domingo, 31 de maio de 2009

Eriksson é centro das atenções

"Já li que Paulo Bento, na eventualidade da outra candidatura vencer as eleições, vai passar a auferir 75 mil euros mensais. O que eu posso dizer é que o meu treinador vai ganhar pouco mais do que Paulo Bento. No acordo que temos alinhavado há prémios monetários por objectivos, mas só em caso de vitória. Não serão premiados segundos lugares, como tem sido norma até aqui. Há prémios pelo título nacional e por outras provas."
Paulo Cristóvão, “Diário de Notícias”

"Treinadores de prestígio não assinam pré-contratos com candidatos."
José Eduardo Bettencourt, “Diário de Notícias”

"Segundo sei, o senhor Eriksson disse que pensa pela sua própria cabeça e decide o seu próprio destino. O que tinham a saber até ao momento já souberam, a fase seguinte, que houver lugar, também irão saber, seguramente, em primeira mão."
Paulo Cristóvão, “O Jogo”

"A minha estrutura do futebol será mais barata do que a actual."
Paulo Cristóvão, “Diário de Notícias”

"Não vou apresentar trunfos nenhuns, nem tenho cartas na manga."
José Eduardo Bettencourt, “Diário de Notícias”

As ideias de Bettencourt

“Respeito esses números [propostos por Paulo Cristóvão como tecto salarial dos dirigentes do Sporting]. Mas há um limite a partir do qual não consigo abdicar. Se fosse solteiro trabalhava de borla. Não sou. Defini como tecto máximo 400 mil euros brutos por ano. Não conheço muitas pessoas que tenham ido por menos...”

“Admito acrescentar contributos [ao projecto financeiro], mas este problema tem de ser atacado pela raiz, não vai lá com festinhas.”

“Isso [eventual chumbo do projecto financeiro] nem me passa pela cabeça. E quero fechar tudo em dois meses... Mas se acontecer vou ter de continuar a lutar.”

“[O modelo do FC Porto é referência?] Do que mais gosto é o meu – menos gente no processo de decisão, mais consistência, estancar o que é necessário... A eficácia aumenta e o produto melhora.”

“[Sobre a falta de militância] temos de perceber o que está mal, a comunicação emocional tem falhado. E os jogadores têm de participar mais... Lembro-me daquela celebração de golos em que a equipa formava um círculo no meio-campo com Sá Pinto, Dominguez... Adorava ver aquilo. Galvaniza-me.”

“Os sócios têm sempre razão. E são o ponto mais importante. As pessoas serão distribuídas por várias áreas com uma outra a cobrir tudo, de forma a conseguir uma gestão mais equilibrada e racional. O modelo actual às vezes castra. É importante saber passar melhor a mensagem.”

“Sim, li [o projecto de Paulo Cristóvão].”

“Projectos há muitos.”

“Temos uma candidatura com muita força, pessoas capazes e apoios significativos. E é tudo genuíno. Penso que é isso que tem cativado.”

“É a última oportunidade que o Sporting tem. É um clube bélico, existem animosidades, embirrações... É um clube que se notabilizou também pelas coisas más. De uma vez por todas, é preciso paz.”

“Os indivíduos são, de forma geral, egoístas. Um profissional de carreira curta tende a ser mais. Vou ter dificuldades em lidar com egoísmos que perturbem harmonias do conjunto mas, às vezes, nem os melhores resolvem conflitos.”

“Tenho três ou quatro macrocoisas: lançamento para nova época de mobilização dos sócios, reestruturação financeira, novo modelo interno. O resto são ses. Agiremos sempre em conformidade.”

“Tenho condições para o manter, claro, [o treinador Paulo Bento mesmo que não seja campeão]. Não controlo tempo, azias, bolas na trave ou penáltis falhados. Tenho de julgar o trabalho feito. Espero decidir bem.”

“A Liga e o futebol português precisam do Sporting a liderar alguns processos.”

José Eduardo Bettencourt, entrevista ao jornal “I”, 30-05-2009

sábado, 30 de maio de 2009

Bettencourt, 400 mil - Cristóvão, 280 mil

No que diz respeito ao dinheiro que espera ganhar se for eleito presidente do Sporting, José Eduardo Bettencourt, que agora anunciou o seu tecto salarial, leva vantagem sobre o concorrente Paulo Pereira Cristóvão, que tinha sido o primeiro a anunciar um tecto salarial de 280 mil euros anuais.
Sendo obrigado a responder, pois não lhe ficaria bem não revelar o seu vencimento depois de Cristóvão ter sido tão claro, Bettencourt, que antes deixara a questão para a comissão de vencimentos da SAD leonina, revela agora que "400 mil euros brutos é o número que faz sentido”.
Tal como o LEÃO DA ESTRELA recomendou, uma vez que o tema se destacou na campanha, impunha-se que os candidatos clarificassem o seu pensamento sobre esta matéria sensível e indicassem um tecto salarial. Agora, os sportinguistas já sabem o que ambos querem ganhar.

Eriksson baralha campanha leonina

Os anúncios da candidatura "Ser Sporting" das contratações de Sven-Göran Eriksson para treinador leonino e de Dusan Bukovac (antigo jogador leonino nascido na antiga Jugoslávia e naturalizado português) para homem-forte do futebol de Alvalade foram, sem dúvida, cartadas fortes que prometem baralhar até ao último voto a disputa eleitoral do próximo dia 5 de Junho. Com estes nomes Paulo Cristóvão conseguiu traduzir na prática a “ousadia”, o “rigor” e a “exigência” que dão corpo teórico à sua candidatura. E conseguiu, finalmente, saltar para as primeiras páginas dos jornais e ser objecto das análises dos comentadores, sendo certo que nenhum deles arrisca dizer mal dos nomes apresentados.
A poucos dias das eleições no Sporting, José Eduardo Bettencourt – apoiado pelo regime vigente em Alvalade, e também “fora” de Alvalade – foi, finalmente, forçado a responder a uma iniciativa de peso do seu adversário. E respondeu com mais do mesmo, ou seja, com o treinador que defendeu o clube como ninguém, é certo (o que não abona nada em favor dos dirigentes do Sporting que agora apoiam Bettencourt), mas que também não foi capaz de ir além do segundo lugar e de pôr a equipa leonina a jogar um futebol que chamasse gente aos estádios, nem a marcar penáltis (em quatro anos, o Sporting perdeu duas Taças da Liga e foi eliminado duas vezes da Taça de Portugal, com o FC Porto, no desempate por grandes penalidades).
Até ver, o “efeito Eriksson” será o dado mais importante da campanha leonina, deixando para o esquecimento as questões do défice e do vencimento do futuro presidente do Sporting, que animaram os primeiros dias. Do lado dos apaniguados de Bettencourt não faltará quem aponte a falta de motivação de Eriksson, por estar em fim de carreira. Mas é evidente que Eriksson quer ganhar até morrer, como qualquer homem. E, pelo seu currículo, representa um novo paradigma para o futebol leonino.
Em 2000, também se dizia que Peter Schmeichel, então a caminho dos 40 anos, não teria motivação para jogar na baliza do Sporting depois de ter ganho tudo no Manchester United. Mas ele foi decisivo para que o Sporting fosse campeão ao fim de 18 anos de jejum. Curiosamente, depois de Schmeichel, Eriksson - que em Portugal só sabe ganhar - é o primeiro nome de expressão mundial a ser anunciado para o Sporting.

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Eriksson, o treinador de Cristóvão

O sueco Sven Göran Eriksson, um velho conhecido do futebol português, é o treinador escolhido por Paulo Cristóvão, caso seja eleito presidente do Sporting. Ex-seleccionador do México, Eriksson, antigo campeão pelo Benfica, actualmente com 61 anos, é um treinador de categoria internacional, conforme foi prometido.
Nos anos oitenta ganhou a Taça UEFA para o Gotemburgo mudando-se depois para o Benfica, tornando-se o treinador da moda em Portugal, sendo-lhe atribuídas as mudanças então verificadas na mentalidade das equips portuguesas. Ao serviço do Benfica, para além de ter sido campeão nacional, conseguiu uma grande carreira internacional, tendo chegado às finais da Taça UEFA (1983) e da Taça dos Campeões (1990). Em Itália, trabalhou na Roma, na Fiorentina e na Lázio, tendo conquistado a Taça das Taças ao serviço desta última equipa. Foi seleccionador inglês entre 2001 e 2006. Ainda em Inglaterra foi treinador do Manchester City, de onde se mudou para o cargo de selecionador do México. Com casa em Portugal, País de que gosta muito, é agora anunciado como eventual futuro treinador do Sporting.
Paulo Cristóvão anunciou também a contratação de Dusan Bukovac, para director do futebol. Nascido na antiga Jugoslávia, Bukovac jogou no Sporting nos anos oitenta, como defesa-esquerdo. Fez parte da equipa de 1982-1983, orientada por António Oliveira, que venceu a Supertaça Portuguesa e chegou aos quartos-de-final da Taça dos Clubes Campeões Europeus. Em Portugal jogou ainda no Farense.
No Sporting, Bukovac entrou juntamente com o búlgaro Vanio Kostov. Ambos foram naturalizados portugueses pela via do casamento - uma iniciativa do presidente de então, João Rocha, que foi pioneira para ultrapassar o problema da limitação de estrangeiros no plantel, uma vez que, na altura, e com excepção para os atletas brasileiros, só podiam jogar dois não portugueses em simultâneo. Bukovac, tal como Kostov, radicaram-se em Portugal, onde continuam a viver.
Nas eleições leoninas é a primeira vez que os candidatos à presidência apostam em treinadores como trunfos eleitorais. José Eduardo Bettencourt insiste na aposta em Paulo Bento. Paulo Cristóvão contrapõe com Sven Göran Eriksson.

