terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Yazalde, a independência do Sporting

Craque argentino chegou
a Lisboa faz hoje 40 anos


Um, dois, três, quatro, cinco, seis. O Benfica estica-se no número de jogadores argentinos, mas todos juntos não conseguem marcar tantos golos (nem metade...) como Chirola. Mas quem é este?
Um, dois, três, quatro, cinco, seis... E golo! Hector Yazalde só demorou seis minutos a encontrar o caminho da baliza para se estrear a marcar pelo Sporting, nos 4-1 ao Boavista, para o campeonato nacional. É "defeito" de argentino, senão veja-se os casos de Caniggia (Benfica 94/95) e Fandiño (FC Porto 48/49), só para citar os grandes, que também marcaram na estreia pelos respectivos clubes.
Faz hoje 40 anos que o Sporting contratou Yazalde, um dos melhores avançados que passaram por Portugal. Em apenas quatro épocas de leão ao peito, Chirola pulverizou recordes, alguns inéditos (primeiro sportinguista a ganhar a Bota de Ouro, em 1974, e primeiro jogador estrangeiro de uma equipa portuguesa a participar num Mundial, no mesmo ano de 74), outros imbatíveis (46 golos num só campeonato). Foi há portanto 40 anos que Abraão Sorin, vice-presidente do Sporting, viajou de São Paulo, onde estava de férias, em direcção a Buenos Aires para fechar o negócio. Na altura com 25 anos, Yazalde era jogador do Independiente e fora ele quem garantira o título argentino de 1970, razão pela qual havia uma série de convites (Santos, Palmeiras, Valencia, Lyon, Nacional Montevideu e Boca Juniors).
Apercebendo-se do seu valor, o Sporting ofereceu-lhe 4200 contos, valor correspondente a um fora de série, justamente para lhe garantir o interesse imediato e dar-lhe a volta à cabeça. Com Sorin na capital argentina e a vontade de Yazalde em jogar no Sporting, o único problema era o entendimento entre jogador e clube. Yazalde queria receber 20% do total da transferência e o Independiente não estava para aí virado. Um toque aqui, outro ali e umas horas fechados num escritório resolveram o impasse a bem, a troco de 3500 contos. Com o dinheiro, Yazalde mandou construir uma vivenda em Buenos Aires para os pais e só depois de escolhido o local da empreitada é que viajou para Lisboa, onde chegou a 11 de Fevereiro. De cá, só saiu no Verão de 1975, vendido por 12.500 contos para o Marselha, quando o Real Madrid oferecera 27 mil contos no ano anterior.
No Sporting, Yazalde ganhou um campeonato (73/74), duas Taças de Portugal (72/73 e 73/74), duas Botas de Prata como melhor marcador do campeonato nacional (46 golos em 73/74 e 30 em 75/76), uma Bota de Ouro como melhor marcador da Europa (73/74) e outra de Prata como segundo melhor da Europa (75/76). No plano social, também criou raízes em Portugal, ao casar-se em Lisboa com a actriz/modelo portuguesa Carmizé, com quem formou um dos casais mais badalados da altura, e de quem teve dois filhos.
E imaginar que Yazalde, nascido num bairro pobre de Buenos Aires com mais sete irmãos, só queria ser médico e jogar futebol no Boca Juniors. Nunca cumpriu esses sonhos mas, em alternativa, fez sonhar todos aqueles que o viram jogar, que sempre o elogiaram pela capacidade de encaixe e extremo fair-play na hora das duras faltas dos adversários. Yazalde morreu em Junho de 1997, com 51 anos, vítima de cirrose hepática, mas continua a ser um dos jogadores mais completos no mundo fantasioso do PES (Pro Evolution Soccer). Na parte dos clássicos, lá está Chirola com 95 (de 0 a 100) na pontaria à baliza, 92 de cabeça, 90 na técnica do remate, 86 na execução do drible, 85 na potência do remate, 83 na stamina e 80 no trabalho de equipa.

FONTE: Rui Tovar, jornal "i", 18-01-2011

7 comentários:

Anónimo disse...

Grande avançado. Que grsndes tempos. Sporting Sempre!

Daniel Sociedade Sporting disse...

Não que esteja relacionado com o post, que está muito bom, mas colocam o Ricardo Salgado, benfiquista, como hipótese?

A sério? Estamos assim tão mal?

Sporting até morrer disse...

Mais uma grande crónica de um grande leão (Rui Tovar), sobre um símbolo do Sporting.

Que pena ter desaparecido tão novo...

SL
José

Luis Magalhães Pereira disse...

Um Sporting que nunca mais voltará a ser o clube destes tempos!

O meu pai e os meus tios sempre me falaram do grande CHIROLA ou "Jazalde" na pronuncia das pampas!

Como só comecei a frequentar Alvalade em 1975 nunca o devo ter visto jogar e se por ventura o vi, não me lembro...! Que lástima!

Excelentes as crónicas do "I" tal como todo o jornal. Sem duvida um bom e inovador projecto jornalístico e editorial.

MaximinoMartins disse...

É bom às vezes já ser mais velho...:

Vi-o jogar várias vezes...

Que grande avançado...!!!

Anónimo disse...

Grande Chirola. Recordista de golos do nosso Campeonato. Bota de Ouro Europeia. Saudades imensas.

Anónimo disse...

sou sportinguista mas tb nunca o vi jogar,grande yazalde,gostava imenso de ouvir o relato de futebol,nessa altura havia Sporting,pena ter falecido tão cedo,tb não me esquece o saudoso Vítor Damas,ambos já falecidos,resta agora é recordar o que houve de bom,páz ás suas almas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...