domingo, 21 de fevereiro de 2010

Bettencourt e a gestão desportiva

O QUE O BLOGUE "LEÃO DA ESTRELA" ESCREVEU HÁ 8 MESES
(Um texto que, incrivelmente, continua bem actual)...

José Eduardo Bettencourt é apenas mais um entre os vários dirigentes da chamada “linha de Roquette” que nos últimos anos não conseguiram evitar que o Sporting fosse atirado para a pré-falência, ao terem partido de um défice de 30 milhões de euros, em 1995, que já disparou até 360 milhões (na versão conhecedora de Bettencourt).
Neste tempo, o “Projecto Roquette” construiu um estádio, mas hoje o Sporting deve quase três. Fez a Alvaláxia – prometida como um centro comercial moderno que seria a grande alavanca potenciadora de uma gestão de sucesso do estádio – mas acabou por vendê-la ao desbarato por não ter sabido geri-la. Prometeu um pavilhão e não o fez. Vendeu património imobiliário. Teve uma fábrica de talentos que produziu e vendeu, umas vezes bem, outras vezes mal, atletas como Simão Sabrosa, Hugo Viana, Cristiano Ronaldo, Ricardo Quaresma, Nani… Para além de ter negociado saídas de jogadores como Naybet, Amunike, Sá Pinto, Delfim, Aldo Duscher, Custódio, Joseph Enakarhire, Deivid…
Nestes 14 anos, o Sporting não soube rendibilizar devidamente jogadores como Nuno Valente, Caneira, Peixe, Dani, Beto, Porfírio, José Dominguez, Paíto, Toñito, Rodrigo Tello, Danny, Lourenço, Silvestre Varela, Tinga, Beto (guarda-redes), entre outros. Isto sem falar das caríssimas estrelas sul-americanas que enganaram tudo e todos nos loucos tempos de Norton de Matos. Foi por essa altura que Dias Ferreira – agora candidato a presidir à assembleia geral – patrocinou uma acção judicial contra o Sporting, em representação de Carlos Queirós, que rendeu uma verba considerável ao actual seleccionador nacional. E sem falar na frustrada aposta na prospecção internacional de jovens talentos, mais actual, que só resultou em fracassos: Yannick Pupo, Alison Almeida, Luiz Paez e Ronny, que não se afirma na equipa principal…
É a má gestão dos recursos humanos de que fala Jorge Sampaio, sendo motivo de profunda reflexão o facto de o Sporting não saber explorar ao máximo as suas potencialidades próprias, não obstante ter sido servido por tanta gente ilustre e conhecida da banca e da gestão. Tudo isto, deu resultados desportivos abaixo das expectativas. Dois campeonatos (um em cada sete anos), 3 Taças de Portugal e 5 Supertaças.
Agora, Bettencourt, que até já berra frases como “Até os comemos!”, fala em implantar em Alvalade “o modelo do FC Porto”, sem calcular como isso representa uma crítica forte ao que tem sido feito até agora no futebol do Sporting, pondo em causa o próprio Paulo Bento como treinador da equipa, não se percebendo, portanto, porque escolhe o mesmo treinador para um ciclo que apresenta como totalmente novo em relação ao passado recente. Por outro lado, está a dizer aos sportinguistas que, com Bettencourt na presidência, a subserviência face ao poder do Norte vai continuar. E a prová-lo até já disse que Pinto da Costa daria um bom presidente da Liga de Clubes.
Lá entre as duas margens do rio Douro, de onde em tempos passava a ponte rumo ao Sul e já estava a perder (enquanto hoje passa a ponte para trabalhar para os títulos em Vila Nova de Gaia), Pinto da Costa deve dar gargalhadas de contentamento, só em pensar na hipótese de o Sporting continuar a ser dirigido pelos bons rapazes do costume que, incapazes de derrotá-lo por qualquer dos meios disponíveis, querem agora imitá-lo, como quem se junta aos bons para ser como eles. Só que isso significa vender o esforço, a dedicação, a devoção e glória do Sporting a um preço muito abaixo do seu valor no mercado. Como tem acontecido nos últimos anos. A troco de umas taças e do crónico segundo lugar.
Um Sporting como está é o que interessa ao FC Porto, como esclareceu o portista Rui Moreira no programa "Trio de Ataque" (RTP) e é também o que interessa ao Benfica, como demonstra a azia do benfiquista José Manuel Delgado, de "A Bola", ao dissertar sobre um alegado "não" de Eriksson ao candidato Paulo Cristóvão. Como se Eriksson pudesse andar por aí a dizer que vai para o Sporting sem saber quem vai ganhar as eleições...
LEÃO DA ESTRELA, 03-06-2009

12 comentários:

Anónimo disse...