Um discurso completamente novo no Sporting

Depois de ler esta entrevista de Paulo Pereira Cristóvão ao jornal I, assim como outras em outros órgãos de informação, dei por mim a fazer a seguinte pegunta: há quanto tempo é que um líder sportinguista não falava assim?...
Goste-se ou não - no meu caso gosto muito -, Paulo Pereira Cristóvão é o grande responsável pela elevação da campanha eleitoral do Sporting. Apresentou um projecto, tem ideias e mostra saber como aplicá-las. É praticamente ignorado pela comunicação social desportiva, porque os inimigos do Sporting não querem em Alvalade um presidente assim. Um presidente que defende um Sporting a seguir o seu próprio caminho, em vez de um Sporting atrás do caminho dos outros. E isto, para um sportinguista, deve ser o fundamental.
O discurso mobilizador de Paulo Cristóvão é completamente novo no Sporting. Na forma e no conteúdo. Faz a síntese entre a razão e a emoção. É emotivo e racional ao mesmo tempo. E a forma como Cristóvão enquadra o Sporting na sociedade portuguesa - um clube de ricos e de pobres, um clube transversal - é uma constatação simples que a nação sportinguista há muito tempo não ouvia.
De forma surpreendente, a chamada "oposição do Sporting" conseguiu encontrar um líder que merece a atenção e o respeito de todos os sportinguistas. Leia a entrevista e deixe o seu comentário. FOTO: Hélder Olino ("Público Online")

RECORTES LEONINOS Golpe palaciano

O que aconteceu, recentemente, no Sporting foi aquilo a que se pode chamar de um “golpe palaciano”. As ironias da vida não batem apenas à porta dos incautos. Aqueles que se sentem protegidos – pelo sistema que constroem à sua volta e, também, por “certa imprensa” – também se acham, de vez em quando, colhidos pela surpresa. É o caso de Soares Franco, que se confessa “surpreendido” agora com o avanço de José Eduardo Bettencourt.
Perdoe-se-me o eventual excesso, mas nalguns casos os clubes começam a ficar muito parecidos com “casas de meninas”. A clientela deixa de ser certa e a confusão instala-se. Uns não querem continuar, porventura acossados pelo fantasma da “falência técnica”, só agora colocado sobre as cabeças dos “aventureiros”. Uns não querem mais. Os mesmos não querem mais, mas… Há sempre um mas… Em determinadas condições de “pressão e temperatura”… até se avança. Outros não querem nada, por respeito a quem está ou quem revela intenção de poder vir a estar… Não há receios de “falências técnicas”. Apenas sportinguismo puro, por meia dúzia de euros, coisa pouca, acima de qualquer interesse pessoal.
Vou-lhes dizer o que penso: estavam todos com Franco, mas simultaneamente à coca para lhe fazer o ninho na cabeça. Por isso é que, não obstante se dar a ideia de que a lista de Bettencourt é uma mera troca de cadeiras em relação à “era Franco”, não creio que se deva falar de uma linha de continuidade. O continuismo de que falo é uma coisa (menos) séria: é não afrontar Filipe Soares Franco, mas colocar em causa, delicadamente, o seu projecto.
Aliás, uma das coisas sobre as quais tenho curiosidade é saber o que vai fazer José Eduardo Bettencourt, se porventura ganhar as eleições, o que, neste momento, já não dou como dado adquirido face à postura (muito correcta e clara) dos apaniguados de Paulo Pereira Cristóvão. Ou seja: que vai fazer Bettencourt com o “projecto financeiro” de Soares Franco e os compromissos pré-estabelecidos com a banca?
Nos últimos anos, nalguns casos ainda antes da implantação do “regime de Roquette” – o tal que achava nas SAD o remédio para todas as maleitas da “contabilidade criativa” do futebol –, o Sporting acolheu no seu seio um conjunto de personalidades que pouco mais têm feito senão confabular, conspirar e trair. Não são todas, evidentemente, mas são muitas. Revêem-se a um tempo com João Rocha e Sousa Cintra e, mais tarde, são capazes de se rever em José Roquette, Dias da Cunha, Soares Franco ou, mais recentemente, em Bettencourt. Andam de galho em galho, à procura de um nicho para poderem continuar a beneficiar das suculentas mordomias. É de desconfiar quando se começam a encontrar pontos de divergência. Já Dias da Cunha tinha sido vítima disso. Agora, Soares Franco. E, antes de o ser, parece-me óbvio que, no meio de tantos (falsos) equilíbrios, Bettencourt corre o sério risco de se ver embrulhado na mesma lã.
Essa é uma vantagem de Cristóvão: não quer saber nada disso e quer percorrer o seu caminho. Pode não chegar, mas é mais asseado.
Rui Santos, “Record”, 28-05-2009

O programa de Bettencourt

O programa de José Eduardo Bettencourt menciona três vezes a ideia de um Sporting "ecléctico e accionista maioritário da SAD". A dúvida é: como compaginar um Sporting maioritário na SAD com o plano de reestruturação financeira lançado por Soares Franco, que Bettencourt promete seguir à risca?...
Curiosamente, Bettencourt também promete "viabilizar a construção de um Pavilhão Desportivo", o que considera "factor-chave para o sucesso das modalidades". E vai também criar a figura do Provedor do Sócio. Onde é que já lemos estas coisas?...
"Unir e mobilizar a Família Sportinguista, em torno de um projecto responsável e ganhador, assente nos valores da ética, rigor, exigência, competência e seriedade" é outro dos compromissos da candidatura. Para "Ser Sporting" só falta lá a "ousadia"...

Défice de rigor em Alvalade

Em nota divulgada no sítio oficial do clube na Internet, o Sporting Clube de Portugal informou que possui actualmente um total de 96.953 sócios, dos quais 53.578 possuem capacidade eleitoral nas eleições do próximo dia 5 de Junho. Isto significará que há 96.953 inscritos e 53.578 com capacidade eleitoral e, presume-se, com as quotas em dia.
O curioso é que estes números tenham sido divulgados dois dias depois de o presidente Filipe Soares Franco ter revelado um quadro bem diferente. "O clube tem 55 mil sócios no activo, 35 mil sócios efectivos pagantes", declarou Franco, indicando como "um dos maiores falhanços" da sua gestão a campanha de angariação de novos sócios. Isto depois de no último Congresso Leonino ter sido revelado pelo Conselho Directivo que o Sporting não teria mais de 25 mil sócios com capacidade eleitoral - número que tem sido agitado por Paulo Pereira Cristóvão para apontar criticar a gestão leonina nesta matéria.
No entanto, não é só ao nível do número de associados que o Sporting é pouco rigoroso a comunicar para o exterior. Com o passivo - uma questão de suprema importância - passa-se a mesma coisa. Na mesma semana, três números diferentes. Soares Franco a falar em 200 e tal milhões de euros; Paulo Pereira Cristóvão em 340 milhões; e, não satisfeito, José Eduardo Bettencourt a assumir que o buraco, afinal, é de 360 milhões. É caso para dizer que há um grande défice, também de rigor, em Alvalade. O que, num momento pré-eleitoral, só serve para baralhar os associados e provocar discussões inúteis. E se fossem mais rigororos?...

ELEIÇÕES SCP Frases da Campanha

“O Sporting precisava de uma candidatura que pacificasse e unisse a família sportinguista e esta é claramente uma candidatura que tem essas características.”
José Eduardo Bettencourt, A Bola Online, 28-05-2009

“Os interesses do Sporting estão sempre acima, por isso, não fazia sentido estar a dividir o espaço das eleições com José Eduardo Bettencourt, com quem tenho muitas semelhanças.”
Dias Ferreira, A Bola Online, 25-05-2009

"Atravessei um período de grande preocupação até que esta candidatura me retirou essa preocupação, esse sentimento de, até, algum sofrimento."
José Roquette, RTP Online, 26-05-2009

“Os desígnios de José Eduardo Bettencourt e Paulo Pereira Cristóvão são, grosso modo, similares: vencer o sufrágio do dia 5 de Junho e devolver o clube aos associados leoninos.”
O Jogo, 28-05-2009

“Sempre que o Sporting fez alianças não ganhou títulos. Sou contra qualquer tipo de alianças e de guerras. Temos de defender os superiores interesses do Sporting.”
Paulo Cristóvão, Jornal de Notícias, 28-05-2009

“[O pavilhão] é uma questão fulcral. Localizamos dois sítios. Um nas antigas piscinas do Campo Grande, onde funcionava a natação do Sporting e sobre o qual existe um concurso internacional que a actual direcção ignorou. Temos um plano B, perto de Alvalade, que não quero divulgar. Temos assegurada a construção a custo zero através do ‘naming’. Nunca terá menos de 2500 lugares.”
Paulo Cristóvão, Jornal de Notícias, 28-05-2009

“No que de mim depender, um jogador do Sporting entra às nove e sai às 17. Assim tem um dia inteiro para treinar, controlar a alimentação e estudar os adversários. Jogador castigado, no fim-de-semana, vai ter de desempenhar a componente social. Mas, se calhar, nem toda a gente vai estar preparada para estes níveis de exigência. Veja-se o que foi a saída dos jogadores para férias. As declarações mostraram que a paz estava podre e que o rei vai nu.”
Paulo Cristóvão, Jornal de Notícias, 28-05-2009

“O Sporting nunca devia ter saído da Liga. Não pode sair dos órgãos de decisão. Os interesses do Sporting terão de ser protegidos, umas vezes publicamente, outras de forma mais subtil. O verde, comigo, vai pesar mais.”
Paulo Cristóvão, Jornal de Notícias, 28-05-2009

