quarta-feira, 16 de março de 2011

Godinho Lopes perdido e sem estratégia

Com 62 anos, Luiz Felipe Scolari, actualmente no Palmeiras, é um nome de classe mundial, embora já não festeje um título de campeão desde 2002, precisamente como o Sporting Clube de Portugal. É muito tempo sem ter um orgasmo, para utilizar uma metáfora de Fernando Gomes (um antigo avançado do Sporting, proscrito pelo FC Porto em finais da década de 1980) para descrever o prazer decorrente do acto de marcar um golo.
A questão está em saber se Scolari é o treinador mais indicado para o Sporting de hoje. A questão é saber que projecto é que Luís Godinho Lopes tem para o futebol leonino. Já se viu que não tem projecto nenhum. Basta estar atento. Num dia, diz que o seu treinador será europeu (um holandês com uma cultura formadora), mas noutro anuncia um treinador sul-americano que não liga nada à formação. Num dia diz que pretende uma equipa com base nos jogadores da formação e anuncia a contratação de ex-jogadores para tomarem conta da academia. Mas noutro dia, aparece Luís Duque, desrespeitando os atletas que estão ao serviço do clube, a dizer que a equipa de futebol precisa de uma revolução completa, o que implica gastar muito dinheiro. Deve ser por conta dos tais 100 milhões que ninguém explicou de onde virão.
Como temos memória, já estamos habituados a estes desvarios, curiosamente, com os mesmos protagonistas. Recorde-se que, no Verão de 2000, no ano em o Sporting foi campeão ao fim de um jejum de 18 anos, Luís Duque e Carlos Freitas desfizeram um plantel ganhador e contrataram, a torto e a direito, um total de 15 ou 16 jogadores. Ao fim de pouco tempo, Augusto Inácio teve de ir embora porque ficou com um plantel desequilibrado, que precisou de ser corrigido no Inverno seguinte. Foi o ano em que o Sporting mais investiu na sua equipa de futebol, gastando o que tinha e o que não tinha, fazendo explodir o défice. E, contudo, apesar dessa revolução liderada por Luís Duque, e apesar das crises que afectavam Benfica e FC Porto, o clube leonino não foi campeão nesse ano, perdendo o título para o Boavista. Foi o ano da tresloucada contratação de Rodrigo Tello, por 7,5 milhões de euros (o jogador mais caro da história do clube) e o ano da complicada contratação de João Pinto, que resultou num processo que está em tribunal por alegada fuga ao fisco. Sem resultados desportivos. É preciso ter memória, não embebedando os sportinguistas com mentiras. Rogério Alves diz que “Luís Duque é ume enciclopédia do futebol”. Sim, mas a gastar dinheiro e a fugir ao fisco.
Por isso, o que hoje nos aponta Luís Godinho é mais do mesmo. Tanto mais que o candidato da continuidade e da agência Cunha Vaz não apresenta um plano estratégico para o futebol do Sporting. José Eduardo Bettencourt, recorde-se, também se candidatou sem programa e foi o que todos vimos. Ora, não consta que o instinto de Luís Godinho Lopes para a gestão desportiva seja particularmente inspirado ou inspirador.
É por falta de um plano estratégico que o clube anda aos ziguezagues na direcção do abismo. Na verdade, o candidato Godinho Lopes anda ao sabor dos ventos, falando daquilo que lhe sopram ao ouvido ou que lhe transmitem através do Ipad.
Disseram-lhe para dizer que no dia 26 de Março está em causa a eleição do presidente e não a eleição do treinador, mas a estratégia não estava a dar resultados, até porque o candidato Bruno de Carvalho, portador da verdadeira mudança e com uma agenda própria, depois de resolver o problema essencial do financiamento, apontou o anúncio do treinador como o próximo passo. Ora, Godinho, de novo por conselho do assessor Cunha Vaz, tinha de tomar a dianteira e não resistiu a deixar cair o nome de Luiz Felipe Scolari. Daí as primeiras páginas de hoje inundadas de Scolari. E também as notícias indicando que o fundo de Bruno de Carvalho não estará disponível para reforçar a equipa de futebol já na próxima época, o que é absolutamente falso.
Ora, antes de ter anunciado o treinador, Godinho Lopes deveria pedir desculpa por ter apelidado Bruno de Carvalho de “Vale e Azevedo de terceira categoria”. Godinho sabe que cometeu um erro que lhe pode custar caro. Mas não emendou a mão. Diz ele agora que quis dar um alerta. Então, em que ficamos? Bruno de Carvalho é ou não é um Vale e Azevedo de terceira categoria? Os investidores russos vão ou não lavar dinheiro no Sporting? Seria bom que Godinho Lopes dissesse o que pensa sobre o assunto. De preferência, sem a mediação do Ipad.
Finalmente, uma palavra para a diarreia verbal do senhor Carlos Barbosa do ACP, que está com medo não sabemos bem de quê: que falta de sentido democrático!…

