cunha, “Público Online”, 07-04-2009

Com o provável candidato Pedro Pinto Souto a correr por fora, a apresentação de candidatos à presidência do Sporting está suspensa pela assembleia geral do próximo dia 17 de Abril. Se conseguir reunir os 75 por cento dos votos de que precisa para fazer aprovar o seu plano financeiro (o “seu” Sporting é mais um assunto financeiro do que desportivo…), Filipe Soares Franco tem à sua mercê o tapete verde rumo à reeleição. Caso contrário, bem pode deixar o Sporting e dedicar-se às tertúlias dominicais do Albatroz e aos negócios da Opway. Mas pode dar-se o caso de Franco acreditar que ganhará as eleições e, nesse sentido, é capaz de se recandidatar em qualquer cenário. De resto, seria muito bom que se recandidatasse.
Os sportinguistas estão fartos de uma guerra interna que dura desde 2005. Com a disponibilidade demonstrada por Dias da Cunha, que esta semana jantou com os sportinguistas-que-defendem-o-clube, estão reunidas as condições para que o ex-presidente também dê o dito pelo não dito e se apresente a eleições. Ele que içou a bandeira da luta contra o sistema mafioso que domina o futebol português. Uma luta que Soares Franco não prosseguiu, retirando ao Sporting o protagonismo como agente moralizador do futebol.
Nesta altura do campeonato, nada seria mais estimulante do que um combate entre Dias da Cunha e Soares Franco – que são os dirigentes que cultivam o maior ódio de estimação que a era das sociedades anónimas desportivas gerou na família sportinguista. A recuperação do clube deveria mesmo começar por aí. FOTO: "Público Online"

Todo o plano financeiro de Filipe Soares Franco

O LEÃO DA ESTRELA revela na íntegra o documento que o Sporting entregou à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), com as propostas a apresentar pela direcção à próxima assembleia geral do clube. Para Filipe Soares Franco, que, curiosamente, já disse, por mais do que uma vez, que não se recandidata à presidência nas eleições do próximo dia 5 de Junho, só mediante a aprovação deste plano é que será possível gerir o clube. Para outros sportinguistas, como Dias da Cunha, será o fim do Sporting Clube de Portugal em 10 anos. No próximo dia 17 de Abril os sócios têm a palavra. Entretanto, o LEÃO DA ESTRELA recorda um post premonitório. CLIQUE NOS DOCUMENTOS PARA AMPLIAR E DEIXE O SEU COMENTÁRIO.

segunda-feira, 6 de abril de 2009

A dor de Manuel António Pina

"A selecção nacional diz-me pouco. A pátria do adepto é o seu clube e, por isso, Paulo Bento dói-me mais (ou antes, o Sporting, pois tenho alguma simpatia pelo trabalho que ele tem feito no clube) que o tal Queiroz."
Manuel António Pina, poeta, escritor e jornalista, "Jornal de Notícias", 05-04-2009