“O passivo não me assusta. O que me preocupa é o défice de tesouraria. Dentro do nosso pragmatismo e da banca, chegaremos a uma solução de consenso que permita desafogarmo-nos nos primeiros tempos. Apontamos para uma redução de 30 milhões de passivo no final do mandato. Queremos fazer bons negócios com vendas de direitos desportivos.”
Paulo Cristóvão, Jornal de Notícias, 28-05-2009

quinta-feira, 28 de maio de 2009

O tecto salarial de Paulo Cristóvão

A questão do ordenado do futuro presidente do Sporting tem sido um dos temas da campanha leonina, por força da opção de José Eduardo Bettencourt de abdicar de um salário milionário enquanto quadro superior do Banco Santander para, segundo ele, auferir cerca de 50 por cento menos caso seja eleito presidente do clube. Daí resultou uma polémica, sobretudo por ter vindo a público que o gestor aufere 800 mil euros por ano no Santander. Além disso, o valor do seu eventual futuro ordenado no Sporting numa foi revelado, tendo o candidato deixado a resolução da questão para a “comissão de vencimentos” da SAD.
Tal como o LEÃO DA ESTRELA defendeu, face a um dado novo incluído na campanha – o do vencimento do futuro presidente do Sporting – impunha-se que os candidatos apresentassem uma proposta de estatuto remuneratório para os dirigentes leoninos, tanto do clube como da SAD, sendo que, no primeiro caso, impõe-se, para o efeito, uma revisão estatutária. Tanto mais que não faz sentido que o futuro presidente seja remunerado apenas pela Sporting SAD, quando só chegará lá por ser eleito presidente do Sporting Clube de Portugal, instituição que é accionista maioritária da sociedade que gere o futebol. E em nome da solidariedade do grupo Sporting, os custos devem ser partilhados na justa medida das responsabilidades assumidas.
O primeiro passo nesse sentido foi dado por Paulo Cristóvão, em entrevista ao “Jornal de Notícias”. O candidato à presidência leonina já definiu um tecto salarial que “será de 20 mil euros na SAD e clube”, concretizando, deste modo, “um emagrecimento da massa salarial”. E adiantou: “Defendo a política de prémios de mérito. Mas ser premiado por ficar em segundo é de doidos e de gulosos.”
A proposta é clara e parece muito razoável. Exceptuando os prémios de desempenho que só poderão ser ganhos com a conquista de títulos, estamos perante um vencimento equivalente ao de um jogador formado no Sporting que ingressa na equipa principal e que fica a meio caminho entre o que ganha o Presidente da República e o Presidente da Comissão Europeia. Resta saber o que propõe José Eduardo Bettencourt. FOTO: "Record Online"

A maldição do Projecto Roquette

Há um traço comum a unir os presidentes do Sporting da chamada “era Roquette”, instaurada no clube em 1995, que deve merecer a reflexão e, sobretudo, a preocupação da nação sportinguista: todos os presidentes, desde Pedro Santana Lopes, o primeiro da “dinastia”, acabam incompatibilizados com os sucessores ou, pura e simplesmente, deixam o clube. É um traço comum curioso. Tudo começa bem, mas tudo acaba mal. É uma espécie de maldição do Sporting dos últimos anos, que está a enfraquecer o clube.
Recordemos. O primeiro presidente do “Projecto Roquette” foi Pedro Santana Lopes. Eleito em 1995, deixou o clube em 1996 e nunca mais lá pôs os pés, passando a dedicar-se à política. Seguiu-se José Roquette, que se chateou com Dias da Cunha, seu vice-presidente e seu sucessor por cooptação, já então por causa do passivo do Sporting. Estávamos em 2000. Num processo agitado, José Roquette desapareceu da vida do clube, aparecendo de vez em quando a dar palpites como “senador” e “pai” do projecto, como aconteceu recentemente, para apoiar o projecto de reestruturação financeira de Filipe Soares Franco.
Depois de Dias da Cunha, seguiu-se Soares Franco, num processo de cooptação posteriormente sufragado nas urnas. Como todos estão recordados, Dias da Cunha deixou o clube em guerra com Franco. E continuam inimigos. Depois, foi a vez de Filipe Soares Franco vir a público criticar o “Projecto Roquette”, embora sem beliscar pessoalmente o seu inventor.
Agora, Filipe Soares Franco abandona a presidência do Sporting e manifesta-se “surpreendido” por José Eduardo Bettencourt ter avançado com uma candidatura depois de ter dito que estava indisponível. Curiosamente, uma surpresa igual à que foi manifestada por Dias da Cunha em relação a Filipe Soares Franco, há quatro anos…
Franco afirma apoiar Bettencourt, mas não participa na campanha, alegando o facto de ainda ser o presidente de todos os sportinguistas. E já disse que vai retirar-se “completamente da vida activa do Sporting”. Resta saber se estes sinais de ruptura com o protagonista da solução de “continuidade” alguma vez virão a público. E saber, também, por que motivo a presidência do Sporting gera tantas incompatibilidades e guerras pessoais… Encontrar explicações para esta maldição talvez ajude a compreender o Sporting actual.

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Soares Franco, Bettencourt e a falência do SCP

“Não penso participar em nenhum acto de campanha.”

“Em princípio, no dia em que deixar de ser presidente, vou retirar-me completamente da vida activa do Sporting.”

“Surpreendeu-me a decisão que ele [Bettencourt] tomou. Até porque, tanto quanto sei e por aquilo que me apercebi, foi uma decisão tomada à última hora. Quero dizer, até hoje, todas as suas manifestações eram de não se candidatar a presidente do Sporting.”

“Ele foi várias vezes sondado para poder desempenhar um conjunto de funções dentro do Sporting, que até poderia escolher, mas sempre disse que não tinha condições. Desta vez, resolveu agarrar o barco e saltar lá para dentro.”

“Acho que não tem qualquer tipo de interesse falar sobre esse assunto. Está encerrado, o dr. José Eduardo Bettencourt tem todo o meu apoio e, como já disse, não me traiu. É o candidato que eu gostava que ganhasse as eleições e com uma expressão significativa.”

“Não participei, não tenho de participar e não quero participar no projecto de candidatura do dr. José Eduardo Bettencourt, nem num programa eleitoral que ele venha a desenvolver. Isso compete-lhe a ele.”

“Não sei se se criou alguma ruptura, não faço ideia, porque eu não conheço o programa eleitoral do dr. Bettencourt.”

“As eleições vão ser para eleger os órgãos sociais do Sporting. O futuro presidente será o representante máximo do clube, como accionista, na SAD. Portanto, um dos seus papéis será o de defender os interesses do Sporting na SAD. Não vejo como se podem inverter os papéis.”

“Fiz aquilo que entendi que deveria fazer, que foi comunicar atempadamente que não estava preparado para me recandidatar e dar tempo (cerca de cinco meses) para que as pessoas pudessem estruturar candidaturas e apresentar-se...”

“Nunca admiti fazer qualquer projecto na área do futebol, que não fosse com o dr. Miguel Ribeiro Telles. Não tinha, pura e simplesmente, substituto. Não havia plano B. Ou era com ele ou não era.”

"As contas consolidadas revelam capitais próprios negativos e, portanto, o Sporting está tecnicamente falido."

“O endividamento bancário era de 280 milhões de euros em 2005. E este era o passivo que interessava. Esta história de dizer que o passivo hoje é de 340 milhões de euros é fácil. Deste valor tem de abater-se 75 milhões, referentes a proveitos diferidos. Todas as receitas que foram antecipadas para a construção do novo estádio que agora têm de ser contabilizadas como proveitos. Não é uma dívida porque ninguém a tem de pagar, é um proveito diferido que tem de estar registado no passivo, porque foi antecipado. Assim, dos 340 já estamos aproximadamente nos 270 milhões de euros. Quem quiser analisar isto de forma séria, conclui que o Sporting tinha em Junho do ano passado 235 milhões de euros de dívida bancária.”

“O projecto do dr. Roquette foi extraordinariamente inovador e teve algum insucesso porque, na altura em que foi implementado, estava em voga o fenómeno da Nova Economia, que acabou por falhar e falir. O projecto para o clube ficou condicionado e teve de ser revisto. O Sporting fez também substanciais maus investimentos na área do desporto, nomeadamente na contratação de jogadores, o que custou muito dinheiro.”

“Estava totalmente saturado, física e psiquicamente [de ser presidente do Sporting]. Por tudo o que esta função implica, por todas as batalhas que tive de travar para tentar dotar o Sporting da informação mais sincera, franca e transparente. Comigo na presidência, tenho a consciência que os sócios sempre souberam a verdade toda. Nunca evitei que todas as minhas decisões estruturantes passassem pelas assembleias gerais.”

“Quando tentei levar assuntos à assembleia geral que podiam reformular e inovar o funcionamento do Sporting, eles não foram aprovados. Senti que tinha chegado a hora de me afastar. Pode ser que um dia o futuro venha a dar-me razão.”

Filipe Soares Franco, “Público”, 27-05-2009

A cratera leonina já vai em 360 milhões!...

O candidato à presidência do Sporting Paulo Cristóvão tinha revelado que o passivo do Sporting estava estimado em 340 milhões de euros, ou seja, cerca de 60 milhões acima daquilo que era conhecido publicamente (e 60 milhões são sensivelmente três anos da equipa de futebol...).
A imprensa desportiva, que só está disposta a carregar andores de gente fina, ignorou o candidato leonino, reservando-lhe uma nota de rodapé com a "sua" novidade e criticando-o em artiguelhos de opinião encomendada. Ao mesmo tempo, Paulo Cristóvão foi de imediato acusado de má-fé por parte de Filipe Soares Franco (este sim, com muito espaço para responder ao "polícia"...).
Poucos dias passaram e, agora, parece que o buraco leonino ainda é maior. Afinal, o passivo do Sporting não ronda os 340 milhões, mas sim, os 360 milhões. Palavra de José Eduardo Bettencourt, o tal que disse ter enganado tudo e todos ao passar de não-candidato a candidato e cujo valor, enquanto activo da gestão, está em promoção, valendo agora menos 50 por cento no final do mês no caso de ser eleito presidente do Sporting. Devem ser efeitos da deflação.
Bom, para bem do Sporting, seria bom acabar com estas brincadeiras de gestores da treta que andam por aí disfarçados de gestores financeiros rigorosos das melhores proveniências. O melhor é não esperar pelo dia 5 e fazer já as eleições. É que até ao dia 5 a cratera leonina poderá chegar aos 500 milhões. Num clube telecomandado pela banca nunca se sabe.

