domingo, 31 de outubro de 2010

A noite de Jaime Valdés em Leiria

União de Leiria, 1 (Carlão)-Sporting, 2 (Jaime Valdés)

Sporting aplicou-se em Leiria e venceu com dois excelentes golos do chileno Jaime Valdés. A equipa leonina regressou às vitórias fora de casa e deu um pulo na classificação, ocupando agora o terceiro lugar.

FOTOS: Reuters

Bettencourt e a "volta ao bilhar grande"...

“Houve jogos em que fomos manifestamente infelizes e os pontos conquistados não traduziram a qualidade do futebol praticado. Sempre dissemos que, a qualquer momento, as coisas mudariam. E vão mudar, não tenho dúvida alguma.”

"Se os resultados não aparecerem, o presidente irá dar uma volta ao bilhar grande.”

“Não tivemos academias em terrenos oferecidos, nem condições excepcionais para levar a cabo certos projectos.”

“Não me importo que trocem de mim por exigir que quem está no atendimento público de um clube como o Sporting não possa usar calças de ganga.”

José Eduardo Bettencourt, no almoço comemorativo do Núcleo Sportinguista de Vendas Novas, 31-10-2010
FOTOS: "A Bola Online"

Tempos de glória


FONTE: GVMX

sábado, 30 de outubro de 2010

O relvado sintético de Alvalade

O que pensam da ideia de aplicar um relvado sintético no Estádio José Alvalade? Será que vai ficar por muito tempo? Ou será que vai ser substituído por um relvado natural uns tempos depois? E por que é que o raio da relva natural não pega em Alvalade, como pegou no Dragão ou na Luz? Ninguém está interessado em saber isso? É só no Sporting que tudo acontece, desde as dívidas aos bancos - que impedem uma folga financeira para investir numa equipa de futebol ao nível dos adversários Benfica e FC Porto - ao relvado que tem de ser convertido num piso sintético. Porquê?...

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Brumas de Alvalade

As lesões multiplicam-se na equipa de futebol profissional do Sporting Clube de Portugal. Parte delas são lesões musculares. Será um problema de preparação física?... É uma pergunta.
Entretanto, multiplicam-se as brumas sobre o futuro de mais um talento da academia, por sinal chamado Bruma, de 16 anos. Consta que o Manchester City paga mais pelo jogador da formação leonina. Mas não estamos a falar do mesmo Manchester City com quem José Eduardo Bettencourt estaria interessado em rubricar um protocolo de colaboração? Este futebol é uma selva...
Certamente mais humana, e mais clara, também, é a iniciativa de leiloar a camisola com que Abel marcou o golo da vitória arrancada a ferros ao Rio Ave, no âmbito das celebrações dos 125 anos do nascimento de José Alvalade, doando o dinheiro angariado (valor da venda mais o valor de cada licitação) a uma instituição social. Nesta perspectiva, o futebol do Sporting ganha outra dimensão.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

As perguntas difíceis de "A Bola" a Bettencourt

Ou como certa imprensa
ajuda a destruir o Sporting


"Quando decidiu aceitar a candidatura ao Sporting, a paixão goleou a razão?"

"Disse, durante a campanha eleitoral, que este era o desafio da sua vida. Catorze meses depois continua com a mesma ideia?"

"Conhecia os riscos que ia correr?"

"Tem havido bastante turbulência à volta do clube, o que não ajuda..."

"Foi apanhado de surpresa pela existência de uma face feia do universo sportinguista?"

"Há uma quinta coluna no Sporting que prejudica o clube?"

"Estava habituado a ser elogiado. Desde que chegou à presidência do Sporting, tem sido alvo de inúmeros ataques. Como convive com isso?"

"Não é utópico querer ganhar quando os concorrentes directos têm orçamentos três vezes superiores?"

"O que diz aos sportinguistas que demonstram o temor do Sporting se afastar muito da concorrência?"

"Admite que os adeptos possam não ter visto em si aquilo que desejariam como imagem do poder?"

"Tem agora a ideia de que o futebol visto por dentro é bastante mais complexo do que aquilo que as pessoas possam pensar?"

"Qual é hoje a sua visão concreta do futebol português? É a que esperava ou vai além daquilo que era a sua imaginação?"

"O Sporting não beneficia do ódio enorme entre as lideranças de Benfica e FC Porto?"

"Não tem o receio de que, se conseguir reduzir o fosso e o Sporting se tornar um clube apetecível, um contrato de direitos televisivos até 2018 como o que recentemente firmou, não seja considerado um mau acto de gestão?"

"Não fez o contrato por uma questão de adiantamento de dinheiros?"

"Considera que o seu programa de governo é abrangente, a pensar nas várias sensibilidades do clube?"

"Está a formatar a organização do Sporting à sua imagem?"

"Sente-se à vontade entre os adeptos, nas inúmeras sessões a que preside de Norte a Sul?"

"Como convive com a acusação de que, com tanta pureza, vai ser 'comido' no futebol?"

"Está preparado para continuar a governar usando uma política de rigor?"

"O clube não pode ser dos sócios e o futebol do xeque?"

"Há muita gente que ainda pensa que é mais um dirigente sportinguista do eixo Estoril-Cascais..."

"Qual é a origem do apelido Bettencourt?"

"Vem, pois, de famílias abastadas..."

"Qual foi a sua escola primária?"

"Já casou há quanto tempo?"

"Acha que o casamento longo é uma das coisas mais difíceis da vida?"

"E o 'forever', que até na Islândia apareceu?"

"Desmistificando uma questão candente: quanto é que ganhava na banca?"

"De que abdicou profissionalmente, para vir para o Sporting?"

"Se um dia sair de presidente do Sporting não recupera a posição no banco?"