[Texto publicado no sítio "Sporting Apoio", 16-03-2011]

8 comentários:

PFA disse...

E isto?
http://www.sportingapoio.com/godinho-perdido-e-sem-estrategia-por-luis-paulo-rodrigues/comment-page-1/#comment-21621
Já não acha isto?

LEÃO DA ESTRELA disse...

Meu caro: a realidade está em mudança permanente. Nos dias de hoje, dois anos é muito tempo. O que também implica mudança nas escolhas. A realidade é dinâmica. Mas o foco do texto não é esse. O foco é saber qual é o projecto de Luís Godinho Lopes para o futebol. Não se pode prometer um trerinador holandês à segunda e um brasileiro à terça. O problema, que o meu texto aborda, é que Godinho Lopes não tem um plano estratégico para o futebol do Sporting. Talvez não seja esse o "core business" do dr. Cunha Vaz. Abraço!

PFA disse...

Meu Caro,

Quem tinha assim tantas qualidades em 2009 tem agora apenas "um nome de classe mundial"? Aquelas qualidades todas que tinha em 2009 não o qualificam para treinar o Sporting de hoje?
Se quer falar em projecto para o futebol então critique factos, não dê opiniões baseadas em conjecturas. Partiu de um pressposto com o qual concordava há dois anos sem dizer que essa era a sua opinião para dizer que o candidato Godinho Lopes (se se confirmasse o nome do Scolari ou do holandês que foi coisa que também não disse) está "perdido e sem estratégia".
O foco do seu texto é criticar um candidato e para isso nem sequer precisa de nenhuma confirmação oficial da candidatura em relação aos nomes que a imprensa aponta.
Já me começo a habituar a ler os seus textos de outro prisma. Ainda há pouco anunciava que um dos investidores russos tinha ligações à Brisa e, como sabe (ou devia saber) a Brisa já veio desmentir essa ligação em comunicado oficial.
E da minha parte pode contar com uma coisa: eu não acredito em tudo o que leio e não me enganam com o que me querem servir.
Se todos fizerem este exercício o voto no dia das eleições vai ser muito mais esclarecido.
Saudações leoninas

SportingSempre disse...

o PFA tem razão...tente ser imparcial LdE

Filipe Moura disse...

Vai buscar o Paulo Pereira Cristóvão; vai buscar o Manuel Fernandes; está a tentar ir buscar o Scolari. Faz tudo o que você sugere. Quem é que está aqui de cabeça perdida?
Saudações leoninas.

Gonçalo disse...

E o Manuel Fernandes?

Romeu disse...

Não me acredito na notícia. Cheira-me a encomenda da oposição.

Este blog já apoiou Paulo Pereira Cristóvão para presidente e Manuel Fernandes para treinador. Agora, que aparecem na lista de Godinho Lopes deixaram de ser bons?

João disse...

Não deixaram de ser bons, estão simplesmente imbutidos numa lista que não apresenta soluções concretas para nada. Vamos por partes:

1- Qual o plano financeiro de Godinho Lopes. De onde vêm os 100 milhões?

2- Qual a estratégia para o futebol, para além de uma série de chavões e clichés?

3- Como querem revitalizar o Sporting quando vários elementos da lista (ex. Nobre Guedes) estiveram dentro do Sporting com resultados desastrosos?

Para todas estas questões, Bruno de Carvalho apresenta soluções concretas. O dinheiro vem de um fundo, devidamente apresentado, a estratégia para o futebol assenta na criação de um modelo comum a todos os escalões e a lista é composta por pessoas competentes que não estiveram dentro do Sporting nos últimos anos.

Votar no Godinho Lopes, neste momento, é votar no vazio. É votar num candidato sem soluções. Em suma, votar no Godinho Lopes é prejudicar o Sporting.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...