Duelo JEB-PPC no inquérito LEÃO DA ESTRELA

Agora que José Eduardo Bettencourt e Paulo Pereira Cristóvão estão definidos como os dois candidatos à presidência do Sporting Clube de Portugal, o LEÃO DA ESTRELA lança mais um inquérito online. A pergunta é: QUAL DOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DO SPORTING APRESENTA MELHORES IDEIAS PARA O CLUBE? O inquérito está aberto até 31 de Maio.

terça-feira, 26 de maio de 2009

As eleições do Sporting na blogosfera leonina

"Cada vez estou mais confuso, por um lado defendo a estabilidade e a continuidade de Paulo Bento, mas por outro não sei se consigo votar num candidato que diz que Pinto da Costa seria um bom candidato a presidente da Liga!"

“As minorias da oposição do Sporting acreditam que Paulo Cristóvão trará um novo rumo ao nosso clube, mas sinto que, com a candidatura de Bettencourt, os cerca de 70% que votaram na reestruturação financeira na última Assembleia Geral irão dar a presidência a Bettencourt.”
http://afirma24.blogspot.com/

“Por uma visão divertida e meio atrasada mental do clube. Por um Sporting bucólico e rural, livre das tensões da democracia. É isso que Bettencourt nos propõe quando diz que não quer aborrecer os sócios com minudências, como um passivo gigante que o próprio Bettencourt ajudou meticulosamente a construir; na sua própria fórmula: "A ouvir falar de passivo ninguém se diverte". E nós, claro, andamos nisto para nos divertir. Pelos vistos a oligarquia reinante ainda não aprendeu a lição. O grande problema da maioria dos sócios não é o divertimento acéfalo. É serem mal tratados pela sua própria direcção, é sentirem o fim das instituições democráticas dentro do clube e é também o péssimo futebol.”
http://ultimaroulote.blogspot.com

“Vi em directo a entrevista de Bettencourt na TVI, e em diferido a de Cristóvão na SIC. Começando pelo fim estranho a postura de Dias Ferreira, ao ausentar-se da sala. A intenção pode ter sido a melhor, embora me custe a perceber porquê. Gostei francamente da postura de PPC e sobretudo do conteúdo. Directo e objectivo, manifestamente sem punhos de renda. Não me lembro de, nos últimos tempos, ouvir alguém do meu clube ter um discurso tão claro. E como não gosto de meias-tintas…”
http://anortedealvalade.blogspot.com

“Não gosto da gestão patrimonial desta equipa directiva. Mas parece-me uma linha ponderada e equilibrada. Bettencourt também já demonstrou ser uma pessoa equilibrada, educada, e um bom gestor de activos desportivos.”
http://alvalaxia.blogspot.com/

“Espero que os sportinguistas olhem sem preconceitos para as 2 candidaturas. Esse é o bom serviço que temos obrigação de prestar ao nosso clube. E não me venham com o fantasma de Jorge Gonçalves, referindo-se a PPC e à lista Ser Sporting. Sejamos sérios. E lembremo-nos que quando o homem dos bigodes saiu o nosso passivo era uma gota, comparando com o oceano onde hoje navegamos. Afinal quantos Jorges Gonçalves já sucederam ao original?”
http://anortedealvalade.blogspot.com/

“Apetece dizer que a esperança é verde, e que o Sporting está vivíssimo e recomenda-se, e, depois de há uns anos atrás (2005), estarmos manietados por uma situação financeira dramática, hoje estamos melhor, e podemos dar um passo muito importante em frente.”
http://atemorrersportingallez.blogspot.com/

A despedida de Soares Franco

"Hoje saio de cena completamente. Dentro de oito, nove dias, termina o meu mandato. Numa análise global, e em termos desportivos, gostava de ter sido campeão e não fui."

"A maior vitória foi a da Taça de Portugal com o FC Porto [2007-2008]."

"Cumpri a minha missão até ao fim, tal como cumpridos estão 80 ou 90 por cento dos compromissos que assumi para com os sportinguistas.”

"Tenho pena de sair e não ter o negócio da Câmara Municipal de Lisboa fechado e não ter passado a reestruturação financeira nas sucessivas assembleias."

"Conhecendo os sócios a verdade, custou-me que não tenham autorizado um conjunto de operações nas assembleias-gerais."

"É um problema que o clube tem, o Sporting devia fazer crescer a massa associativa, foi um dos maiores falhanços. Tem obrigação de crescer. O clube tem 55 mil sócios no activo, 35 mil sócios efectivos pagantes."

"[Sobre Paulo Bento] cumpri a minha palavra e mantive-o como treinador."

"Vou votar Bettencourt, sabendo que não tem de haver uma continuidade, tal como não aconteceu quando eu entrei. Ele é que será o capitão do barco, caso seja eleito, e tem direito de reformular o clube da forma que entender."

Filipe Soares Franco, naquela que, provavelmente, foi a última conferência de imprensa como presidente do Sporting, 26-05-2009

Paulo Cristóvão no "Dia Seguinte"


O candidato à presidência do Sporting Paulo Cristóvão foi o convidado do programa "Dia Seguinte", na SIC Notícias. Clique no vídeo para ver. Deixe o seu comentário.

O SCP do Franco, do Telles, do Bettencourt & Cª

Manchete de "O Jogo", 17-01-2007

O financiamento das modalidades

O candidato à presidência do Conselho Directivo do Sporting Paulo Cristóvão propõe, no seu programa eleitoral, a possibilidade de os sócios do clube poderem canalizar um financiamento-extra para uma modalidade à sua escolha, incluindo o futebol, no montante de 25 por cento da sua quota anual (em função de uma redistribuição das verbas dos associados pagas ao clube). Esse financiamento-extra seria retirado do montante de 75 por cento das quotizações que actualmente é canalizado para a Sporting SAD (que, de acordo com a proposta de Paulo Cristóvão, desceria para 50 por cento).
O que é que os sportinguistas pensam desta ideia? Será uma proposta de grande simbolismo para a manutenção do Sporting Clube de Portugal como um clube ecléctico e competitivo? Poderão as preferências dos associados por determinadas modalidades motivar a adesão de novos patrocinadores para essas modalidades em função da sua popularidade no seio da nação sportinguista? A ideia de um associado indicar a modalidade que prefere ver financiada com uma verba suplementar (resultante da tal redistribuição das quotizações) contribui para uma maior responsabilização das modalidades e para uma avaliação do real impacto de cada modalidade no universo sportinguista?...

segunda-feira, 25 de maio de 2009

ELEIÇÕES SCP Frases do dia 25-05-2009

"Reitero o convite para realizar debates, generalistas ou temáticos. Só assim demonstra respeito pelos sócios, pois já Platão e Sócrates diziam: o debate é a razão de todas as coisas."
Paulo Cristóvão

"Em vez de muitíssimo vou passar a ganhar muito, pois tive de abdicar de coisas importantes. Mas esse muito continua a ser muitíssimo para o português comum. Abdiquei de metade e tiro o meu chapéu a quem abdique de cem por cento. Também podia trabalhar de borla, se ficassse com 10 por cento de cada transferência [de jogadores]. Comigo não será assim. Vou sair-vos caro, mas será tudo direitinho, a pagar impostos e a ajudar o País. Digo-vos isto à cabeça, para que tudo fique transparente."
José Eduardo Bettencourt, sobre o seu salário, caso seja eleito presidente, falando no Núcleo Sportinguista de Portimão

"Reuni-me com José Eduardo Bettencourt na sexta-feira e acabámos por concluir que esta era a melhor solução. Ele é livre de escolher quem quer, não há problema. Não vou integrar esta lista ou qualquer outra mas continuo a apoiar totalmente José Eduardo Bettencourt."
Rogério Aves

"O dr. Rogério Alves é um enorme sportinguista, deu muito ao Sporting em alturas complicadas, mas agora é um novo ciclo que se inicia com algumas pessoas que continuam e outras não."
José Eduardo Bettencourt

"Há uma vontade muito grande de se ser capaz de unir a grande família sportinguista."
José Eduardo Bettencourt

"A única coisa que ouvi foi uma expressão simpática da parte do dr. Bettencourt, na RTPN. Sempre o fez pessoalmente, mas agora fê-lo em público e isso pesa na minha decisão.”
Dias Ferreira

"Aquilo que compete à minha equipa técnica e à administração em exercício é preparar a próxima temporada. Temo-lo feito."
Paulo Bento

domingo, 24 de maio de 2009

Rogério Alves afastado; Dias Ferreira repescado

As últimas de Alvalade são surpreendentes e preocupantes. Rogério Alves já não será o candidato à presidência da Assembleia Geral do Sporting da lista de José Eduardo Bettencourt. Ao que parece, foi literalmente afastado. No seu lugar, tudo indica que avançará Dias Ferreira. Sim, o mesmo que era para ser candidato à presidência e que acabaria traído quando Bettencourt foi escolhido pelo BES para liderar a "continuidade". Contas feitas, o projecto de José Eduardo Bettencourt ganha corpo mesmo antes de ser apresentado: cada vez mais Sporting SAD e cada vez menos Sporting Clube de Portugal.

A época frouxa do Sporting

O Sporting 2008-2009 apresentou-se com a firme desejo de ser campeão nacional. Não cumpriu a promessa. A equipa de Paulo Bento, que tinha andado muito para trás em 2007-2008, melhorou o seu rendimento em 11 pontos, mas foi insuficiente para bater o desempenho anual do FC Porto, que há muito estabilizou nos setenta pontos (69 em 2007, 69 em 2008 e 70 em 2009). O Sporting, que realizara 68 pontos em 2007 e descera para 55 pontos em 2008, realizou 66 pontos nesta época, mas não chegou. E ficou, pela quarta vez consecutiva, no segundo lugar.
O Sporting foi mais longe na Liga dos Campeões, mas acabou humilhado logo que saiu da fase de grupos. Perdeu a Taça da Liga para o Benfica por um erro de arbitagem e incompetência na marcação de grandes penalidades e saiu prematuramente da Taça de Portugal derrotado em Alvalade pelo FC Porto, também por incompetência no desempate por grandes penalidades. Ou seja, só ao falhar a marcação de grandes penalidades, o Sporting perdeu dois troféus. Valeu, contudo, a vitória da Supertaça 2008. Nos três anos completos com Paulo Bento com treinador, esta foi a época mais frouxa em termos de resultados desportivos.
Entretanto, há um aspecto que tem sido ignorado pela comunicação social especializada: nunca como este ano se avolumaram as lesões de jogadores do Sporting no último terço da temporada. Haverá alguma explicação para isso? Ou não passará de uma coincidência?...