Algumas perguntas de "A Bola", em entrevista a José Eduardo Bettencourt, assinada por Vítor Serpa, José Manuel Delgado e Hugo Forte, publicada nas edições de sábado e domingo, 23 e 24 de Outubro de 2010

domingo, 24 de outubro de 2010

Sporting ganha a colosso de Vila do Conde

Neste domingo, frente ao Rio Ave, um conhecido colosso de Vila do Conde e do futebol do Norte, que segue isolado no último lugar da classificação, o "atormentado" clube de Alvalade esteve quase a perder mais dois pontos. Em esforço, acabou por ganhar à rasquinha, por 1-0, "num jogo dificílimo", como confessou o treinador Paulo Sérgio. Uma vitória muito sofrida que só foi conquistada graças às defesas do regressado Rui Patrício e a um golo marcado nos últimos minutos, o que deu para manter a décima posição na tabela, o que já não é mau.
Os rapazes da Juventude Leonina, que são novos e não têm obrigação de conhecer a história do clube, aplaudiram mais uma vitória arrancada a ferros, como se estivessem a comemorar a conquista da Liga dos Campeões... Como diz Hélder Postiga, que, como vilacondense, conhece bem o adversário, "é assim que se vêem os campeões".
Tudo isto no fim-de-semana em que o presidente da colectividade, José Eduardo Bettencourt, deu mais uma uma grande entrevista (com primeira parte e segunda parte, a primeira no sábado e a segunda no domingo), desta vez a essa bíblia do desporto nacional que é "A Bola", conhecida velha aliada do clube leonino em momentos de aperto.
Face às inúmeras perguntas feitas pelo jornal, as quais, a avaliar pelo conteúdo, devem ter sido patrocinadas por alguma marca de detergente, a única coisa de interesse revelada nessas duas entrevistas foi uma crítica duríssima de Bettencourt ao próprio Bettencourt (até admira que o homem não tenha apresentado imediatamente a sua demissão...), quando afirmou que "Portugal e o futebol cresceram demasiado a crédito". O homem estaria, certamente, a pensar na contratação de Pongolle e outros.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

As diferentes caras do Sporting

Factos são factos. Há duas equipas de futebol do Sporting. Uma que joga nas provas nacionais, que só ganha em grande esforço e com muitas dfificuldades, que dá meias partes do jogo de avanço aos adversários, que não se aplica o suficiente, que é reactiva em vez de ser proactiva, que não marca golos ou marca muito poucos, enfim, que anda perdida no meio da tabela classificativa da Liga Portuguesa, apenas com 6 golos marcados e 6 golos sofridos em 7 jogos, a 10 pontos do primeiros lugar...
A outra equipa do Sporting, que tem os mesmos jogadores, mas que regista outros resultados, que só sabe ganhar e por números bem gordos, é aquela que participa na Liga Europa. O Sporting da Liga Europa é líder, caso fosse necessário elaborar uma classificação. A equipa leonina só tem vitórias (juntamente com mais quatro equipas: FC Porto, CSKA Moscovo, Zenit e Estugarda), tem mais golos marcados (12) e está com a maior diferença entre os golos marcados e sofridos (10).
Dito isto, importa saber qual é o verdadeiro Sporting: aquele que não consegue ganhar ao Olhanense; aquele que ganha a muito custo ao Estoril da II Liga; ou aquele que ganha com a maior facilidade do mundo na Liga Eurropa, seja em Alvalade ou fora de Alvalade. Importa também saber por que é que as coisas são assim. Serão as equipas da Liga Europa assim tão fraquinhas? Ou será o Sporting uma equipa tão forte? Se o Sporting é forte contra as equipas europeias, por que é que tem tantas dificuldades contra as equipas portugueses que lutam para não descer ou mesmo contra equipas do escalão secundário?...

Goleada contra defesa de chocolate belga

Sporting é a equipa que marca
mais golos na Liga Europa


Liedson, o “baixinho” irrequieto e lutador, andava triste. Os golos não apareciam, a eficácia fugiu-lhe e até o treinador o remeteu para o banco. No sábado, no Estoril, o luso-brasileiro recuperou o sorriso com um golo na Taça, que lhe deu outra confiança. E ontem, no jogo 300 com a camisola do Sporting, o avançado festejou da melhor maneira, marcando por duas vezes na vitória fácil dos “leões” (5-1) sobre os belgas do Gent, que deixa a equipa de Paulo Sérgio com via aberta para os 16 avos-de-final da Liga Europa.
Por muito que Paulo Sérgio diga que não há um Sporting na Liga Europa e outro nas competições europeias, a verdade é que os números e os resultados continuam a dizer o contrário. A equipa de Alvalade continua 100 por cento vitoriosa na fase de grupos da Liga Europa, somando seis triunfos em sete jogos (se incluirmos as pré-eliminatórias). Nada comparável à equipa irregular da Liga nacional, que leva apenas duas vitórias.
A característica mais assinalável do Sporting na Europa tem sido a eficácia. E frente ao Gent voltou a ser assim, a ponto de Diogo Salomão ter marcado no primeiro remate da partida, aos seis minutos, após um cruzamento de Postiga.
O golo de classe do jovem de 22 anos, que há uma época jogava no Real Massamá (II Divisão), abriu um jogo que seria a festa da eficácia, a coroação de Liedson e mais um balão de oxigénio para Paulo Sérgio, que desta vez apostou num 4x4x2. Aos 13’, o avançado luso-brasileiro fez o 2-0, com um belo remate de fora-da-área. E, já depois de Hildebrand ter dado um frango, largando uma bola fácil (16’), Liedson voltou a descansar os adeptos leoninos (27’), finalizando um cruzamento de João Pereira, que jogou como médio-direito.
O luso-brasileiro já era o melhor marcador do Sporting nas competições europeias e ontem subiu para os 26 golos, ultrapassando os 25 de Mário Jardel com a camisola de equipas portuguesas. Mais uma barreira ultrapassada por Liedson, que soma 166 golos em 300 jogos pelos “leões” (...).
E depois de Liedson, foi a vez de Maniche se juntar à festa, aparecendo isolado perante Jorgacevic. O guarda-redes dos belgas ainda defendeu o remate, mas no ressalto a bola entrou (43’). Ao intervalo, já só sobravam dúvidas sobre até onde poderia chegar o resultado, tal a diferença de qualidade entre as duas equipas.
Hélder Postiga também teve um prémio pela boa exibição, tendo sido dele o 5-1 (60’), pouco depois de um egoísta Liedson não lhe ter passado a bola.
A goleada do Sporting (a segunda consecutiva na Liga Europa, depois do 5-0 ao Levski) tem duas explicações. De um lado, a super-eficácia da equipa portuguesa, que marcou no primeiro remate à baliza, fez o segundo na quarta tentativa e o terceiro na sexta.
Mas também é preciso dizer que do outro lado esteve uma equipa que mostrou muitas fragilidades em Alvalade, fragilidades surpreendentes em quem ocupa o segundo lugar no campeonato belga. Ou seja, houve mérito do Sporting, mas do outro lado esteve uma defesa tão doce e macia como chocolate belga.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Patrício ou Hildebrand. A luta pela baliza leonina