Amigos, recomendo a leitura e analise deste post sobre o nosso clube... à muito que não lia nada tão correcto e racional ... pode doer mas ...



http://qhadenovonomercado.blogspot.com/

A.C. disse...

Dias Ferreira é um portista convicto que defende o seu clube todas as semanas. e para quem defende o modelo a porto não e por acaso que pagamos para de la tirar o postiga e damos o varela e cedemos o micael. essa corja como o presidente e eduardo barroso e rui oliveira e costa ja anda ha 4 anos a festejar titulos do cabeças gordas(porto)e este ano orgulham-se de apoiar o braga. ninguem quer ganhar titulos pelo sporting, so viagens e jantares nos nucleos.

Anónimo disse...

É por causa dessas marias donas que se estão a governar a custa do sporting que o clube na miseria. Mas o maior problema é que eles não largam são como os parasitas estão agarrados e não descolam. Há muita falta de dignidade la para aquelas bandas

Sporting até morrer disse...

Caro LdE,

A essa crónica, sem dúvida actual mesmo 6 meses depois, junto os números desta miserável época que ficará na nossa história pela piores razões.


In Record:
"O Sporting corre o risco de terminar a liga com a pior média de golos marcados da história do clube. Naquele que foi, no conjunto de todas as provas, o sétimo jogo dos leões sem ganhar, o Sporting apresenta o saldo de um golo por jogo, números inéditos desde a década de 30 do século passado, que marca o início da competição.

Nas muitas edições da prova desde então, o mais perto que o Sporting esteve deste patamar foi nos anos 60, por duas vezes, e na temporada de 1989/90. Ainda assim, os 35 e 36 golos marcados em 26 encontros, em 1966/67 e 1968/69, ou os 42 em 34 partidas, há 20 anos, estão longe do escasso pecúlio obtido por Paulo Bento e Carlos Carvalhal (Leonel Pontes dirigiu a equipa num único jogo) ao longo da prova.

A situação é tão ou mais grave se analisarmos o percurso do Sporting longe de Alvalade. Nessa condição, o ataque dos leões, com 9 golos em dez jogos, apenas supera o de cinco adversários:Olhanense (8), V. Setúbal (8), Leixões (5), Belenenses e Naval (3).



Além desta "magnífica" marca, chamo a atenção para o facto de estarmos também em vias de bater um novo record de pontos perdidos em casa.

Com 2 pontos para a vitória e 1 para o empate, obtemo como pior registo de sempre o que foi feito na temporada de 2002/03 com média de 1,23 pontos resultantes de 8V 5E 4D em 17 jogos.

Este ano estamos com 4V 3E 3D em 10 jogos, o que dá uma média de 1,10 pontos...

Este plantel, treinadores e dirigentes estão a querer mesmo fazer parte da história do Sporting...mas pelas piores razões possíveis

SL

Anónimo disse...

Excelente post!!!
JEB e seus comparsas até vão ficar com dores menstruais ao lerem tão sábias frases!!

bicho disse...

Saudações.
Considero que alguém tirou tempo para gozar com a família Sportinguista. Encontramos-nos no fundo-do-poço e, o Bettencourt ainda nos pisa na cabeça. A desorientação, parece-me a mim, vem do topo.
A culpa não é dos atletas nem do C.Carvalhal, que foi convidado pelo homem do leme. A culpa não é do Sá Pinto nem do Liedson, que sucumbiram à pressão dos maus resultados. À que chamar os cães pelo nome, e responsabilizar o presidente por este momento péssimo!!!

hjssp disse...