Parabéns, Manuel Fernandes!

Antiga glória do futebol do Sporting Clube de Portugal, Manuel Fernandes conseguiu hoje levar a União de Leiria à I Liga Portuguesa. Manuel Fernandes pegou na equipa leiriense quando esta se encontrava junto da chamada "linha de água" e já com um grande atraso pontual em relação aos primeiros classificados, mas foi o treinador responsável por uma recuperação notável, que, na última jornada da II Liga, se traduziu na concretização da promessa arriscada do antigo goleador do Sporting quando chegou a Leiria: devolver o clube ao campeonato principal. Parabéns, Manuel Fernandes, por mais este sucesso como treinador!

sábado, 23 de maio de 2009

Bettencourt a caminho da presidência

José Eduardo Bettencourt caminha para a eleição como próximo presidente do Sporting Clube de Portugal, embora longe de esmagar a concorrência, a avaliar pelos resultados do segundo inquérito online sobre as eleições leoninas, promovido pelo blog LEÃO DA ESTRELA. O actual dirigente sportinguista, que lidera a candidatura da “continuidade” do projecto de Filipe Soares Franco, foi o preferido de 434 internautas (53%), seguido por Paulo Cristóvão, líder da candidatura “Ser Sporting”, que seria o “melhor presidente para o Sporting” na opinião de 365 internautas (44%).
O inquérito esteve patente entre sexta-feira, 15 de Maio, e este sábado, 23 de Maio, tendo recebido a participação de um total de 826 votos de outros tantos computadores – dado que o inquérito só aceitava um voto por computador. Neste período de tempo, o blog LEÃO DA ESTRELA recebeu 11.500 visitas, segundo dados do contador da ShinyStat, confirmado este espaço de informação e debate sobre o Sporting como um dos mais visitados da blogosfera sportinguista.
Quando o inquérito foi lançado, José Eduardo Bettencourt ainda não tinha confirmado a sua candidatura e Pedro Souto ainda estava no terreno, tendo abdicado dias depois. Ainda assim, Pedro Souto recebeu a preferência de 27 leitores deste blog, correspondente a 3 por cento das preferências. Se estes leitores seguirem o conselho do seu ex-candidato, então José Eduardo Bettencourt, de acordo com este inquérito, poderia contar com uma votação na ordem dos 56 por cento. De resto, Bettencourt conseguiu sossegar as hostes da continuidade, pois impôs-se no confronto com Paulo Cristóvão mesmo antes de formalizar a sua candidatura. Cristóvão que tinha sido o vencedor de um inquérito anterior, então com 312 votos (53%), onde a “linha de continuidade” estava representada por Carlos Cruz, que acabaria por não entrar na corrida eleitoral.
De qualquer modo, este inquérito não obedece aos critérios de validade científica das sondagens e não pretende representar com rigor as opções dos associados e simpatizantes do Sporting Clube de Portugal nem as dos utilizadores da Internet, pelo que estes resultados são um mero indicador das preferências dos leitores do LEÃO DA ESTRELA. Logo que todas as candidaturas estejam oficializadas, o LEÃO DA ESTRELA lançará um último inquérito sobre todos os órgãos sociais do Sporting Clube de Portugal, que estará patente até 4 de Junho, dia anterior à realização das eleições.

sexta-feira, 22 de maio de 2009

O fosso de Alvalade

O candidato à presidência do Sporting Paulo Cristóvão propõe a eliminação do fosso do Estádio de Alvalade, que separa o público do relvado leonino. A ideia, que me parece muito boa, será colocar o público mais próximo do jogo e da emoção. Como acontece, por exemplo, na Luz e no Dragão. E significaria também um aumento da lotação do estádio (que, já agora, deveria ter as suas cadeiras verdes e brancas, em vez desta panóplia de cores destinada a disfarçar a falta de público). Na imagem de cima, temos o estádio como foi construído. A imagem de baixo, virtual, que o LEÃO DA ESTRELA encontrou aqui, mostra-nos o Estádio José Alvalade já com o fosso eliminado. E que tal falar sobre a nossa casa, o nosso santuário, e discutir com elevação esta ideia do candidato Paulo Cristóvão?... Quem concorda com ela? E quem desconcorda?... E porquê?...

ELEIÇÕES SCP Frases do dia 22-05-2009

“Sou primeira escolha.”
José Eduardo Bettencourt

“Senti-me empurrado para avançar. Para se entrar nisto é preciso ser-se tonto.”
José Eduardo Bettencourt

“[Paulo Bento] foi decisivo para eu avançar. Não é demagogia.”
José Eduardo Bettencourt

“Ganhar 800 mil euros é disparate. Ganharei o que for proposto. Por ser o Sporting, faço mais de 50 por cento de desconto.”
José Eduardo Bettencourt

“Tenho um convite para ser reintegrado no banco [Santander] no final do meu primeiro mandato. Não como administrador, mas como director. Mas espero ficar no Sporting, com a longevidade e saúde de Pinto da Costa.”
José Eduardo Bettencourt

"O FC Porto tem um modelo eficiente de poucas pessoas, mas ambiciosas, trabalhadoras, que põem os interesses do clube acima de tudo, com uma pessoa que manda. Todos sabem qual é. O Sporting tem gente a mais a todos os níveis. Gostava de ver esse modelo e o da minha organização, com metas definidas e que no fim responsabiliza as pessoas. Haverá um emagrecimento no meu Sporting, menos gente a dar palpites.”
José Eduardo Bettencourt

“Tenho pouca paciência para debates.”
José Eduardo Bettencourt

"Sou sócio do Sporting há muito tempo e já estive para integrar a lista do Conselho Leonino muitas vezes e nunca aceitei. Mas nesta altura há que dar a cara."
Vasco Lourenço, tenente-coronel na reserva, candidato ao Conselho Leonino na lista de Bettencourt

“Espero que não se repitam os aspectos negativos da outra direcção como, por exemplo, a passagem da Academia para a SAD, espero que não aconteça e tudo vou fazer no Conselho Leonino para o evitar."
Vasco Lourenço

“Não me esquecerei das eleições [do Sporting] porque faço anos nesse dia. Mas não vou votar porque estarei no Brasil à procura de jogadores.”
Manuel Fernandes, treinador da União de Leiria

“É minha convicção de que ganhará quem tiver o apoio de Miguel Ribeiro Teles.”
Manuel Fernandes

“O Sporting nunca acaba, é demasiado grande. No entanto, entendo que esta campanha deva servir para uma troca de ideias entre os vários candidatos, porque divergir é saudável e o Sporting só tem a ganhar se ouvir diferentes opiniões.”
Manuel Fernandes

“Tem todas as condições para ser candidato à presidência do Sporting.”
José Eduardo Bettencourt, sobre Dias Ferreira

“Dias Ferreira em contactos”
Título de A Bola

>

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Traições e desmentidos em Alvalade

O ainda vice-presidente do Sporting Menezes Rodrigues, responsável pela pasta dos núcleos e filiais do clube, foi o maior defensor de uma solução directiva de continuidade. Foi o mais franquista dos franquistas, dando o peito às balas por uma solução directiva do continuismo, tentando convencer Filipe Soares Franco a dar o dito pelo não dito de modo a continuar ou disponibilizando-se ele próprio para encabeçar uma solução continuista que, também é verdade, nunca foi levada a sério.
Logo que foi encontrada a solução-Bettencourt, Menezes Rodrigues sossegou e foi dos primeiros a vir a público apoiá-la. Agora, é dado como afastado da equipa de José Eduardo Bettencourt, podendo juntar-se a Dias Ferreira no grupo dos sportinguistas alegadamente traídos. Para além de Menezes Rodrigues, segundo revelou o "Público" desta quinta-feira, Bettencourt também não conta com Carlos Barbosa da Cruz (que até foi um potencial candidato a presidente...), Silva e Costa, Filipe de Botton e Diogo Vaz Guedes (embora os dois últimos já tenham anunciado falta de disponibilidade para continuar no clube). Curiosamente, na linha da frente, avançam aqueles que não estariam disponíveis por motivos pessoais: José Eduardo Bettencourt e Miguel Ribeiro Telles. Por isso, não falta quem fale em traições a agitar os corredores de Alvalade, embora Filipe Soares Franco negue que tenha sido traído por Telles e Bettencourt. "Não fui vítima de nenhuma traição", afiança o presidente cessante.
Como observa o "Público" de quarta-feira, na apresentação pública da candidatura de Bettencourt, foi notória a ausência de sete dos 12 elementos que compõem o Conselho Directivo, incluindo o presidente Soares Franco. No evento participaram apenas o próprio candidato e Ribeiro Telles, para além dos homens das modalidades Moniz Pereira e Mário Patrício. Pelo contrário, a actual estrutura da SAD, compareceu em peso. Em contraste com a direcção, o conselho fiscal e a mesa da assembleia geral estiveram representadas pelos respectivos presidentes, Agostinho Abade e Rogério Alves, respectivamente. Donde, alguns membros do Conselho Directivo cessante referem que existem indícios de que a candidatura da dupla Bettencourt-Telles poderá representar uma tomada do clube pela SAD, acabando por constituir um corte em relação à actual linha de gestão. Para já, todos esperam pelos nomes que irão integrar a lista de Bettencourt para os órgãos sociais, nomeadamente para o CD.
Ora aqui está um tema que deveria motivar os jornalistas da imprensa desportiva a fazerem o seu trabalho com rigor, independência e profissionalismo, para que os sportinguistas fiquem devidamente esclarecidos. A avaliar pelos dados disponíveis, são cada vez mais claros os propósitos das duas candidaturas já no terreno, o que permite uma escolha clara no dia 5 de Junho.