Na década de 1950, os guarda-redes Azevedo e Carlos Gomes travaram um duelo lendário pela baliza do Sporting, eterno objecto de desejo.

Em 1993, na Madeira, Robson não gostou de algumas atitudes de Ivkovic e tirou a titularidade ao então indiscutível para a dar ao suplente Sérgio, "rapaz cheio de potencial". Antes do intervalo, com o Sporting a ganhar 1-0, o jovem cedeu ao azar e partiu o braço; entrou o croata, o resultado passou para 2-4. No final da época, Ivkovic saiu, Sérgio não voltou a jogar. E a sucessão veio do Bessa, com Lemajic e Costinha. Sem guerras. Mas nem sempre foi assim: a luta entre Hildebrand e Rui Patrício pela baliza leonina é uma história com 60 anos.
"Com o Gent joga o Hildebrand. Porquê? Porque sou eu que decido", disse Paulo Sérgio. "Tem de mostrar o que pode ter a mais porque não teve nada para fazer com o Estoril. Quando chegou não havia jogos-treino, foi sempre a doer. O Tiago teve uma oportunidade em Lille e o Rui [Patrício] teve uma ou outra bola de infelicidade mas tem estado bem. Agora o Hildebrand tem oportunidade para se mostrar em dois jogos seguidos", argumentou o afirmativo treinador leonino.
Ou seja, a baliza do Sporting volta a proporcionar uma luta, fazendo lembrar uma história que começou em 1951-52 com Azevedo e Carlos Gomes. Na altura não havia agentes - como Jorg Neblung, empresário de Hildebrand que veio dizer que o alemão é muito caro para estar no banco - nem internet, muito menos Facebook, o canal através do qual o guarda-redes germânico vai partilhando emoções com milhares de fãs. E o que parecia adquirido, como o prolongamento da dinastia de Patrício, jovem da casa, começa a estar ameaçado.

AZEVEDO VS. CARLOS GOMES
Azevedo, ou o "Gato Preto", reinou na baliza do Sporting entre 1935 e 1951, em plenos Cinco Violinos. Aí cedeu o lugar a Carlos Gomes, que dominou até 1958 (esteve no tetracampeonato). A convivência entre ambos, separados por 17 anos, foi sempre má: Gomes, mais rebelde, dizia a todos que "o velho já nem vê as bolas"; Azevedo, mais experiente, respondia, numa fase final da carreira, que o rival era "um doido com a mania". Ponto em comum: nasceram no Barreiro.

CARVALHO VS. DAMAS
Carvalho, o homem da Taça das Taças, teve um longo reinado como guarda-redes até aparecer Damas, a maior referência da baliza verde e branca. Aqui a mudança foi "limpa" - não houve atritos e a transição esteve apenas relacionada com idade e qualidade. Aliás, Damas, titular desde 1968, foi para o Racing em 1978, voltou e jogou até aos 41 anos sem ninguém a fazer sombra.

STOJKOVIC VS. RUI PATRÍCIO
Vaz e Fidalgo tiveram luta interessante na baliza, houve Meszaros, o campeão Schmeichel, Ricardo - que chegou, pela conjuntura, a ser rendido por Nélson mas nunca perdeu o estatuto de número um -, o eterno suplente Tiago. Em 2007, Stojkovic chegou a Alvalade para mudar o ciclo e ainda começou como titular, mas, após fortes divergências com Bento e até com companheiros, saiu dos convocados. Foi aí que o agora seleccionador apostou em Patrício, indiscutível de Novembro de 2007 até... (só Paulo Sérgio pode completar as reticências).

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Isto não é o Sporting. Ponto final

"No Estoril, não entrámos da melhor maneira. O Estoril tem um conjunto bem organizado, com boas individualidades, e na primeira parte não estivemos tão bem..."

Daniel Carriço, "capitão" do Sporting Clube de Portugal

Auditoria externa. Sócios querem. Bettencourt não



Não há relatos fidedignos do que se passou na última Assembleia Geral do Sporting Clube Portugal, porque os meios de comunicação social estão proibidos de participar. Mas um vídeo disponível no Youtube, e que o LEÃO DA ESTRELA encontrou no blogue A Última Roulote, mostrando a intervenção do associado Vítor Espadinha, revela que os sócios leoninos querem uma auditoria externa às contas do universo sportinguista. Quando Espadinha exortou José Eduardo Bettencourt a pedir a auditoria, "porque a responsabilidade de aniquilar uma grande instituição não pode morrer solteira", os aplausos fizeram-se ouvir. Contra a vontade de Bettencourt, de Dias Ferreira e companhia. Clique no vídeo para ver e ouvir.

