sexta-feira, 11 de março de 2011

Uma grande campanha. O Sporting está vivo

Godinho eleva Carvalho à condição
de principal candidato à vitória


No próximo dia 26 de Março, os sócios do Sporting Clube de Portugal têm uma oportunidade soberana para afastar o clube da rota em direcção ao abismo, que está a ser seguida há vários anos, sob a benção de José Roquette, dos seus discípulos e dos amigos da banca.
Felizmente, as eleições para a presidência do Sporting estão a ser antecedidas por uma grande campanha. Depois de um período morno e deveras preocupante, entre a demissão do inenarrável José Eduardo Bettencourt (esse sim, um Vale e Azevedo mal amanhado…) e a confirmação dos seis candidatos que estão no terreno, eis que as cartas estão sobre a mesa, podendo os sportinguistas escolher livremente a melhor solução para salvar o Sporting Clube de Portugal.
A democracia tinha acabado em Alvalade. Desde que José Roquette assumiu a liderança do projecto sportinguista, em meados da década de 1990, a democracia do Sporting tinha sido transformada numa mera formalidade destinada a ratificar decisões tomadas anteriormente nos gabinetes.
Agora, finalmente, voltou a democracia e voltou a política desportiva. Voltaram as estratégias eleitorais. Voltaram as escolhas sem ser por cooptação. Tal como aconteceu em 1989, quando Sousa Cintra ganhou as eleições de forma clara, naquele que terá sido o último acto eleitoral a empolgar o público leonino.
Contrariamente ao que tenho lido, nomeadamente na blogosfera, Godinho Lopes – o acossado candidato da continuidade – não baixou o nível quando considerou Bruno de Carvalho como “um Vale e Azevedo de terceira categoria”. Pelo contrário. A metáfora de Godinho elevou a qualidade desta campanha, estimulando a guerrilha verbal dos candidatos. Ora, isso demonstra que o Sporting está vivo, sendo caso único no País desportivo - sendo vivamente disputado, não obstante atravessar uma das maiores crises da sua história centenária.
O grande sinal de que o Sporting está vivo, e bem vivo, é que, pela primeira vez em mais de 20 anos, os sócios do clube estão em condições de decidir o futuro sem constrangimentos. Isto apesar das manipulações dos meios de comunicação tradicionais, que continuam a existir, prejudicando os candidatos que preferem defender os interesses do Sporting a defender os interesses da banca. Só que hoje há muito mais pessoas a ser informadas por outros meios, por força da imposição da Internet e das redes sociais.
O que Godinho Lopes disse hoje, ao pretender insultar Bruno de Carvalho, é que o Sporting Clube de Portugal pode estar a poucos dias de mudar de vida. Godinho não diminuiu a figura de Bruno de Carvalho ao apelidá-lo de "Vale e Azevedo de terceira". Pelo contrário: elevou-o à condição surpreendente de principal candidato à vitória nas eleições. Até 26 de Março, tudo depende de Bruno Carvalho e da consistência do modelo financeiro que apresentar.
A verdade é que os sportinguistas acordaram e querem, de facto, mudar de vida. Querem um Sporting vencedor, com vida própria e que seja dono do seu destino. E aqueles que até agora encaixavam na “continuidade” estão espalhados pelas várias candidaturas, distribuindo uma força eleitoral que até agora estava concentrada. Este é um dado novo desta campanha. Ora, Godinho Lopes é um dos poucos que ainda não perceberam isso. Só assim se justifica que apareça publicamente ao lado de muitos dos protagonistas de filmes vistos e revistos em Alvalade. E depois diz que não é o candidato da continuidade. De facto, e depois de ter pedido, sem êxito, o apoio de Dias Ferreira (ex-presidente da Assembleia Geral, que agora se confessa enganado pelo Projecto Roquette...), só faltaria a Godinho Lopes pedir o apoio de José Eduardo Bettencourt…

2 comentários:

Ricardo disse...

Não me lembro de nos últimos 20 anos existir alguma eleição num clube desportivo português, desde os maiores aos mais pequenos, com umas eleições com 6 candidatos.
Viva o Sporting!

ALM disse...

Que jogo do poder...
O Godinho atrás do D.F. a ver se consegue juntar votos, O D.F. atrás do B.C. para não perder o comboio porque as sondagens dão prioridade a este, e ele já disse com todo o desplante que o G.L. é a continuidade (como se ele não fosse), mas não quer abdicar do poder para o B.C. à espera de protagonismo, mas estas eleições podem ser o fim dele como futuro dirigente.
Vivo longe e por isso não sou sócio, mas se pudesse votar, Votaria BC ou AM.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...