quarta-feira, 20 de maio de 2009

ELEIÇÕES SCP Frases do dia 20-05-2009

“Modelo de Bettencourt é inspirado no FC Porto”
Título do I

“Temos de nos virar mais para os sócios.”
José Eduardo Bettencourt

“Poucos sportinguistas teriam a coragem de abandonar uma carreira promissora para vir trabalhar em full-time em condições muito inferiores.”
Agostinho Abade, presidente do Conselho Fiscal, sobre Bettencourt

“Não vamos ter sede de campanha, por uma questão de austeridade e clara falta de tempo. Em regime de voluntariado, estamos a fazer um site…”
Ernesto Ferreira da Silva, mandatário de Bettencourt

“O dr. José Eduardo Bettencourt é, de longe, o mais forte candidato a vencer as eleições do próximo dia 5 de Junho. Seguirá o seu projecto e, como futuro presidente do Sporting, terá total liberdade para fazer o que quiser."
Filipe Soares Franco

"O passivo do Sporting, em Julho de 2008, era 360 milhões de euros, dos quais 280 de dívida à banca. Agora são 340 milhões de euros, a não ser que os documentos que a Direcção nos facultou estejam errados!”
Paulo Cristóvão

"Prevemos uma valorização da Academia de 21 para 50 milhões de euros devido ao aeroporto. Pode trazer mais-valias para o clube."
Paulo Cristóvão

"Há mais de uma década que há uma monarquia escondida no clube, e nem falo dos presidentes. Para os adeptos ter duas opções e poder optar é um luxo. Espero debater ideias com José Eduardo Bettencourt."
Paulo Cristóvão

"Mal da candidatura que começa a falar no treinador...”
Paulo Cristóvão

“Concordo que Paulo Bento é um guerreiro, que tem coragem e enfrenta os inimigos, mas teve de ser ele a defender a honra do Sporting porque os dirigentes não apareceram. A estrutura não o protegeu, não o deixou pensar só nos treinos e nos jogos."
Paulo Cristóvão

“Atiraram-me pelas escadas abaixo.”
Dias Ferreira

“Lamentamos profundamente. São episódios que em nada dignificam o Sporting.”
Candidatura de José Eduardo Bettencourt

“Não está definido. Queríamos realizar acções junto dos sócios, em Lisboa e fora de Lisboa. Como as televisões são, fundamentalmente em Lisboa… É uma situação que terá de ser articulada.”
Ernesto Ferreira da Silva sobre os debates na TV

O LEÃO DA ESTRELA e as eleições no SCP

O LEÃO DA ESTRELA recebe inúmeros comentários denegrindo a imagem pessoal e profissional não só do candidato Paulo Cristóvão, como do candidato José Eduardo Bettencourt. Doravante, todos os comentários nesse sentido, ou seja, que não discutam o que está em causa (as ideias dos candidatos para o Sporting) e que contenham referências sobre a vida pessoal dos candidatos seguem directamente para o caixote do lixo.
Outros, alertam para o facto de o LEÃO DA ESTRELA não veicular ideias de José Eduardo Bettencourt para a gestão do Sporting. Confesso que ainda não sei quais são, a não ser que pretende implantar em Alvalade um modelo inspirado no FC Porto (que é um bom exemplo de gestão desportiva). De resto, o que se vê é o enorme andor do costume a empurrar um candidato que há poucos dias não tinha condições para ser, que agora - com a boca a fugir para a verdade ou recorrendo a uma ironia de mau gosto - diz que enganou toda a gente e revela-nos que a família lhe disse que estava “maluco” por trocar o seu bom emprego num banco pelo trabalho a tempo inteiro no Sporting.
De resto, a chamada lista do “continuismo” (que vai carregar sempre o pecado original da continuidade e do modo torto como nasceu, independentemente das qualidades pessoais do candidato à presidência) prima justamente pela falta de ideias novas e apenas discute pessoas (para além, é claro, do ordenado do futuro presidente e da necessidade de um presidente a tempo inteiro - curiosamente uma lacuna leonina desde sempre sublinhada pelo LEÃO DA ESTRELA).
A verdade é esta. E o exemplo foi dado pelo próprio José Eduardo Bettencourt, ao colocar como uma das principais condições a continuidade do treinador Paulo Bento, que considera ser capaz de levar o Sporting ao título “com mais uns treinos”... Ora, isso não é uma ideia. Isto é a fulanização do Sporting (a acrescentar ao facto de a candidatura de Bettencourt ter partido não da sua vontade própria, mas das garantias dadas por um banco que é credor do clube...), o que não prenuncia um bom caminho. Havendo ideias novas (e compreende-se que Bettencourt esteja mais preocupado em formar as listas), e não lugares comuns, elas serão, naturalmente, veiculadas e analisadas.
O LEÃO DA ESTRELA recebe também inúmeros comentários e e-mails de sportinguistas exigindo que este blog revele qual o candidato que apoia. Não é importante, mas fiquem sossegados, que, na altura certa, e depois de conhecidos todos os candidatos, espero tomar uma posição, fundamentando a escolha. De qualquer modo, é bom lembrar que o LEÃO DA ESTRELA não é obrigado a isso. Este blog é de um simples adepto, que não tem nada a ver com nenhuma das candidaturas, que sente amor ao Sporting desde que se conhece, que não tem culpa de fazer o blog mais lido do universo sportinguista – cuja declaração de princípios, aliás, já publicou. Ora, se é o blog mais lido – com uma média superior a mil visitas diárias, numa subida de audiência gradual desde a temporada 2006-2007 – é porque as suas opiniões livres e as suas escolhas editoriais agradam a um número cada vez maior de sportinguistas e a muitos adeptos do futebol.
Enquanto for possível – e não faltam blogs do Sporting que, por este ou aquele motivo, encerraram – o LEÃO DA ESTRELA, que tem coração e não é acéfalo, continuará a fazer o seu trabalho próprio, defendendo o Sporting Clube de Portugal e estando acima dos conflitos entre as partes. De resto, o mundo não corre o mínimo risco de acabar no dia 5 de Junho, ao contrário do que muitos pensam. E isto é apenas o clube desportivo de que gostamos. A vida é muito mais do que um clube desportivo, por muito grande e por muito antigo que ele seja. E o candidato que vencer as eleições, no próximo dia 5 de Junho, será, certamente, o presidente de todos os sportinguistas, incluindo, do autor do LEÃO DA ESTRELA. Disso não tenham dúvidas.
Por uma razão: ao fim de muitos anos, os sportinguistas podem, finalmente, escolher dois caminhos alternativos para o clube. E os dois candidatos já no terreno oferecem condições para um bom debate sobre o Sporting e dão mostras de que são a garantia de que o clube terá futuro.

terça-feira, 19 de maio de 2009

A melhor resposta de Dias Ferreira

Dias Ferreira só tem um caminho a seguir se quiser dar a melhor resposta aos cobardes que o agrediram: é candidatar-se à presidência do Sporting Clube de Portugal! Que não lhe falte a coragem. Porque apoios não lhe faltam. E os energúmenos que o atacaram fizeram o favor de lhe arranjar muitos mais.

O carácter de José Eduardo Bettencourt

"Uma palavra especial para Pedro Souto. Foi muito correcto. Já lhe disse que lamento por ter sido induzido em erro, mas foi tratado da mesma forma que a minha mulher, a minha família e o meu patrão, enganei-os a todos."
"O Jogo", 19-05-2009

"Realmente disse-lhe que nunca avançaria. Mas estava mesmo convencido de que não iria a votos. Lamento ter enganado o doutor Pedro Souto, que tem ideias muito válidas. Mas enganei-o a ele, enganei a minha família, até o meu chefe. Enganei toda a gente."
"A Bola", 19-05-2009

LER MAIS SOBRE BETTENCOURT NO "LEÃO DA ESTRELA":

14-01-2008 Bettencourt: mais do mesmo...

26-03-2009 O regresso de Bettencourt

ELEIÇÕES SCP Frases do dia 19-05-2009

"Sei o que perdi, não sei o que vou ganhar. Ainda não falei com a Comissão de Vencimentos."
José Eduardo Bettencourt, candidato à presidência do Sporting

"É o produto final de um processo de sete ou oito avanços e recuos."
Paulo Cristóvão, sobre a candidatura de Bettencourt

"Não sei qual é a sua intenção. Não sei se quer a SAD dona do Sporting ou o Sporting dono da SAD."
João Rocha, antigo presidente do Sporting, sobre Bettencourt

"Não é possível gerir o clube em part-time."
José Eduardo Bettencourt

"Bettencourt não pôs nenhuma condição em termos financeiros para ser presidente."
Ernesto Ferreira da Silva

"Ordenado? A família disse-me que estava maluco."
José Eduardo Bettencourt

"Se for presidente [Paulo Bento] é parte fundamental. Temos condições para ficar em primeiro no próximo ano. Paulo Bento é um guerrilheiro."
José Eduardo Bettencourt

“Lamento tê-lo induzido em erro, mas foi tratado da mesma maneira que a minha família: enganei-os a todos."
José Eduardo Bettencourt, referindo-se ao facto de der dito a Pedro Souto que não seria candidato

"Bettencourt é um candidato forte, que tem carisma no seio da família sportinguista."
Luís Aguiar de Matos, candidato ao Conselho Leonino da candidatura de Paulo Cristóvão

"Vendemos mal aquilo que fazemos e tenho a obrigação de explicar melhor o projecto. Posso unir a família sportinguista e a minha disponibilidade é total."
José Eduardo Bettencourt

"Saí do jantar e o cenário colocado era que avançava eu ou o dr. Carlos Barbosa da Cruz."
Dias Ferreira

"Se eu não avançar, afasto-me por completo. Mas não tenho qualquer sinal no sentido de que não deva avançar. Estou confuso. Nos próximos dias anuncio a minha decisão final."
Dias Ferreira

"Nestes quatro segundos lugares faltou alguma sorte. Com Paulo Bento e mais uns 'treinos' seremos campeões."
José Eduardo Bettencourt

"Sexta-feira às 19h00, aqui no auditório [de Alvalade], explicamos milhão por milhão. Vamos abordar as finanças e o património e explicaremos de onde vem o número de 340 milhões."
Paulo Cristóvão

"Pedro Souto abdica de ir a votos."
"O Jogo"

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Quando um buraco de 340 milhões não é notícia...