A gratidão leonina, segundo Quaresma

"Nunca hei-de festejar contra o F.C. Porto. É um clube que amo."
Ricardo Quaresma, jogador do Beziktas, formado no Sporting

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Sá Pinto recomeça em Leiria

O sportinguista Ricardo Sá Pinto volta ao activo, nove meses depois de ter abandonado o Sporting, na sequência da cena de pugilato com Liedson. Na União de Leiria, a eliminação da Taça de Portugal, em casa, com a União da Madeira, deixou marcas e o antigo director leonino foi contratado para adjunto de Pedro Caixinha. É o recomeço da antiga glória leonina, que, em Janeiro último, sem alternativa, pagou o seu descontrolo emocional deixando Alvalade pela porta do cavalo...

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Refúgio de um sportinguista amargurado

O Sporting de 1977-1978
À falta de um presente melhor, recordemos as memórias leoninas. É o refúgio possível de um sportinguista amargurado. Eu e muitos mais, infelizmente. Eis uma equipa do Sporting pouca conhecida, mas carregada de jogadores que povoaram o imaginário de milhares e milhares de crianças e adolescentes, como eu, na década de 1970. Nesta equipa estão, em pé: Laranjeira, Keita, Vítor Gomes, Da Costa (faleceu pouco depois num acidente de viação), Artur e Fraguito. Agachados: Amândio, Baltazar, Barão, Manuel Fernandes e Valter. FOTO: Blog Equipas de Futebol

domingo, 17 de outubro de 2010

Mário Jorge e os "anos fantásticos" do Sporting

"Sinto-me honrado por ter representado um dos melhores clubes do Mundo. Agora, os meus interesses estão virados para o Estoril, onde sou director desportivo. Este ano, cumpro pelo Estoril o mesmo número de anos [16] que servi o Sporting.".

"[Na temporada 1979-1980, com 17 anos,] o técnico Rodrigues Dias mandou-me entrar para o lugar do Helinho a 15 minutos do fim, [num jogo com o Estoril]. Disse-me: ‘Miúdo, entra e faz o que tens a fazer'. Ganhámos 2-0 em Alvalade e só me lembro de não ter dormido nessa noite."

"Ainda hoje os responsáveis do Estoril me dizem que esse jogo [com o Sporting, em 1981-1982, no campo do Estoril, que a equipa leonina venceu por 3-0 e conquistou o título], registou a maior enchente de sempre. Foi um ano notável para o Sporting, em que fizemos a dobradinha com um grande treinador, o inglês Malcolm Allison."

"Toda a gente se lembra daquele tridente fantástico formado por Jordão, Manuel Fernandes e Manoel. Foi uma grande desilusão para a minha geração não ter conquistado qualquer prova europeia. Tínhamos jogadores com enorme qualidade e personalidade que se identificavam perfeitamente com o clube."

"Naquela altura sentíamos intensamente o Sporting. As outras modalidades também davam ao clube outra dimensão. O futebol convivia com o andebol, a ginástica, o atletismo. Foram anos fantásticos."

Mário Jorge, futebolista do Sporting entre 1979 e 1991 e actual director desportivo do Estoril Praia, “Diário Económico”, 16-10-2010

sábado, 16 de outubro de 2010

Sporting segue em frente na Taça

Não foi fácil, porque o Sporting fez uma primeira parte muito fraca. E, em resultado disso, o intervalo chegou com o Estoril a vencer por 1-0. Mas, no segundo tempo, a equipa leonina esteve melhor e deu a volta. Liedson e Hélder Postiga marcaram os golos do Sporting. E, assim, o conjunto leonino segue em frente na Taça de Portugal. O jogo serviu para Paulo Sérgio lançar o alemão Hildebrand na baliza leonina. Teve pouco trabalho. Mas gostei da sua presença em jogo.

O treinador que gostava de viver para lá do futebol

Malcolm Allison projectava
uma imagem irresponsável,
mas foi rigoroso e inovador.