domingo, 5 de abril de 2009

Obrigação cumprida em Matosinhos

Numa jornada em que o FC Porto consolidou a sua liderança, vencendo categoricamente em Guimarães, e o Benfica precisou outra vez da arbitragem para ganhar ao Estrela da Amadora, o Sporting foi ao Estádio do Mar vencer o Leixões por 1-0, cumprindo a sua obrigação com toda a justiça. Um adversário que, na primeira volta, vencera em Alvalade pelo mesmo resultado, pelo que, não fosse esse desaire e, nesta altura, o Sporting poderia estar na luta pelo título com apenas menos um ponto de atraso em relação ao FC Porto.
Em Matosinhos, o Sporting foi competente, demonstrando segurança defensiva e, sobretudo, determinação e força colectiva. Atributos que, somados à eficácia traduzida no golo solitário de Derlei (13’) foram decisivos para conquistar a vitória e alimentar a esperança leonina num trambolhão inesperado do FC Porto.
Com os impedimentos, por lesão, de Izmailov e Vukcevic, e em função das substituições, duas delas provocadas pelas lesões de Romagnoli e Rochemback, o Sporting terminou a partida com o Leixões com nove jogadores portugueses, oito dos quais formados em Alvalade. Se isto tivesse sucedido naturalmente, e não tivesse sido motivado por ausências forçadas, haveria motivos para falar do Sporting como um excelente exemplo na valorização dos jovens jogadores portugueses. É um bom exemplo, sem dúvida, mas está distante de ser um exemplo perfeito. E poderia ser. A questão é que os jovens aparecem apenas como soluções de recurso, que regressam ao banco quando os donos do lugar voltam a ficar disponíveis...
O apagamento de Yannick Djaló, que iniciou a temporada de modo fulgurante, e inconstância de Adrien Silva na equipa principal parecem ter a ver com isso. Até Daniel Carriço parece que continua na equipa titular porque o regresso de Tonel nos jogos com o Bayern de Munique correu demasiado mal...
Em Matosinhos, Paulo Bento veio lembrar que o meio-campo leonino que terminou o jogo tinha menos de 85 anos de idade. Pelo modo como falou, não pareceu estar orgulhoso de uma circunstância que nenhum treinador concorrente pode exibir (pois falou nisso no sentido em que teria sido mais uma dificuldade a somar às ausências forçadas de outros jogadores). Mas o treinador leonino deveria estar orgulhoso e deveria ter um discurso positivo e motivador para os jovens que lhe garantiram a vitória.
Nota final para o caso do jogo: dizem que ficou por assinalar uma grande penalidade contra o Sporting, por corte de Abel com a mão (51’), naquela que seria a única ocasião de golo do Leixões em toda a partida. Anda assim, o árbitro Pedro Proença merece o benefício da dúvida: o remate é feito muito perto do jogador leonino que, aliás, já está em queda no momento do corte, não sendo claro se tem a intenção de desviar a bola ou de defender o rosto. Uma coisa é certa: se em todos os jogos do Sporting fosse seguido o critério do árbitro que assinalou dois penáltis a favor do Benfica na Reboleira, nesta altura, talvez a equipa leonina estivesse na liderança da Liga e pudesse encomendar as faixas… FOTO: Miguel Vidal (Reuters - Sport Soccer)

sábado, 4 de abril de 2009

Grimi pela madrugada

PRÉMIO OU GRIMI É UM CASO CLÍNICO OU O POLÍCIA É UM GAJO PORREIRO...

"O motivo da deslocação de Grimi à esquadra [entre as 5h00 e 6h00, da madrugada de quarta para quinta-feira passada, de "livre e espontânea vontade"], está relacionado com assuntos do foro pessoal e dúvidas de carácter pessoal. Deslocou-se ao local acompanhado por duas ou três pessoas e depois seguiu a sua vida. Tentou obter um esclarecimento, como um cidadão normal. Não houve detenção nem participação."
Paulo Flor, director das Relações Públicas da PSP, "O Jogo", 04-04-2009

Dani e o futuro

PRÉMIO ISSO JÁ A GENTE SABIA

"Não estou preparado para ser presidente do Sporting."
Dani, antigo jogador do Sporting, "Mais Futebol", 31-03-2009

LEÃO DA ESTRELA bate recordes em Março

No mês de Março, o LEÃO DA ESTRELA registou um novo recorde de audiência, ao ter recebido 34.836 visitas, mais 46 por cento do que as 23.845 visitas do mês de Fevereiro, que, até então, tinha sido o registo mensal de visitas mais alto de sempre, segundo o contador Shinystat.com. Como se pode verificar no quadro (clicar para ampliar), nas últimas semanas, este blog tem registado uma média superior a mil visitantes diários (aconteceu em 22 dias do mês de Março), tendência que se confirma nos primeiros dias de Abril.

sexta-feira, 3 de abril de 2009

Rodrigo Menezes com saudades...

"Eu acho que Paulo Bento está a fazer um bom trabalho, mas falta-lhe ambição. Tenho saudades de ver o Sporting a jogar para o título. Não gosto daquela coisa de jogar para não perder, a ou lutar pelo segundo lugar."
Rodrigo Menezes, actor, adepto do Sporting, "Notícias TV", 03-04-2009

As aventuras de Grimi na noite de Lisboa

Lisboa é tentadora, o Sporting não tem um "cão de guarda" que tome conta dos rapazes, a cabeça não tem juízo e a carne é fraca...