A comunicação social portuguesa está quase toda rendida à "monarquia do Sporting" (uma expressão feliz do comentador desportivo Rui Santos). Longe vão os tempos em que os jornalistas eram os primeiros defensores da ética e da verdade. Hoje, defendem-se lóbis e interesses instalados, pessoais ou de grupo. Vem isto a propósito de uma novidade muito grave sobre a situação económico-financeira do Sporting, que foi ignorada nas primeiras páginas dos jornais desportivos desta segunda-feira.
Em conferência de imprensa, Paulo Cristóvão, único candidato à presidência do Sporting no terreno (dado que as notícias sobre Pedro Souto vão no sentido da desistência e Bettencourt ainda não falou), revelou neste domingo que o passivo consolidado do clube ultrapassa os 340 milhões de euros. Significa isto que o valor da dívida leonina é muito mais alto do que aquilo que tinha sido dito aos sócios até agora. São muitos milhões de euros a mais.
De qualquer modo, para a imprensa, nada disto é novo e nada disto merece mais do que uma nota de rodapé. O que interessa é encher as primeiras páginas e as páginas inteiras do interior dos jornais com relatos sobre as jogadas de bastidores e as traições que se fazem para encontrar um candidato do "continuismo". Nem que esse continuismo seja definido por um banco credor, fazendo com que o Sporting se torne num parceiro da banca, eternamente endividado, em vez de a banca se tornar num parceiro do Sporting.
A democracia e a liberdade ainda não chegaram ao futebol. Não admira. Não é por acaso que uns são campeões e outros têm de se contentar com o segundo lugar. Do mesmo modo, uns candidatam-se a eleições e são considerados "fortíssimos" mesmo antes de falarem. Outros, apresentam ideias e projectos e continuam a não contar para nada. O futebol português continua ao contrário. E o Sporting não foge à regra do "sistema".

sábado, 16 de maio de 2009

À medida de Liedson

Num jogo de fim de estação, o Sporting, com o segundo lugar definido, venceu o Marítimo, na Madeira, por 2-1, com Liedson a marcar os dois golos leoninos. Assim o avançado brasileiro do Sporting continua de olho no título de melhor marcador. Em causa está ultrapassar o seu compatriota Nené, do Nacional da Madeira, que se desloca a Alvalade na última ronda. Liedson tem 17 golos e Nené 19. Não é fácil, mas é possível. E Liedson, que é um exemplo de dedicação colectiva, merecia a glória pessoal. FOTO: AFP - Getty Images (Arquivo)

O salário do presidente e a solução do BES

José Maria Ricciardi, presidente do BES Investimento e vice-presidente do Conselho Fiscal do Sporting: o homem que convenceu José Eduardo Bettencourt a candidatar-se ao Sporting, assegurando-lhe que não ficará lesado pessoal ou profissionalmente caso chegue a presidente do clube, como se pode ler aqui.
>
Caso se confirme a candidatura de José Eduardo Bettencourt, a questão da remuneração do futuro presidente do Sporting ameaça tornar-se num dos temas centrais da campanha. Desde logo porque mexe com dinheiro. E logo com o dinheiro que o candidato a presidente vai ganhar no final do mês. E como estamos numa campanha eleitoral, o debate pode transformar-se numa batalha de surdos muito barulhenta e pouco esclarecedora.
Num ponto estamos de acordo. Um presidente de um clube com a dimensão do Sporting tem de trabalhar a tempo inteiro, o que implica, obviamente, ser pago na justa medida do seu trabalho e da importância do cargo que exerce. Os partidos políticos já fizeram esse caminho. A presidente do PSD, Manuela Ferreira Leite – para quem não sabe, sportinguista e irmã de Dias Ferreira – tem um vencimento como líder do partido equivalente a um ministro de Estado. A questão é esta: as pessoas não vivem de ar e vento. E as instituições, políticas ou desportivas, já não podem estar à mercê do poder solitário de um mecenas.
Voltando ao Sporting, não faz qualquer sentido que o presidente do clube, em nome do espírito associativo consignado nos estatutos, não possa ser remunerado, mas que o presidente e os administradores da SAD que gere o futebol sejam bem remunerados. E, muitas vezes, muito bem remunerados em relação aos resultados desportivos…
O problema do Sporting é que a questão foi mal introduzida. De Paulo Cristóvão já sabíamos que iria ter um vencimento, mas que decorreria do seu exercício como presidente da SAD, caso venha a ser eleito presidente do clube. De Paulo Souto ficámos a saber que, caso avance mesmo e ganhe as eleições, será um presidente sem remuneração, o que não abona nada em favor da dignificação do exercício das funções. De José Eduardo Bettencourt, ficámos a saber pela imprensa que tem como condição ganhar o mesmo que aufere no Banco Santander, o que, segundo os jornais, não é inferior a 800 mil euros por ano, verba equivalente aos ordenados mais altos da equipa de futebol. E o problema está aqui. Não tem de ser o Sporting a ir de encontro ao salário que um candidato ganha na vida privada. Tem de ser ao contrário: o candidato, quando decide candidatar-se, tem de fazer uma escolha. Tem de saber quanto vai ganhar no clube e tem de comparar com aquilo que ganha na sua profissão. E decidir se quer abandonar a vida privada para se tornar presidente do Sporting. Assim é que seria correcto.
Pela voz de Paulo Cristóvão – que também não abordou bem a questão ao dizer que seria preferível construir um pavilhão em vez de pagar o ordenado de Bettencourt… –, soube-se agora que os 800 mil euros (a verba que foi noticiada na imprensa, que nem foi a mais alta…) alegadamente exigidos por José Eduardo Bettencourt correspondem a quatro salários de Pinto da Costa, o presidente-campeão do FC Porto. E este ponto é muito sensível, sendo susceptível de gerar enorme polémica, que poderá complicar a vida à previsível candidatura de Bettencourt.
Mais uma vez, é uma questão de bom senso: o Sporting não pode pagar principescamente aos seus dirigentes e, ao mesmo tempo, ser o clube dos três “grandes” com o orçamento mais baixo para a equipa de futebol. Mais: o Sporting, que não ganha o título nacional há sete anos e não tem conseguido rendibilizar devidamente os seus activos no futebol, não pode pagar aos seus dirigentes quatro vezes mais do que paga o FC Porto, que ganha campeonatos sobre campeonatos e lucra muito dinheiro na compra e venda de jogadores.
Donde, importa que os candidatos à presidência do Sporting Clube de Portugal apresentem um estatuto remuneratório para os dirigentes leoninos adequado à realidade do clube. Deixo uma sugestão para debate, no que diz respeito à remuneração do presidente: para dar um exemplo de ética e rigor ao País, o salário-base do presidente do Sporting deveria ser igual ao do Presidente da República. A esse montante acresceriam prémios por cada título conquistado em todas as modalidades. Por exemplo: se fosse campeão nacional de futebol, ganharia como prémio 1 por cento do orçamento do futebol. Num orçamento de 25 milhões de euros, seria um prémio de 250 mil euros. A vitória na Taça da Liga, seria premiada com uma percentagem do prémio financeiro a receber da Liga. A vitória na Taça de Portugal a mesma coisa. No fundo seria aplicar o mesmo princípio em que se baseia o financiamento dos clubes por parte da UEFA: em função dos resultados. Nas modalidades, funcionaria o mesmo esquema. No final, se um presidente ganhasse muito dinheiro é porque o Sporting seria campeão em muitas modalidades. FOTO: Ionline

ELEIÇÕES SCP Frases do dia 16-05-2009

"Relativamente ao anúncio da possibilidade do dr. José Eduardo Bettencourt, tenho de confessar que não acredito que seja verdade. Sempre o considerei uma pessoa muito responsável e serena e afirmou repetidamente que por razões pessoais e profissionais não poderia estar disponível para um cargo tão exigente."
Tomás Aires, vice-presidente do Sporting com Sousa Cintra, "Record"

"Acresce o facto de terem vindo a público declarações de Filipe Soares Franco em que, face à insistência das pessoas que consideravam que estava a fazer um trabalho magnífico – opinião que subscrevo –, ele decidia não se recandidatar, pelas mesmas razões de José Eduardo Bettencourt. Após pedidos de vários sectores, ele veio a admitir reconsiderar, mesmo arriscando a sua imagem, mediante duas condições, e uma era a continuidade da estrutura do futebol, onde se incluíam José Eduardo Bettencourt e Miguel Ribeiro Teles. Eu, que sempre os considerei pessoas credíveis e de responsabilidade, não posso acreditar que tivessem inviabilizado a recandidatura de Filipe Soares Franco para agora, surpreendentemente, se disponibilizarem. É por isso que não acredito que essas notícias tenham algum fundo de verdade."
Tomás Aires
>
FOTO: "Record Online"

Ideias de Paulo Cristóvão

“Acompanho a ausência de militância com apreensão. Identifiquei situações como excesso de numerologia e défice de paixão e entendo que aos sócios deve ser deixada a palavra final nas grandes decisões.”

“Há anos, quando o Sporting era roubado, só por raiva, os sócios faziam fila na secretaria à segunda-feira acompanhados de amigos para os tornar sócios. A isto chama-se militância, mas isso cultiva-se, não sai por decreto.”

“Um associado não pode ter do outro lado alguém a dizer-lhe que privilegia clientes a sócios ou accionistas a sócios. Os associados não podem ser uma maçada, um núcleo que emperra o andamento do clube. Quando tudo isto é retirado, a vontade de ser sócio esmorece. Temos 25 200 heróis com a quota em dia, com 96 mil inscritos. Eles são o nosso principal alvo. Não são Academias nem VMOC nem SAD o nosso património. É a nossa gente! Eles é que são os verdadeiros notáveis.”

“Os sportinguistas que gostam de horseball têm de ter presente que há muitos outros que gostam de jogar às damas e à sueca. O Sporting é transversal à sociedade, no bem e no mal. Temos adeptos que estão muito bem na vida, mas não façam deles o espelho do que é o Sporting. Não são!”