Malcolm Allison não escondia de ninguém os charutos nem as garrafas de champanhe. "O champanhe é uma bebida boa, uma bebida limpa", dizia. Não se importava que os jogadores bebessem, responsabilizava-os pelas suas atitudes, mas premiava-os se fossem vencedores. "Fomos a Paris fazer um jogo particular com o PSV, já depois de termos sido campeões e ter vencido a Taça", recorda ao PÚBLICO Manuel Fernandes, avançado do Sporting que coincidiu com o técnico britânico em Alvalade, em 1981/82, ano de muitas conquistas para o clube. "Depois do jantar, regressámos ao hotel às duas da manhã e eu perguntei-lhe: "A que horas temos de acordar amanhã?" Ele respondeu: "Hoje ninguém vai dormir, vamos para os copos em Paris. Já fomos campeões. Agora temos de nos divertir e conviver uns com os outros." Regressámos às seis da manhã."
Morreu aos 83 anos o homem do chapéu, dos charutos e do champanhe. Da liberdade responsabilizada e dos métodos inovadores. "Era uma pessoa à inglesa. Para ele, liberdade era igual a responsabilidade. Criou-se essa imagem de uma pessoa anarca e irresponsável, mas era exactamente o contrário. E era igual para todos", conta ao PÚBLICO António Oliveira, avançado do Sporting daquele tempo, a quem Allison chamava "Oli". "Se tínhamos um treino à terça-feira, ele dizia: "Oli, vai ver a família, e vem só na quarta-feira." Ele queria tirar partido da parte psicológica."
Nascido em Dartford a 5 de Setembro, Malcolm Alexander Allison, Big Mal, chumbou de propósito na escola para poder ir jogar futebol, chegando ao Charlton com 18 anos em 1945, depois de ter passado os últimos anos da guerra como moço de entregas para uma mercearia. No Charlton teve poucas oportunidades e passou para outro clube de Londres, o West Ham, onde jogou até aos 31 anos, terminando a carreira de forma precoce devido a uma tuberculose que fez com que lhe retirassem um pulmão.
Estreou-se como treinador aos 36 anos no modesto Bath City, andou pelo Canadá e passou pelo Plymouth, antes de chegar ao Manchester City, onde foi adjunto entre 1965 e 1972, cumprindo a época seguinte como técnico principal - como adjunto, foi campeão inglês, venceu as taças de Inglaterra e da Liga e uma Taça das Taças. Ainda em Inglaterra, foi marcante a sua passagem pelo Crystal Palace, clube do qual foi despedido por se ter deixado fotografar nu com uma actriz porno numa banheira nas instalações do clube.
Chegou a Portugal em 1981 e conduziu o Sporting ao título e à Taça de Portugal, falhando por pouco o sucesso na Europa - foi eliminado pelo Neuchâtel Xamax nos oitavos-de-final, depois de uma eliminatória anterior marcante com o Southampton de Kevin Keegan, com um triunfo por 4-2 em Inglaterra e um empate sem golos em Lisboa. "Nesse jogo, ele começou por me colocar a defesa-direito e a ordem era: "Meszaros [o guarda-redes], quando tiveres a bola joga para o Oli". Marcámos quatro", recorda António Oliveira.
Apesar da época de sucessos, a permanência de Big Mal em Alvalade terminou logo no início da época seguinte. O britânico seria despedido, por alegadamente beber demasiado, mas voltaria a Portugal para treinar Vitória de Setúbal e Farense. "Foi um processo muito injusto. Um empresário estava a preparar a vinda do Josef Venglos e inventaram uma história que o Allison tinha bebido uma quantidade impossível de álcool", lamenta Oliveira, que seria o substituto imediato do britânico, como treinador-jogador antes de Venglos chegar a Alvalade.
O Sporting foi o último clube onde teve sucesso como treinador, tendo ainda passagens falhadas pelo Middlesbrough, pela selecção do Kuwait e pelo Bristol, onde terminou a carreira em 1993. Sofreu nos últimos anos da sua vida com os excessos que antes cometera. Quase todos os seus relacionamentos amorosos - um deles com uma coelhinha da Playboy - falharam e a sua saúde degradou-se de forma irreparável pelo álcool que consumiu - admitiu o seu alcoolismo -, terminando os seus dias num lar, já praticamente desligado do mundo. Mas seguramente, garante quem o conheceu, sem arrependimentos. Palavra a António Oliveira: "Era um homem que gostava de viver e transmitia-nos o gozo pela vida para lá do futebol."

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Os sportinguistas da TAP

"Núcleo Sporting TAP" é a designação de um blogue que é feito por adeptos leoninos que têm em comum o facto de trabalharem na companhia aérea portuguesa. Um facto inédito, este de haver na TAP um grupo de sportinguistas que revelem através de um blogue a sua fidelidade a um clube desportivo. É extraordinário que um clube que há 8 anos está afastado do título nacional de futebol continua a ter adeptos que se dedicam à causa sportinguista com tanta militância. Os sportinguistas da TAP provam, afinal, que Filipe Soares Franco não tinha razão quando colocou em causa a militância leonina. Enquanto houver sportinguistas como os da TAP, o Sporting Clube de Portugal continuará a ser um grande clube. Aos sportinguistas da TAP, os parabéns do LEÃO DA ESTRELA!...

Campeões do Sporting recordam Malcolm Allison

“Tinha uma grande confiança nele próprio e isso transmitia-se à equipa, que encarava todos os jogos com optimismo. Criou um grupo com um extraordinário espírito ganhador. Além dos títulos, fez outra coisa importante no Sporting. Quem não era convocado, gostava tanto dele como os que jogavam sempre. Agradava a todos.”
Manuel Fernandes

"Fazia o favor de, para além de ser meu treinador, ser meu conselheiro, ser meu amigo. Havia uma empatia muito grande entre mim e Malcolm Allison."
António Oliveira

“Malcolm Allison marcou-me tanto como José Maria Pedroto."
António Oliveira

“O 'Big Mal' era um homem à frente do seu tempo, diferenciando-se de todos os outros treinadores, até porque nunca passava despercebido. Era uma pessoa alegre que dava muita confiança à equipa, pois tinha muita confiança nele também. Foi um grande homem e um grande treinador.”
Carlos Xavier

“Malcolm Allison vai marcar-me para sempre ao longo da vida. Está sempre presente no meu pensamento, era uma pessoa espectacular. É um dia triste para mim e para o clube, que teve o privilégio de o ter como treinador. Allison não tinha medo de apostar nos jovens.”
Carlos Xavier

“Veio alterar algumas regras. Acabou com os estágios para os jogos em casa, encontrávamo-nos cinco horas antes do jogo e com ordens para comermos o que quiséssemos. Essa atitude tirava-nos muita pressão e dava-nos confiança. A própria entrada dele, uma hora antes dos jogos no relvado, para saudar os adeptos, mexia connosco.”
Carlos Xavier

“Era um treinador fantástico e marcou um período no Sporting, só nos faltou chegar à final da Taça UEFA. O Malcom Allison chegou a assumir, perante os jogadores, que não havia nenhum clube da Europa que nos batesse.”
Mário Jorge