Tão grande como os maiores da Europa

O Sporting Clube de Portugal já foi tão grande como os maiores da Europa. Mais de 50 anos depois, subsistem no estrangeiro os ecos dessa grandeza do futebol leonino. Como confirma este trabalho do jornal espanhol AS.

quinta-feira, 2 de abril de 2009

O homem-mistério do Sporting

Não deixa de ser irónico que o candidato a candidato à presidência do Sporting que maior estrondo está a causar entre a nação sportinguista seja alguém que muito poucos conhecem e que ainda não disse uma palavra sobre o assunto e não alguém que tenha apresentado ideias para a gestão do clube, nomeadamente no último congresso – a não ser que as tenha apresentado através de algum representante.
Até parece que, no meio de tanto calculismo e tanto frenesim, que tem assumido proporções inenarráveis no vice-presidente Menezes Rodrigues – que tanto está disponível para convencer Filipe Soares Franco a reconsiderar a decisão de não avançar, como já pressionou Miguel Ribeiro Teles a candidatar-se ou afirmou que, ele próprio, avança se ninguém da actual direcção estiver disponível – o que os sportinguistas, fartos de tanta conversa, querem é alguém que esteja disponível para ser o presidente do Sporting, mas que não diga nada sobre aquilo que quer fazer ao leme do clube.
O silêncio do empresário Pedro Pinto Souto – estrategicamente justificado com afazeres profissionais algures no estrangeiro, de onde regressa no próximo domingo –, assim como a falta de fotografias actuais nos jornais (uma das escassas que foram publicadas, no meio de uma colecção de carros antigos, é do tempo em que o Sporting era campeão nacional) é bem capaz de ser de ouro, tantas são as reacções que a sua disponibilidade para assumir o barco leonino está a suscitar, sobretudo pelo facto de as referências serem positivas, nomeadamente em sectores identificados com a oposição. Elogiam-lhe a capacidade de gestão. Até Sérgio Abrantes Mendes está pronto a abdicar da sua candidatura. Luís Aguiar de Matos, que só entrará em jogo para liderar, diz que se afastará do acto eleitoral. E Luís Duque deverá ser o seu homem-forte para o futebol leonino. Do actual regime, recebe a indiferença, talvez para disfarçar alguma preocupação. Estranhamente, o sempre disponível Menezes Rodrigues não conhece Pedro Pinto Souto. Rogério Alves diz que também não.
Num clube inquieto em relação ao seu futuro imediato, eis que, de súbito, há um desconhecido a gerar enormes expectativas. Se não falando já dá que falar - com as informações a sairem a conta-gotas nos jornais como numa aparição meticulosamente preparada -, o mais provável é que seja o mais escutado de todos. Às vezes, os grandes líderes também começam assim. No caso de Pedro Pinto Souto, um gestor de 46 anos, formado na Universidade Católica, basta que continue a dar que falar depois de abrir a boca… FOTO: "Diário de Notícias" - Arquivo

Sporting não tem acordo com Scolari

Para o LEÃO DA ESTRELA, a tradição ainda é o que era. E como espaço de informação e debate sobre o Sporting Clube de Portugal, este blog celebrou o 1º de Abril com uma "notícia" que, não obstante a verosimilhança dos dados nela contidos, não passa, neste momento, de uma mentira. Filipe Soares Franco não negociou a contratação de Luiz Filipe Scolari para treinador principal do Sporting, nem aguarda pela resposta de Paulo Bento a um convite para dirigir o futebol de formação do clube. O LEÃO DA ESTRELA pede desculpa aos visados na informação prestada, assim como aos leitores que acreditaram nela, e agradece as largas dezenas de comentários que esta partida do Dia das Mentiras suscitou entre a comunidade de visitantes deste espaço sportinguista.