Tudo isso é verdade, mas se em 14 anos de projecto Roquette ganhámos "dois campeonatos (um em cada sete anos), 3 Taças de Portugal e 5 Supertaças" em 13 anos de pré-roquettismo ganhámos zero Campeonatos (0 em cada 7 anos), uma Taça e uma Supertaça. Também desperdiçamos jogadores como o Figo (que não saiu a custo zero porque ainda não havia Lei Bosman), o Balakov (que saiu por tuta e meia para o Estugarda), o Cadete, o Poejo, o Filipe, o Amaral, etc.

Com isto não quero dizer que o Sporting está bem e recomenda-se e que não precisa de mudar. Não me parece é que isso passe simplesmente pela mudança de direcção ou de política directiva. Dizer que o Sporting mais que decuplicou o passivo é uma verdade, mas se calhar todos os grandes clubes fizeram o mesmo.

Mudar uma direcção é adiar o problema. Daqui a dois anos estávamos a criticar o novo projecto X ou Y e a suspirar pelos "dois campeonatos (um em cada sete anos), 3 Taças de Portugal e 5 Supertaças" do Roquette e a dizer que os novos directores são uns parasitas que vivem à custa do Sporting.

Não há uma solução linear para o Sporting. Na minha opinião, o Sporting devia apostar mais na formação moral dos miúdos de modo a que eles não cresçam a pensar em sair do Sporting; motivar as hostes com o fomento da rivalidade com Porto e Benfica; exercer um controlo mais rigoroso sobre os seus jogadores; não desfazer equipas vencedoras (como aconteceu em 2000 e 2002) e estar disposto a sujar mais as mãos com jogadas que embora legais deixem muito a desejar quanto à moralidade.

Numa coisa é que eu já não acredito: em salvadores da pátria.

Anónimo disse...

Mas como é possível mudar o actual panorama do Sporting?
- Tem dirigentes que estão ao serviço de Joaquim Oliveira, logo de PC, logo do chamado "sistema", logo nunca pode ganhar o título.

- É o bombo da festa no que respeita a contratações. Está sempre a levar com cromos que custam um balúrdio e não jogam nada.


- Qualquer clube substima o Sporting. Até a Académica, deu nega por Villas Boas, e o Nacional, está sempre a brincar com o Sporting.

- Às promessas de que vender o património tornava o Sporting mais competitivo, responde uma realidade que demonstra que não só não há património como nem sombra de equipa competitiva.

Já não há pachorra. Quem vier atrás que feche a porta.

o Pedro que procura Inês disse...

ILUSÃO DOS SÓCIOS julgarem que só grandes "personalidades" (construídas pelos média, berço ou "faces ocultas") é que podem dirigir o clube!

Mais valia lá termos 1 carteiro ou 1 funcionário público com o 12º ano a dirigir o clube que estes "profissionais" encartados.

Se calhar, o que o Sporting precisa, MESMO, é de recuperar a sua matriz popular assente numa - como diria... - "aristocracia de espírito".

O que está nos antípodas do que representam os actuais dirigentes: "aristocratas" da finança com mentalidades e competências "popularuchas".

Se é que estão a perceber o que quero dizer...

NÃO PRECISAMOS DE PERSONALIDADES. Apenas de Sportinguistas!

PG disse...

Concordo inteiramente com HJSSP.

Anónimo disse...

O Sporting neste momento está refém do(s) seu(s) presidente(s). Se não vejamos:
O clube quando Sousa Cintra saiu tinha um passivo de 40 milhões de euros, hoje, depois de anos e anos nas mãos de gestores e bancários são 400 milhões!!!
Começou em Roquette, quando saiu viu as costas serem tapadas por dias da cunha, Dias da cunha sai e entre soares franco para lhe guardar as costas e agora sai este e entre o cabelos brancos para tapas as costas ao franco.

Sabem por exemplo quantos pisos(!!!) tem neste momento a Opway (empresa de franco) no edifício visconde de alvalade sem pagar um tostão?! Investiguem.

Isto só acabará quando um dia esta cambada de golutões de bancários sair do Sporting e for feita uma auditoria externa ao clube. E quando isso acontecer, eles que fujam porque uns quantos não se deverão livrar da cadeia.

Ass. Luis Pinto

Anónimo disse...

Ò Luis pinto se sabes não dizes porquê? Se não sabes não inventes.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...