“É um dos treinadores estrangeiros que deixam saudades. Tal como grande parte dos treinadores ingleses, nutria grande carinho pelos jovens, dando confiança e, ao mesmo tempo, responsabilidade. Não era um treinador duro, dava liberdade e responsabilidade. Isso marcava o perfil dele. Não olhava a nomes, mas ao rendimento. Com ele, quem não tivesse desempenhos razoáveis não jogava. Sem ser um ‘expert’ na táctica, roçava um pouco o que é actualmente o José Mourinho, ao nível da motivação.”
Mário Jorge

O regresso ao estádio onde Allison foi campeão

Quis o destino que Malcolm Allison se tivesse sagrado campeão nacional como treinador do Sporting no dia 9 de Maio de 1982, no Campo António Coimbra da Mota, no Estoril, após vitória leonina por 3-0, duas jornadas antes de o campeonato terminar. A foto - confesso que nunca tinha visto uma equipa posar de pé para a fotografia... - foi tirada antes do encontro. O curioso é que Malcolm Allison morreu hoje, aos 83 anos, precisamente um dia antes de o Sporting regressar ao mesmo Campo António Coimbra da Mota, para defrontar o Estoril, para a Taça de Portugal 2010-2011... Na imagem podemos ver: Radisic (preparador físico), Ademar, Eurico, Jordão, Meszaros, Bastos (já falecido), Virgílio, Lito, Oliveira, Marinho, Manuel Fernandes, Mário Jorge e Malcolm Allison (treinador).

A equipa de Malcolm Allison

Em cima: Eurico Gomes, Rui Jordão, Ferenc Meszaros, Augusto Inácio, Virgílio Lopes e António Oliveira; Em baixo: Ademar, Freire, Carlos Xavier, Manuel Fernandes e António Nogueira. Era esta a equipa-tipo de Malcolm Allison, no Sporting de 1981-1982. Uma equipa com 10 jogadores portugueses, que Malcolm Allison moldou à sua imagem...

Malcolm Allison, 1927-2010

Allison foi treinador do Sporting
em 1981-1982. Foi campeão,
ganhou a Taça e foi despedido...

"Brilhante e maior do que a vida, a ausência do Malcolm vai ser sentida por todos no clube e por toda a gente."
Comunicado oficial colocado no site do Manchester City

"O Malcolm Allison mudou o futebol fazendo-nos treinar como atletas. Neste aspecto ele estava muito à frente do que era norma na época. Era também muito bom tacticamente e um excelente psicólogo."
Mike Summerbee, embaixador do Manchester City

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

JEB perde apoios. Sporting é um clube balcanizado

Apesar do bombardeamento mediático dos últimos dias, desdobrando-se em entrevistas nomeadamente na RTP e nos meios de comunicação do Sporting, o jornal e o sítio oficial na Internet (e, por isso, também na imprensa desportiva, que reproduz e amplifica uma informação controlada pelo emissor...), a verdade é que José Eduardo Bettencourt viu a sua base de apoio eleitoral de há um ano descer de 89 por cento para 59 por cento dos associados leoninos que participam nas votações. Uma queda muito significativa, tanto mais que o voto contra as contas nesta assembleia geral estava, evidentemente, associado a um voto de censura à gestão de Bettencourt. Aliás, seria curioso sabermos o resultado desta votação, caso cada sócio valesse apenas um voto, como acontece nas democracias políticas...
Os sócios do Sporting aprovaram o Relatório e Contas relativo a 2009-2010 com 59,84 por cento de votos a favor, 36,99 contra e 3,17 em branco, num universo de 805 votantes. Recorde-se que o Relatório, referente ao exercício compreendido entre 1 de Julho de 2009 e 30 de Junho de 2010 apresentava um prejuízo de 3,6 milhões de euros. Daqui resulta um clube cada vez mais dividido e, sobretudo, balcanizado. Tão dividido e tão balcanizado que até a polícia foi chamada a Alvalade... Quinze anos depois, é este o resultado do trabalho de José Roquette e da tropa fandanga que ele meteu no clube. Obviamente, isto já não é o Sporting Clube de Portugal!... FOTO: "A Bola"

Notícias sobre a AG do Sporting









quarta-feira, 13 de outubro de 2010

"Não brinquem com os sportinguistas!..."

“Espero que a Assembleia Geral decorra bem e com civismo por parte de todos, mas a contestação compreende-se. Bettencourt está muito mal acompanhado. Tem lá o Dias Ferreira, presidente da AG, que branqueia a realidade do clube. Quem for da sua cor, fala 20 minutos na AG, quem não for, é corrido do palanque ao fim de cinco minutos. A democracia também acabou no clube. Arranjaram ao dr. Dias Ferreira aquele banquinho que ele sempre procura, pois caso não o encontre ameaça vir cá para fora contar histórias. Quando está do lado de fora quer auditorias. Quando se apanha lá dentro, esquece-se e encolhe a cabeça como os cágados. Não brinquem com os sportinguistas!”

António Bessone Basto, atleta português mais medalhado de sempre, sócio do Sporting Clube de Portugal, "O Jogo", 13-10-2010

Um dirigente que envergonha o Sporting



No programa da SIC Notícias "Dia Seguinte", desta segunda-feira, o jornalista e moderador Paulo Garcia anunciou a realização da assembleia geral do Sporting nesta quarta-feira, em Alvalade, informando sobre as condições de ingresso dos associados. Porém, Dias Ferreira, que acumula as funções de presidente da Assembleia Geral com as de representante do Sporting naquele programa, não gostou e provocou uma discussão digna das peixarias mais afamadas do País, envergonhando o Sporting Clube de Portugal e os sportinguistas.
Segundo ficámos a perceber, Dias Ferreira não queria muita publicidade à assembleia geral. E socorreu-se de um argumento altamente falacioso, ao invocar que as assembleias gerais do Benfica e do FC Porto não são tão noticiadas. Pois não. A questão é que o Benfica e o FC Porto não têm os graves problemas do Sporting... Nem têm os presidentes da assembleia geral em programas televisivos...

