domingo, 5 de janeiro de 2014

Eusébio. O leão africano que mudou o Benfica

Sporting Clube de Lourenço Marques em 1959-1960. Eusébio é o terceiro, em baixo, a contar da direita

Eusébio envergando a camisola dos sportinguistas do Lourenço Marques


Entrevista polémica ao "Expresso", em Novembro de 2011

Eusébio numa das últimas vezes em que vestiu a camisola do Sporting Clube de Lourenço Marques, em 1960. Em baixo, é o segundo a contar da direita

:: :: ::

Eusébio começou a jogar à bola no Sporting Clube de Lourenço Marques, filial nº 6 do Sporting Clube de Portugal, em Moçambique. Foi o clube que lhe deu oportunidades, depois de ter sido recusado duas vezes no Desportivo de Lourenço Marques, a filial do Benfica naquela antiga colónia portuguesa. E, segundo reza a história, quando viajou para Portugal, seria para representar o Sporting Clube de Portugal.
Quando Eusébio chegou a Lisboa, em 1960, o Sporting tinha dez títulos nacionais, o Benfica tinha outros dez, o FC Porto cinco e o Belenenses 1. Quando saiu, em 1975, o Benfica tinha 21 campeonatos nacionais, o Sporting 14, o FC Porto 5 e o Belenenses 1. Isto significa que o futebolista Eusébio da Silva Ferreira, melhor jogador de todos os tempos do clube da Luz, foi o grande desequilibrador da balança dos títulos nacionais a favor do Benfica, concretizada nos anos sessenta, com a ajuda do presidente do Governo, Oliveira Salazar, que impediu a sua transferência para a Juventus, em 1964.
O que é verdadeiramente extraordinário é que Eusébio, quando era um simples adolescente moçambicano, foi vetado por duas vezes no Desportivo de Lourenço Marques, que era a filial do Benfica na colónia portuguesa, acabando por bater à porta do Sporting Clube de Lourenço Marques, onde começou a revelar os seus dotes de futebolista de eleição. Depois, chegou o interesse do Sporting Clube de Portugal, que acabou por ser traído por uma prudência demasiada dos seus dirigentes. O clube de Alvalade queria Eusébio à experiência, mas a Dona Elisa Anissabana, mãe de Eusébio, queria “dinêro grande”. E o Benfica lá pagou 110 mil escudos. Na época, era mesmo “dinêro grande”.
Mesmo depois de Eusébio chegar a Lisboa, ainda havia a possibilidade de ingressar no Sporting, mas o atleta foi afastado de eventuais “más companhias”, sendo colocado em casa de um benfiquista algarvio até que se resolvesse a trapalhada em que se transformaria a sua transferência para Portugal. É que, com o Sporting Clube de Portugal interessado no jogador, o Sporting Clube de Lourenço Marques não emitia a carta que libertaria Eusébio para o Benfica. Face ao impasse então verificado, até o FC Porto chegou a tentar contratar o jogador moçambicano. Em vão. Porque a Dona Elisa já tinha dado a palavra ao Benfica e não aceitava que Eusébio fosse para outro clube que não o Benfica. Provavelmente, foi um dos maiores azares da história centenária do Sporting Clube de Portugal!
Já nos últimos tempos da sua vida, Eusébio esqueceu o seu passado de jogador da filial sportinguista de Moçambique, que fez dele jogador de futebol. Numa entrevista ao “Expresso”, em 12 de novembro de 2011, o antigo craque da seleção portuguesa, num registo divisionista e ofensivo para a nação sportinguista, afirmou: “Não gosto do Sporting. No meu bairro, era o clube da elite, da polícia e dos racistas.” Ora, foi precisamente nesse clube que Eusébio começou a jogar. Na sequência daquelas declarações, Eusébio acabou por ser desmentido por um colega de equipa (ver aqui: http://bit.ly/1kkc77y).
Eusébio foi o melhor jogador e marcador do Mundial de Inglaterra 66, onde Portugal foi terceiro. Foi campeão europeu de clubes em 1962 e três vezes vice-campeão, conquistou duas "Botas de Ouro" (melhor marcador dos campeonatos europeus) e uma "Bola de Ouro" (melhor jogador Europeu). No Benfica, conquistou 11 campeonatos nacionais, distinguindo-se como melhor marcador da prova em sete ocasiões, além de ter ajudado o Benfica a conquistar cinco Taças de Portugal. Entre 1975 e 1979 jogou nos Estados Unidos e no México, tendo também representado o Beira Mar e a União de Tomar.
Vi Eusébio jogar uma vez. Foi num Sp. Braga-Beira Mar, numa tarde de domingo, na temporada 1976-1977. Desse jogo, que terminou com um empate a um golo, lembro-me da expectativa que se apoderou das bancadas do magnífico Estádio 1º de Maio quando Eusébio, vestindo a camisola do Beira Mar, foi chamado a cobrar um livre direto. A bola saiu muito pelo ar, demonstrando que Eusébio, na altura com 35 anos, estava acabado para o futebol. Morreu neste domingo, aos 71 anos, durante o sono. Foi um jogador tão grande que mudou a história do Benfica. E do futebol português.
Neste momento de dor e perda, o LEÃO DA ESTRELA endereça sentidas condolências à família de Eusébio.

2 comentários:

MaximinoMartins disse...

Paz à sua alma...
Como os comentários menos simpáticos do Eusébio para com o Sporting, foram normalmente feitos no fim de alguns repastos bem regados..estás desculpado...
E como disse o Figo...fostes "o mais grande"...

tativic disse...

Enviei um comentário com um testemunho pessoal, h+á cerca de 3 horas e, até agora, não o vi publicado; será que "não teve interesse"??
Agradeço confirmação.
Obrigado

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...