“No outro dia um sócio relativamente jovem devia um número de quotas considerável e, como acreditou em mim, quando ainda nem tinha lista, na última AG, veio ter comigo à entrada e mostrou-me que tinha pago 190 euros para me dar quatro votos. Disse-me que ia passar mal em casa naquele mês. Isto é que é o Sporting!”

“O Benfica tem a falácia dos seis milhões, mas é a sua bandeira; o FC Porto tem uma cultura bairrista, que, gerida com competência, é vitoriosa. Precisamos da nossa bandeira, que são os nossos adeptos, a nossa gente, que tem de regressar. Não precisamos de nos agarrar a uma cidade, a uma região ou a um número. Temos os melhores e mais ordeiros adeptos do Mundo.”

“Já passámos a época de Jorge Gonçalves, das unhas, etc. Os sócios são pessoas atentas e informadas e sabem que esse tipo de discurso já não colhe. Nunca o seguiria. Aliás, não prometo que o Sporting seja campeão para o ano, pois entendo de futebol. Quem de futebol nada percebe é que o diria. Todos os candidatos que vi chegarem a dizer isso, falharam. Só José Roquette teve a sensatez de dizer que não seria campeão no imediato, mas o tempo trouxe-lhe títulos mais tarde. Teve razão. Mas não falo sobre eventuais reforços.”

“É preciso sermos sinceros e não utilizarmos o nome de Paulo Bento para ganhar votos. Seria desonesto ir por aí. Ele é um grandíssimo profissional, com contrato, e não deve ser usado nesta campanha. Admiro-o muito. Pese embora a ausência de títulos, tem colhido simpatia junto dos sócios por desempenhar o seu papel e o de outras pessoas que estão acima dele hierarquicamente. É um homem a quem se deve dizer obrigado, quer continue ou não, e o Sporting deve curvar-se perante o seu trabalho. Defendeu a honra de um clube e de três milhões de sportinguistas, quando se devia preocupar só com questões técnicas, com os treinos, com o bem-estar do plantel, com o comando da equipa a partir do banco. Teve de fazer muito mais porque outros se furtaram a dar o peito às balas...”

“O Sporting tem das melhores escolas de formação do Mundo, mas o que ela rende em termos de dinheiro é contraditório. Os dois melhores do Mundo que saíram das nossas escolas, Figo e Ronaldo, foram vendidos da forma que foram. Temos de rentabilizar os activos.”

“Falo de Manuel Fernandes, Mário Jorge e Carlos Xavier. Comigo vão voltar e trabalhar connosco. Têm de voltar à casa da qual nunca deviam ter saído. Por muito respeito que me mereçam, custa-me ver benfiquistas à frente de certas áreas no Sporting...”

“Queremos gente competente que chora quando o Sporting perde. Esses nunca me vão trair a mim ou ao clube.”

“Não me esqueço de quem financiou o pavilhão do FC Porto e o centro de estágio do Benfica. Que o Estado se lembre que existe um clube chamado Sporting Clube de Portugal. Não concebo é um pavilhão em Carnide. Não pode ficar a mais de mil metros da casa-mãe. É importantíssimo e urgente.”

“Aliás, somos os únicos a defender o reforço das nossas garantias patrimoniais para os nossos credores. Adicionamos ao património existente um pavilhão e valorizamos a Academia. (…) O Sporting deve esperar por essa valorização e resolver o défice de tesouraria, que é o seu grande problema, não o passivo.”
Paulo Cristóvão, candidato à presidência do Sporting, "O Jogo", 14-05-2009

sexta-feira, 15 de maio de 2009

ELEIÇÕES SCP Frases do dia 15-05-2009

“José Eduardo Bettencourt, de 48 anos, é candidato a presidente nas próximas eleições do Sporting e já falou com Paulo Bento tendo em vista a continuidade do técnico em Alvalade.”
“Record”

“Nesta altura, aguardamos uma resposta de José Eduardo Bettencourt Disse-nos que não iria avançar e queremos que explique este volte-face.”
Candidatura de Pedro Souto

“José Eduardo Bettencourt define nas próximas horas se avança ou não para a presidência do Sporting. Mas uma coisa é certa: as regras do jogo alteraram-se. É que, depois de ter recusado a possibilidade no final de Março, o vice-presidente da direcção e ex-administrador da SAD está tentado a recuar nas intenções. E José Maria Ricciardi, líder da Comissão Executiva do BES Investment, foi a chave na súbita alteração de planos.”
I Online

“Acho que não fui respeitado."
Dias Ferreira

“Continuo a seguir o meu caminho”
Pedro Souto

“Se fosse presidente renovava com Derlei, Bento e… Liedson”
Liedson

“Continuidade de Tiago Pinto está muito difícil.”
“A Bola”

“Em defesa dos superiores interesses do Sporting, serei sempre parte da solução e nunca parte do problema.”
Carlos Cruz

O ordenado do presidente do Sporting

Segundo relata a imprensa, José Eduardo Bettencourt candidata-se a presidente do Sporting impondo como uma das condições, caso seja eleito, ser remunerado e ganhar pelo menos aquilo que ganha no Banco Santander. Qualquer coisa como 800 mil euros por ano. A verba não está em causa. É muito melhor ganhar um ordenado de forma transparente, do conhecimento de todos, do que ganhá-lo por baixo da mesa. A verba em causa está ao nível dos vencimentos dos jogadores mais bem pagos do plantel. Nada de escandaloso, tendo em conta que quando estamos a falar de um presidente do Sporting estamos a imaginar um homem a trabalhar pelo clube e a pensá-lo 24 horas por dia. E como queremos sempre um bom presidente, é natural que seja bem pago. O que deve é ser criado um tecto salarial para as várias funções dos administradores da SAD.
Curiosamente, também Paulo Cristóvão anuncia que será um presidente a tempo inteiro, pelo que, caso seja eleito, ganhará o seu ordenado como líder da SAD, dado que também anuncia que será o responsável pelo futebol. Só Pedro Souto, num assomo de populismo barato, revelou que não seria um presidente remunerado.
A questão do ordenado do presidente do Sporting é já um ponto muito positivo no processo eleitoral do Sporting. Pela primeira vez, é quase certo que o Sporting terá um presidente a tempo inteiro, que, legitimamente, será remunerado por isso. Ora, um dos problemas estruturais do clube tem sido a ausência de quem manda por afazeres profissionais. Soares Franco chegou a dizer que dedicava uma hora por dia e que delegava na equipa dirigente. Também Roquette e Dias da Cunha tinha a sua vida para ganhar noutro sítio e delegavam nos chamados gestores profissionais...
Agora, o que é preciso também é ter a coragem de mudar os estatutos do Sporting Clube de Portugal, no sentido de permitir uma contribuição do Sporting-clube para o ordenado dos seus dirigentes na justa medida das suas funções executivas. Os tempos são de grande exigência e profissionalismo.

ELEIÇÕES SCP Novo inquérito online

O LEÃO DA ESTRELA lança um novo inquérito online sobre as eleições no Sporting. A escolha é entre José Eduardo Bettencourt, Paulo Cristóvão e Pedro Souto.

Paulo Bento é quem manda

Se decidir avançar, José Eduardo Bettencourt é um candidato forte à presidência do Sporting, não só por si próprio, mas também por contar com o apoio do regime vigente no clube, o tal continuismo. De repente, as pessoas esqueceram os compromissos falhados por Soares Franco, nomeadamente o falhanço desportivo que foi a época que agora termina - a tal época em que o Sporting queria ser campeão, lembram-se?... -, iludido apenas com a vitória da Supertaça e o habiual segundo lugar na Liga - que não chegam para nada num clube que queremos exigente e ambicioso.
José Eduardo Bettencourt é, certamente, diferente de Filipe Soares Franco. Casa dirigente tem o seu estilo e as suas ideias próprias. Mas, no Sporting, o mundo persiste em continuar ao contrário. Segundo relatam os jornais desta sexta-feira, o treinador Paulo Bento aprova a hipótese Bettencourt para a presidência do Sporting. Não sabemos que tinha chumbado outros candidatos. Mas sabemos que aprova Bettencourt, depois de Bettencourt ter falado com ele. "Técnico já deu o "sim" ao candidato do consenso", noticia o "Record".
Paulo Bento tem defendido o Sporting como ninguém. E não precisa de ser sportinguista para defender o clube. Basta-lhe ser um profissional sério e dedicado ao trabalho e à entidade patronal que lhe paga no final do mês. O que não está certo é que o treinador apareça em privado ou em público a aprovar ou a desaprovar um candidato a presidente do clube. Isso não se admite nem num clube do futebol regional (para não mencionar o FC Porto...). Ele não tem culpa, certamente. Os dirigentes ditos competentes é que insistem na asneira de se colocarem prisioneiros do treinador. Bom para o treinador, mau para o clube. Bettencourt ainda não é candidato, mas já está "controlado" por Paulo Bento. No Sporting, o mundo continua ao contrário. Depois queixem-se das vitórias do FC Porto... FOTO: "Público Online"

quinta-feira, 14 de maio de 2009

ELEIÇÕES SCP Frases do dia 14-05-2009

"Se Bettencourt apresentar a candidatura não será na linha de Soares Franco porque conheço-o muito bem e sei o trabalho notabilíssimo que ele fez na SAD do Sporting. É um grande sportinguista, mas sei que quando se afastou o fez por razões fortes, pessoais e profissionais."
Dias da Cunha

Paulo Cristóvão e os "pavões anafados"

"[Pavões anafados] são pessoas vaidosas, agarradas a um lugar, que, vivendo em democracia, não concebem a hipótese de outro ocupar o seu lugar. É uma figura de estilo. Vaidade não é pecado, faz bem ao ego. Mas há vida para além deles. E gostava de deixar claro que não me refiro a Soares Franco, mas sim a uma autodenominada elite que gosta muito de certas coisas que o Sporting lhe confere, mas que nunca deu, nem dá, nada em troca ao clube."
Paulo Cristóvão, "A Bola", 14-05-2009
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...