De 30 milhões a 400 milhões em apenas 15 anos

Chumbar as contas é o meio
de censurar a gestão errática
que tomou conta do Sporting.

Em 1995, o gestor amador José de Sousa Cintra deixou a presidência do Sporting Clube de Portugal com um passivo de 30 milhões de euros, mas com património imobiliário e uma grande equipa de futebol.
Depois de Cintra, veio José Roquette e a sua equipa de gestores profissionais e altos quadros da banca. Os chamados gestores de topo, que a imprensa adora, por alegada credibilidade, talvez impulsionada pelo colarinho branco, pela gravata e pela calça vincada...
Passaram 15 anos apenas. A questão é que, em 2010, o Sporting Clube de Portugal, gerido por essa gente do topo, está praticamente falido, apresentando um passivo que deverá rondar os 400 milhões de euros, como já admite José Eduardo Bettencourt, um dos mais antigos dirigentes leoninos. Não se sabe ao certo o montante do passivo, porque ninguém tem coragem para fazer uma auditoria independente às contas.
A verdade é que hoje, o Sporting tem um estádio novo onde a relva natural não pega, não tem liquidez financeira, não tem património, precisa de receitas extraordinárias todos os dias e tem uma equipa de futebol que anda pelo meio da tabela. Pior: a SAD que gere o futebol já vendeu os passes de jogadores que ainda não comprou, já vendeu ou está a vender direitos televisivos de vários anos (perdendo dinheiro em função das mudanças tecnológicas...) e até está a vender os lugares de época no estádio dos anos seguintes, que os sócios só irão comprar se ainda houver clube.
É algo como nunca se viu. É algo que seria importante discutir na assembleia geral desta quarta-feira, onde estarão em análise o relatório de actividades e as contas do clube relativos à temporada 2009-2010. Veremos se ainda há sportinguistas com os tomates no sítio, a começar por aqueles que têm falado nos meios de comunicação...
Porém, mais do que falar é preciso agir, de modo a ser travado desvario que tomou conta do Sporting Clube de Portugal nos últimos meses. E, na assembleia geral desta noite, a acção dos sócios do Sporting que pretendem inverter o caminho da decadência só pode ser uma: chumbar as contas, censurando, deste modo, a gestão errática de José Eduardo Bettencourt.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

O Sporting pode acabar muito mal...

À medida que o tempo passa e que as más notícias vão surgindo, a sensação que fica é que o Sporting Clube de Portugal está a transformar-se num poço de problemas sem fundo. Ou seja, um poço de problemas de solução muito difícil e muito dramática quando não houver outra saída a não ser a falência.
Tal como o país, o Sporting está falido e sem soluções. Qual Jorge Gonçalves dos tempos modernos, José Eduardo Bettencourt vai dando saltos na direcção do abismo. Depois dos direitos televisivos e da venda de passes de jogadores que ainda não foram comprados, o Sporting já está a vender os lugares de época, os chamados "game box", que os sportinguistas ainda irão comprar nos próximos anos. O problema é quando não houver clube para vender a "game box". Tudo isto começa a não cheiar bem... Oxalá esteja muito enganado, mas o Sporting Clube de Portugal pode acabar muito mal.
Nesta quarta-feira, 13 de Outubro, há uma assembleia geral do clube. Era importante que os sócios pudessem exprimir livremente o que lhes vai na alma, independentemente da espécie de democracia musculada que, nos últimos anos, costuma regular estes encontros de sócios leoninos...
Era importante que associados conhecidos, em particular os que apoiaram José Eduardo Bettencourt e que agora já não apoiam porque foram enganados, era importante, dizia, que apareçam e que possam dizer o que pensam. Falo para Bessone Basto, para Luís Duque, para Pedro Souto, para Vicente Moura e muitos outros. Se tiverem coragem, apareçam e digam de vossa justiça.

sábado, 9 de outubro de 2010

Quem é o senhor da foto?...

Um teste de cultura sportinguista... Vejam se sabem quem é este senhor, actualmente a exercer a profissão de treinador de futebol, no Brasil. Uma pista: jogou no Sporting nos anos da década de 1970... Podem clicar na imagem para ampliar.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Sporting deveria receber um subsídio da FPF...

Portugal regressou às vitórias, batendo a Dinamarca por 3-1, e reentrou na corrida à fase final do Euro 2012. O seleccionador português é Paulo Bento, que iniciou a sua carreira em 2004-2005 como treinador de juniores do Sporting e, no ano seguinte, fez a sua estreia como técnico da equipa principal. O goleador é Nani, também formado em Alvalade. Sem esquecer João Moutinho (também conhecido por "maçã podre", graças a José Eduardo Bettencourt), Silvestre Varela (curioso este reencontro com Paulo Bento de um antigo proscrito em Alvalade...), Cristiano Ronaldo e outros, provando que a academia leonina é um seguro de vida para o clube de Alvalade (agora é mais para os adversários directos...) e para a selecção portuguesa... Donde, o Sporting deveria receber um subsídio da Federação Portuguesa de Futebol pelos direitos de formação. Quanto a Carlos Queiroz, afinal, parece que o problema era mesmo ele... FOTO: Reuters

Bettencourt "explica" contratação de Caicedo...



Depois da entrevista de José Eduardo Bettencourt à RTP1, está explicado por que é que o Sporting contratou Felipe Caicedo em 2009-2010. Contratação que foi um fracasso porque o avançado equatoriano, em seis meses, só chutou uma vez ao poste. Clique na imagem para ver o seu momento de glória em Alvalade, já no tempo extra de um empate caseiro frente ao Marítimo (1-1), num dos últimos jogos orientados por Paulo Bento... Este ano, com a época ainda no princípio, o Sporting já chutou 10 vezes aos postes. É caso para dizer que estamos no bom caminho. "Estamos com 10 remates aos postes", revelou Bettencourt na RTP.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

JEB: "Estamos com 10 remates aos postes..."

