quarta-feira, 20 de outubro de 2010

A gratidão leonina, segundo Quaresma

"Nunca hei-de festejar contra o F.C. Porto. É um clube que amo."
Ricardo Quaresma, jogador do Beziktas, formado no Sporting

15 comentários:

Anónimo disse...

Este miserável esqueceu rápidamente onde matou a fome.
Também o por aqui idolatrado Moutinho será mais um dia destes a fazer afirmações semelhantes.

Paulo disse...

Mais, em toda a entrevista ao Público não há sequer um bocadinho para o tempo que passou no Sporting. Não foi perguntado, mas ele também não sentiu necessidade de referir....

Anónimo disse...

para mim não é novidade....pois só prova qual foi desde sempre a casa mãe....ou têm duvidas ???

Anónimo disse...

Para ler e reflectir:

"Numa das várias, e inquietantes, obras-primas de Luís Buñuel (neste caso, “Viridiana”), há uma sequência em que um cão, mal-tratado pelo dono, insiste ainda assim em seguí-lo com a fidelidade que só a sua espécie consegue expressar.
Entre os humanos assistimos, no entanto, a exemplos que conseguem, por vezes, aproximar-se desse registo. A postura do Sporting perante o FC Porto lembra-me frequentemente aquelas imagens, sendo aqui bastante fácil de distinguir o dono cruel e o animal amestrado.
Voa Paulo Assunção, voa Adriano, e o Sporting zanga-se com o Nacional da Madeira. Escapa João Moutinho, e o Sporting atira-se ao comportamento do jogador. Foge Ruben Micael, e o Sporting queixa-se do empresário. Perde Villas-Boas, e o Sporting lamenta a sua pouca sorte. Ouvimos Pinto da Costa a ridicularizar José Eduardo Bettencourt (sem falar do roupeiro Paulinho), e vemos o presidente portista no camarote presidencial de Alvalade. O FC Porto ganha 17 campeonatos em 25 anos, recorrendo às fórmulas mais obscuras (expostas nos casos Apito Dourado, Calheiros, Guímaro, “quinhentinhos”, e por aí fora), e o Sporting escuda-se no silêncio, permitindo que a ira dos seus adeptos se volte para o…Benfica.
Se não estivermos a falar de cães, sobrará apenas uma hipótese para entender isto: o Sporting e os sportinguistas olham para o FC Porto, não como um rival, mas como um parceiro útil no combate ao odiado vizinho, e regozijam-se com as suas vitórias, vendo-as como uma forma eficaz de evitar triunfos do Benfica. Aliás, na noite da comemoração de um dos últimos títulos portistas, foram vistas bandeiras verde e brancas nalgumas ruas de Lisboa, que não pareciam propriamente festejar o 2º lugar.
Esta peculiar atitude tem custado muito caro ao clube de Alvalade, que caiu, em apenas duas décadas, de segundo maior emblema português para um periclitante terceiro lugar na hierarquia do desporto luso. Isso, tal como os pontapés ao cão de Buñuel, pouco parece preocupar as suas gentes.
Mais do que um fenómeno desportivo, estamos aqui perante um verdadeiro “case-study” na psicologia de massas portuguesa

Anónimo disse...

«Naquele tempo, ser Benfica era escolher simbolicamente a liberdade. Enquanto os nossos adversários tinham a dirigi-los homens da Legião, deputados da União Nacional, magnatas e burocratas enfeudados no salazarismo, nós, no Benfica, tínhamos presidentes que tinham sido operários e sindicalistas, que tinham sido deportados e perseguidos pela PIDE, que não se resignavam à ditadura, antes pelo contrário [...]. Não, o Benfica nunca foi o clube do regime, foi sempre o clube que o regime teve de suportar a contragosto e de que, depois, se apoderou para, na sua propaganda, lhe parasitar a glória».

aNNóNNimo disse...

He!He!He!He!
He!He!He!He!He!He!
He!He!He!He!He!He!He!

Eles só se confessam depois de sairem do charco esverdeado e as pobres lagartixas reagem como se putos a quem roubaram os brinquedos!

TRISTES!

Anónimo disse...

Vindo de quem vem...nada que admirar. Como escreveu já alguém antes, os oiros e os perduncalhos que traz dependurados hoje já o fizeram esquecer a mão que lhe matou a fome no princípio. Próprio dos miseráveis de espírito e de carácter...

Luís A. disse...

Perante o silêncio cúmplice com que a Direcção do SCP e a maioria dos comentadores afectos ao clube de Alvalade acompanharam, nestes últimos anos, os castigos do processo do Apito Final e as absolvições do Apito Dourado, muitas vezes me tenho perguntado: será que já não há sportinguistas decentes, que não confundem o RIVAL com o INIMIGO?