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Scolari é trunfo de Soares Franco

O brasileiro Luiz Felipe Scolari será o próximo treinador do Sporting. O acordo entre Soares Franco e o antigo seleccionador nacional já está feito e até agrada a Paulo Bento, que se sente “muito honrado” por vir a ser substituído por um grande nome do futebol mundial. Porém, só será anunciado oficialmente quando estiver definida a classificação do Sporting na Liga Portuguesa.
Sendo um sinal de uma aposta forte do futebol do Sporting para o novo ciclo que vai começar em 2009-2010, Luiz Felipe Scolari – que recentemente abandonou o Chelsea e já está com saudades de viver em Lisboa – aparece, assim, como um grande trunfo eleitoral de Filipe Soares Franco, que, nas últimas horas, terá feito depender a sua decisão de se recandidatar de um acordo com o treinador brasileiro. As negociações, que decorreram no maior secretismo, começaram há algumas semanas, quando o empresário Gilmar Veloz esteve em Lisboa. Na altura, o agente brasileiro declarou ter-se deslocado a Alvalade para tratar da naturalização de Liedson. Uma desculpa de circunstância, uma vez que essa matéria depende unicamente das autoridades portuguesas, sendo irrelevante o papel do empresário.
O problema financeiro não se coloca, uma vez que Luiz Filipe Scolari terá o seu vencimento garantido pelo BES. O banco vai abandonar a sponsorização das camisolas do Sporting, mas garante uma presença no futebol, aproveitando a imagem de grandes figuras, entre as quais está Scolari. Logo, esta solução, acaba também por demonstrar a capacidade de gestão de Soares Franco, uma vez que o BES deixa de patrocinar o futebol do Sporting, mas continuará a contribuir na mesma, suportando os vencimentos do novo treinador.
Luiz Felipe Scolari preenche os requisitos essenciais para um ciclo mais exigente do futebol do Sporting. Scolari é um peso-pesado do futebol mundial, sendo visto como um dos poucos treinadores capazes de projectar o Sporting Clube de Portugal não só em Portugal como no estrangeiro, nomeadamente nos organismos do futebol.
Outro dado surpreendente é que, mesmo com a contratação de Luiz Felipe Scolari, continua em aberto a permanência de Paulo Bento em Alvalade, desta vez como responsável máximo por todo o futebol de formação do Sporting. Ele que Soares Franco nomeou em tempos como o “Ferguson do Sporting”… De resto, a carreira de Paulo Bento está numa encruzilhada: desgastado pelas suas posições contra a arbitragem portuguesa, o treinador do Sporting, que já declarou que não iria directamente para o FC Porto ou o Benfica, teria como única alternativa para continuar a carreira uma saída para o estrangeiro. Mas questões de ordem familiar - e o treinador do Sporting preza muito a estabilidade familiar - impedem a sua retirada do País, pelo menos nos tempos mais próximos. Daí que a solução imediata passe mesmo pela sua continuidade em Alvalade, agora em outras funções - que, aliás, significam uma mudança de paradigma da formação leonina, com Soares Franco a apostar forte nas equipas técnicas.
O cenário é possível, até pelas boas relações que Scolari manteve com a equipa técnica do Sporting no tempo em que foi seleccionador nacional. Soares Franco manifestou a Paulo Bento que esse seria o seu desejo - tanto mais que Paulo Bento já tem 9 anos de trabalho no Sporting! -, mas o ainda treinador principal leonino está em período de reflexão. Caso Paulo Bento recuse a proposta da SAD do Sporting, Manuel Fernandes será a alternativa equacionada por Soares Franco para a função, facto que tem o condão de também agradar, e muito, aos sócios e adeptos leoninos.
Quanto a Scolari, regista a particularidade de ser um estrangeiro que fala português e que conhece a cultura portuguesa, assim como conhece profundamente o futebol português, a Liga Portuguesa e os seus meandros. Conforme o LEÃO DA ESTRELA já escreveu, Scolari tem ainda a vantagem de ser um profissional que transporta uma “mais-valia política” susceptível de “pôr em sentido” o “sistema” do futebol português, podendo contribuir para baralhar o equilíbrio de poderes nos centros de decisão. Num clube que não ganha a Liga Portuguesa desde 2002, nem regista sucessos a nível internacional, à excepção da chegada à final da Taça UEFA em 2005, Scolari teria como grande motivo profissional ser o treinador protagonista de um ciclo ganhador em Alvalade.
Reconhecido como um líder forte e disciplinador e habituado a trabalhar com os melhores jogadores do mundo, Scolari apresenta o perfil ideal para liderar um plantel ambicioso e sustentado nos jovens formados na Academia do Sporting, emprestando-lhe a motivação e a maturidade psicológica necessárias para ultrapassar com êxito os momentos decisivos.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...