"Há um desânimo racional que leva a pôr tudo em causa. Os adeptos têm razões para estar desanimados, pois nenhum merece que se empate com o Beira-Mar e não se ganhe ao Nacional. Agora, numa análise mais fria que tenho obrigação de fazer, percebe-se que temos controlado os jogos, temos mais posse de bola e mais remates. Estamos com 10 remates aos postes."

"Há um conjunto de órgãos sociais que me avaliam e acompanham a par e passo o programa - mesmo aqueles temas que não são tão mediáticos -, e sabem muito bem a qualidade do trabalho que está a ser feito."

"Não me demito. A eleição foi relativamente recente. Há um mandato com um programa vasto que tem sido executado, e com dossiês particularmente complicados."

“Gosto imenso da maneira como o Paulo Sérgio trabalha e da forma como o grupo está a reagir. Muito mais cedo do que mais tarde vamos dar a volta [à crise de resultados da equipa de futebol]”

“Tanto o director de futebol como o treinador são para continuar. Não vou arranjar bodes expiatórios. Se falhar, pedirei contas a mim próprio.”

“A pressão é agora muito maior e o ambiente que se vive actualmente é de cortar à faca. Todos os dias parecem o último exame.”

“Para já, o objectivo realista é ultrapassar o segundo classificado do campeonato, que está apenas a três pontos de distância.”
José Eduardo Bettencourt, RTP 1, 07-10-2010

Paulo Pereira Cristóvão aprendeu a lição

O ex-candidato à presidência do Sporting Clube de Portugal, Paulo Pereira Cristóvão, que, recorde-se, mereceu uma declaração de apoiado do blogue LEÃO DA ESTRELA, tendo perdido as eleições para José Eduardo Bettencourt, parece ter aprendido a lição, quanto à gestão de expectativas da massa associativa leonina.
Nesta semana, Cristóvão dá uma entrevista à "news magazine" semanal "Focus", onde se revela um sportinguista atento e preocupado com o futuro imediato do clube, fazendo um diagnóstico da situação próprio de quem sabe do que está a falar. Mas é sobretudo por aquilo que Cristóvão não diz que a entrevista à “Focus” tem valor. E, uma das coisas que Paulo Pereira Cristóvão não revela é quais são os três treinadores que, em sua opinião, teriam condições para orientar a equipa de futebol do Sporting, um italiano e dois sul-americanos. Mas quais são? “Não vale a pena perguntar os nomes porque não vou dizê-los. Nunca se sabe as voltas que a vida dá.”
Tendo em conta que, na última campanha eleitoral, Eriksson foi anunciado como o seu treinador, acabando o sueco por ter “roído a corda” quando a coisa foi tornada pública, é caso para dizer que Paulo Pereira Cristóvão aprendeu a lição. De resto, nunca se sabe o dia de amanhã no universo leonino. Cristóvão tanto pode estar disponível para “seguir um líder, desde que sinta que se trata de um líder forte”, como estará disponível para avançar ele mesmo.
Enquanto isso, o homem que em 2009 valia 10% dos votantes sportinguistas, e que hoje valerá muito mais, vai sofrendo com a crise leonina e, sobretudo, com as suas consequências junto dos mais novos: “As crianças são educadas numa sociedade altamente competitiva, com o objectivo de ficarem associadas a vitórias. O Sporting não lhes dá isso e compreende-se que miúdos de 9 ou 10 anos, que nunca foram do Porto, sejam ferrenhos do FC Porto.” Pois.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

SCP perde olheiro nacional para o Manchester City

O Sporting acaba de perder o olheiro nacional Bento Valente, ex-braço direito de Aurélio Pereira, para o Manchester City. A crise chega à academia de Alcochete, que ainda há pouco tempo era um exemplo para todo o mundo. Confira lendo esta entrevista. Onde também se fala de um técnico contratado ao Benfica, Bruno Maruta, que já regressou à Luz, falando-se nos corredores leoninos que veio fazer espionagem... Leia a entrevista a Bento Valente, assinada por André Carreira de Figueiredo, do site Academia de Talentos.

Izmailov confirma regras de Costinha

"A ditadura na Europa há muito que acabou. Sou um homem livre e posso dizer com segurança o que quero e quando quero. Se o contrato tem uma cláusula que me proíbe de falar com alguém, então esse contrato contraria a Constituição. Existe é um regulamento interno adicional além do contrato principal. Foi muito engraçado de ler. Nesse documento dizia, por exemplo, que seria multado se chegasse a casa depois da meia-noite. Ou se me afastasse de Lisboa mais de 100 quilómetros. E também tinha alguns pontos na relação com a Comunicação Social. Se assinei esse papel? Não, é claro."

"Fui multado em 30 mil euros e não estava em condições de jogar. É uma contradição. E este valor é um mistério."

"[Costinha] prometeu-me que assim que houvesse uma proposta de outro clube, iria ouvi-la e deixava-me sair. Mas quando fui ter na posse de propostas sérias, ele recusou. Este é apenas um exemplo. Eu não confio em geste desta."

"Perguntei ao Costinha porque me acusou de estar a fingir a contusão no joelho. Disse que não era nada com ele e que nem sabia de que acusação estava a falar. E perguntei: como vou tratar o joelho? Respondeu-me que o presidente é que decidia, que ele não tinha nada a ver com aquela situação. E eu pergunto: se não sabe de nada, então o que faz no clube?"

"Graças ao Sporting não estou a jogar futebol."

Marat Izmailov, em entrevista ao jornal russo "Sovietsky Sport", citado em "A Bola", 06-10-2010
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...