Nestes últimos anos, depois de Dias da Cunha ter denunciado o SISTEMA e ter chamado os bois pelos nomes, a cumplicidade com o FCP por parte das direcções que se lhe seguiram (Filipe Soares Franco e, agora, Bettencourt) foi demasiado evidente: o inimigo era o Benfica e tudo o que servisse para atacar o Glorioso era bem-vindo, nem que para isso tivessem que pactuar com a batota e associar-se ao clube cujo presidente se gaba de ter deixado Bettencourt de mão estendida e lhes levou o Ruben Micael, o Moutinho e mesmo o treinador que eles julgavam que iam exibir este ano como um D. Sebastião: o Villas-Boas. E tudo o Porto levou!


A cumplicidade era tão grande que houve quem julgasse que a sigla SCP queria dizer Sporting Clube do Porto! Até ao ano passado, o SCP calou-se: não comentou os escandalosos resultados do Processo, não falou das escutas, pactuou com arbitragens indecentes, porque teve o segundo lugar garantido, e porque alguns sportinguistas sem brilho nem brio preferiam um segundo lugar várias vezes do que um primeiro de vez em quando! Desde que o Benfica ficasse atrás! Esta cegueira e esta obsessão reduziram o nosso grande rival a um clube de bairro, mergulhado numa crise de onde não se vê como vão sair, condenado a disputar um lugar na Europa ao Braga, ao Vitória de Guimarães ou ao Marítimo.


Mas, desde o ano passado, a coisa ganhou foros de delírio. Perante a evidência de um futebol brilhante, um treinador vitorioso e uma equipa confiante e ganhadora, que passeava a sua superioridade e sua classe pelos relvados, e que, sem batota, teria deixado os outros clubes muitos pontos atrás, era preciso arrasar o RIVAL, apoiando a vergonhosa campanha do FCP, matraqueada todos os dias com mentiras repetidas sobre os túneis e o andor, e que, à falta de argumentos, ressuscitava a indecorosa campanha contra o Calabote e reeditava a caluniosa campanha do “Clube do Regime”!
Nos tempos da Guerra Fria, os comunistas chamavam, com desprezo, aos que os apoiavam sem pedir nada em troca os “Idiotas úteis”. E, desde o ano passado, houve comentadores que se prestaram miseravelmente a essa vassalagem.


Ora, de há umas semanas para cá, quiçá por efeito da divulgação das novas escutas, houve alguns sportinguistas que acordaram e devolveram a decência à instituição: foi o caso do Jorge Gabriel, do Daniel Oliveira, do Alfredo Barroso e do José Diogo Quintela, que assinaram nos jornais e proclamaram na rádio que as escutas os indignavam e que, ao contrário do que outros vendem, a equipa do Sporting também foi prejudicada por arbitragens viciadas que a afastaram do título em épocas recentes. Aleluia! É tempo de os sportinguistas, mesmo que a sua Direcção se cale, perceberem que só poderão voltar a ser um grande clube quando a VERDADE DESPORTIVA voltar ao futebol, e isso implica aliar-se ao Benfica na luta pela independência dos órgãos que irão superintender à Arbitragem e à Disciplina e à decência dos seus membros, na próxima estrutura da Federação!


Sem isso, os nossos clubes vão continuar a ter que redobrar o esforço desportivo e financeiro para ganhar no campo contra todas as forças que, dentro e fora dele (a violência à volta dos estádios, os corredores do poder, os túneis, o apito e as bandeirinhas) fazem todos os possíveis para incendiar Lisboa e manter o poder no Norte.
ACORDEM LEÕES! OU SERÁ QUE ACHAM QUE, PARA ELES, VOCÊS NÃO SÃO MOUROS?!


António Pedro Vasconcelos

Rui disse...

É claro que todos amam o Porto. Alto rendimento físico e técnico, títulos conquistados e construção de grandes equipas. Treinadores que nunca ganhavam (quase todos os que passaram pelo Porto nos últimos 30 anos) que agora tb amam o Porto, amizades e alianças importantes no Futebol Português com o Boavista, Sporting e agora o Braga. Poder na Liga, na Federação poder e influência política... enfim uma gestão perfeita alicerçada naquilo que todos nós sabemos (frutas dopings e afins). Se nós somos um satélite do FC Porto como é que algum jogador vai reconhecer o SCPortugal.

Anónimo disse...

Toda a gente sabia que o Quaresma era do FCP e o Costinha e Maniche eram do SCP, etc. etc.
O Hugo Almeida é do SCP, por exemplo

Anónimo disse...

E o Postiga era lampião.

Anónimo disse...

Claro que ama o porto. É "cigano" como eles.

Anónimo disse...

Já jeitoso o moço está,com aquele ,pareceu-me, dentinho de ouro.
Ele devia era amar o filho que parece que teima em não aceitar.
Isso é que era.

Anónimo disse...

Um dia perguntaram ao Pitigrilli algo sobre uma personagem que ele considerava pouco séria e ele respondeu simplesmente ao interlocutor: "fale-me antes de gente digna..."
Aplica-se aqui na perfeição.

NUNO RAMOS disse...

LDE

Qualquer é o interesse de publicares as mensagens de quem não é da côr? Ainda se fossem mensagens construtivas, agora a gozarem com a nossa cara!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...